Armadilhas da alimentação que causam muito cansaço




Alimentação: um remedio para cansaço e desanimo


O estilo de vida moderno tem deixado as pessoas cada vez mais cansadas. Mas não falamos apenas de estresse ou noites em claro. Muitas vezes, o que leva sua disposição embora é uma alimentação desequilibrada.

Acredite: dependendo de como anda sua dieta, o corpo pede arrego. Depois de apontar os hábitos alimentares que afastam o cansaço, SAÚDE lista as armadilhas no cardápio que roubam sua energia.

1) Não exagere nas refeições

Já percebeu como bater uma pratada no almoço acarreta uma sonolência indomável durante a tarde? Isso ocorre porque, após uma refeição volumosa, o organismo é forçado a trabalhar mais em prol da digestão.

Aí, o fluxo sanguíneo é direcionado para estômago, intestino e companhia. Como consequência, a circulação no cérebro fica comprometida. Resultado: aquela tarefa que exige bastante da massa cinzenta certamente será executada com uma dose de dificuldade. Para não sofrer, a solução é ser comedido ao montar o prato.

Esse cuidado facilita o processo digestivo e assegura que o aporte de sangue seja distribuído de maneira democrática por todos os cantos.

2) Maneire nas fontes de sal e proteína

É o que sugere um experimento de laboratório conduzido pelo químico William Ja, do Instituto de Pesquisa Scripps, nos Estados Unidos. No trabalho, moscas enfrentaram o que o cientista chamou de "coma alimentar" após abusarem de fontes de proteínas e sal.

"Essa sonolência pode ser um reflexo para regular a assimilação e a digestão dos nutrientes depois da ingestão de certos alimentos", especula Ja. Outro elemento lembrado por incitar bocejos em horários indevidos é a gordura. "Assim como a proteína, ela demora mais para ser digerida", afirma a nutricionista Lara Natacci, da clínica Dietnet, em São Paulo. Não é motivo para negar a feijoada de quarta-feira com o pessoal do trabalho – mas está aí uma evidência extra a favor da moderação.

3) Fuja do junk food

A gente deve prestar atenção à qualidade nutricional dos alimentos por mil motivos. E um deles seria justamente a influência em nossa disposição. Um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, comprovou, em cobaias, que seguir uma dieta cheia de comida calórica e gordurosa (a popular junk food) por dois meses impactou de forma significativa na disposição dos bichos – eles demoravam muito para cumprir tarefas pelas quais recebiam recompensas. Cortar esses alimentos da rotina leva a melhoras dramáticas em vários fatores cognitivos e de saúde mental.

Nesse combo, entram falta de energia e sensação de cansaço. O padrão alimentar ideal varia de acordo com cada indivíduo – uma pessoa, por exemplo, não se dá bem com carboidratos, enquanto outras pessoas lidam mal com gorduras. Mas o denominador comum em dietas saudáveis é o fato de excluírem itens altamente processados.

Um menu à base de lanches, sorvete, batata frita e refris tem tudo para detonar a saúde e abalar a energia. Mas, salvo exceções, dá para se entregar a essas tentações vez ou outra.

4) Nada de dietas radicais

Deseja perder peso? Pois isso não é desculpa para embarcar em propostas malucas. Agora, se colocá-las em prática, fique sabendo: a pobreza nutricional e a redução brusca de calorias típicas de cardápios restritivos são passaportes para a moleza se instalar no corpo.

Além de causarem prejuízos em termos de energia, esses regimes mexem muito com o estado de raciocínio e até com as relações pessoais. Esses planos alimentares são insustentáveis. Se perder peso dependesse apenas de restringir números, seria fácil. Mas é um processo mais complexo. Por essas e outras, compensa esquecer as dicas da internet e buscar auxílio de um profissional.


Comente:

Nenhum comentário