Partes mais afetadas na artrose e possíveis tratamentos







Todas as articulações estão sujeitas a serem acometidas pela artrose, porém são mais comuns as articulações de membros inferiores. Isso ocorre devido essa região ter que sustentar o peso corporal, como:

A coluna

A artrose pode acometer diferentes tipos de articulação, seja nas vértebras do pescoço como em outras áreas das costas. Caracterizada pela degeneração progressiva do disco situado entre as vértebras ou da cartilagem. Assim há um envelhecimento acelerado das células, desempenhando sua função irregularmente.

Os quadris

Outro local comum de artrose é o quadril. Assim como a artrose nos joelhos, os sintomas no quadril incluem dor e rigidez na própria articulação. Porém, em alguns casos, a dor é sentida na região glútea, virilha, coxas e até nos joelhos. Artrose no quadril pode limitar a movimentação, tornando atividades cotidianas, como vestir-se e colocar um sapato, um desafio.

Os joelhos

As articulações dos joelhos são as mais afetadas pela artrose. Os sintomas de incluem rigidez, inchaço e dor tornam difícil de realizar movimentos rotineiros como andar, sentar e levantar. Artrose nos joelhos pode ser extenuante.

Os tornozelos

Não é uma região onde a artrose é comum. Isso ocorre pelo fato da cartilagem revestida no tornozelo apresente uma resistência muito maior do que as demais. Assim, a artrose primária do tornozelo é relativamente rara.

Normalmente, os pacientes desenvolvem artrose no tornozelo como consequência de fraturas, lesões ligamentares graves ou doenças inflamatórias (reumatismos). Apesar de menos frequente é uma situação bastante incapacitante, pois a dor costuma ser intensa e muito limitante para as atividades diárias.

Os pés

Muito conhecida por joanete, resultado este de uma irregularidade da posição dos ossos que formam a articulação tíbio-társica (tornozelo) com o médio-pé (região do pé logo após o tornozelo). São muitas as alterações posturais ou da mecânica do pé, congênitas ou adquiridas por alguma patologia ou alteração postural não corrigida que levam ao desgaste da cartilagem e à consequente artrose no pé.

Se estas alterações não forem corrigidas, com o passar do tempo os pés podem ficar bastante deformados e rígidos, dificultando a marcha e o uso de calçado. A artrose do pé pode manifestar-se em diferentes regiões do pé, podendo ser bilateral (nos dois pés) ou unilateral.

O pé é dividido em três regiões: o retropé (parte de trás do pé – tornozelo) composto pelo osso do calcanhar e pelo astrágalo. O mediopé (região do pé mais próxima ao tornozelo) composto pelos ossos navicular, cubóide e cuneiformes. E o antepé (parte da frente do pé, onde se encontram os dedos) composto pelos metatarsos e falanges.

As mãos

Mulheres têm maior probabilidade de desenvolver artrose nas mãos, sendo que a maioria dos casos acontece depois da menopausa e também pode ser hereditária, ou seja, se a sua mãe ou avó teve artrose nas mãos, você sofre um risco maior de ter também.

Quando a artrose se desenvolve nas mãos, pequenas saliências ósseas podem aparecer nas extremidades das articulações dos dedos (aquelas perto das unhas). "Bicos" ósseos similares podem aparecer nas articulações médias dos dedos. Os dedos podem ficar inchados, doloridos, duros e dormentes.

Os tratamentos são paliativos, não há um tratamento que inverta ou pare definitivamente a artrose. Porém, na fase inicial da doença o tratamento contribui para diminuir a dor e a rigidez das articulações. O tratamento ainda auxilia na melhora dos movimentos, melhorando assim a qualidade de vida do paciente.

O tratamento é muito individual e leva em conta alguns fatores como:

Gravidade da situação;
Número de articulações atingidas pela artrose;
Idade do paciente;
Sintomas;
Atividades diárias.

O tratamento consiste em:
  • Perda de peso para pessoas com sobrepeso;
  • Orientação postural;
  • Exercícios físicos como alongamentos e exercícios de fortalecimento sem carga;
  • Fisioterapia: é uma grande aliada sendo útil para alívio da dor, diminuição do inchaço, dos ruídos ao movimentar a articulação e melhora da função, sendo indicado para todas as pessoas. Quando aliada aos medicamentos são muito eficazes no alívio da dor e melhora da função.
  • Medicamentos sintomáticos: Estão atualmente em desenvolvimento, medicamentos provavelmente capazes de retardar ou mesmo parar a evolução da artrose ou prevenção do agravamento da destruição articular e suas consequências.
  • Cirurgia: quando a doença se agrava, geralmente em último caso, recorre-se às cirurgias;
  • Órteses: são recursos que auxiliam a manter as articulações alinhadas e funcionando corretamente. São vários tipos de órteses que podem limitar os sintomas e ajudar a manter a função das articulações em pacientes com artrose. Cintas e talas: imobilizam as articulações auxilia na diminuição da inflamação e da dor;
  • TENS (neuroestimulação elétrica transcutânea): é um aparelho que produz uma corrente elétrica leve que estimula as fibras nervosas na pele, intervindo com a transmissão de sinais de dor das articulações com artrose;
  • Campo eletromagnético pulsátil: baseia-se na criação de campos eletromagnéticos pulsáveis de baixa intensidade em torno das articulações. O PST aparentemente opera estimulando o metabolismo e a atividade das células das cartilagens. Há algumas pesquisas que comprova a melhora da dor e da capacidade funcional, no entanto, este tratamento ainda não possui estudos científicos aceitáveis para ser largamente indicado pelas sociedades internacionais de reumatologia.

Nos Siga nas Redes Sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube . Adicione no grupo do Whatsapp

Deixe seu comentário e nos marque(@Sua Saúde) pra gente ver:

Nenhum comentário