Dia 25 de maio é o dia Internacional da Tireoide


http://images3.minhavida.com.br/imgHandler.ashx?mid=35219

Dia 25 de maio é o Dia Internacional da Tireoide, e uma das doenças mais comuns da glândula é o hipotireoidismo, mas você conhece a doença? Sabe os seus sintomas? O hipotireoidismo é uma disfunção causada na maioria dos casos por uma doença auto-imune que afeta a glândula tireoide denominada, tireoidite de Hashimoto. Essa glândula está localizada na região anterior do pescoço, ao redor da traqueia, em forma de borboleta e com 15ml, bem pequenininha.  

Veja as cinco principais dúvidas sobre o hipotireoidismo.

1 - Hipotireoidismo e câncer na tireóide são a mesma coisa?

Não. O câncer de tireóide surge em 100% dos casos a partir de um nódulo tireoideano. O paciente que tem hipotireoidismo pode apresentar nódulo, e este pode vir a se tornar um câncer de tireóide.Na maioria dos casos o câncer de tireóide assim como o hipotireoidismo podem não apresentar sintomas clinicamente perceptíveis, e levarem certo tempo até serem diagnosticados.

2- É regra apresentar  nódulo na tireóide  quando se tem hipotireoidismo?

Não. O hipotireoidismo não obrigatoriamente deve ser associado a presença de nódulo tireoideano. É importante frisar que o hipotireoidismo é uma doença funcional da glândula, de alteração para baixo da produção normal dos hormônios da glândula tireóide. Outra coisa são os nódulos tireoideanos que são alterações estruturais da tireóide, que tem curso geralmente lento e benigno na maior parte dos casos, e que nem sempre está associado ao hipotireoidismo. Essa associação de hipotireodismo e nódulo de tireóide é até comum no dia-a-dia, porém não existe qualquer relação de causa e efeito de uma com a outra.

3- Todo nódulo benigno que aparece na tireóide precisa ser removido? .

Não. Os nódulos com característica benigna devem ser acompanhados través de exames anuais de ultrassonografia de tireóide para avaliar tamanho, contorno, vascularização, e crescimento. Não ha necessidade de remoção nesses casos.

4-Há diferenças no tratamento de um nódulo na tireóide e de um câncer na tireóide?

Com certeza os tratamentos são distintos. Se o nódulo for solitário ou forem múltiplos faz diferença. A única semelhança é que os nódulos malignos e os benignos podem ser ressecados através de cirurgia que deve ser individualizada para cada caso. No tratamento do câncer de tireóide alem da retirada cirúrgica total da glândula, ainda existe a necessidade de se fazer um tratamento adicional com iodo radioativo.

5- É possível para o médico dizer se o nódulo na tireóide é ou não benigno sem fazer a biópsia?

Sim, através de exame de ultrassonografia, existem alguns parâmetros que podem permitir ao medico de inicio dizer se a lesão se trata de uma lesão benigna ou se existe algum grau de suspeição para malignidade.

Iogurte: excelente fonte de cálcio, probióticos e proteínas para o corpo


Pote de Iogurte (Foto: Editoria de Arte / EUATLETA.COM)

O iogurte é um produto lácteo fresco, obtido pela fermentação do leite com cultivos pró-simbióticos de Streptococcus thermophillus e o Lactobacillus bulgaricus através do leite integral, desnatado ou padronizado. Os iogurtes são classificados quanto ao teor de matéria gorda estabelecidos pela legislação:

- COM CREME: teor de gordura mínimo de 6g/100g;

- INTEGRAIS: teor de gordura mínimo de 3g/100g;

- PARCIALMENTE DESNATADOS: teor de gordura máximo de 2,9g/100g;

- DESNATADOS: teor de gordura máximo de 0,5g/100g.

O iogurte é excelente fonte de cálcio, probióticos e proteínas

•  O cálcio é um nutriente essencial e necessário em funções biológicas como a contração muscular, coagulação sanguínea, transmissão do impulso nervoso ou sináptico e o suporte estrutural do esqueleto. Muitos estudos têm demonstrado que o consumo de cálcio previne doenças como a osteoporose, hipertensão arterial, obesidade e câncer de cólon. A recomendação de cálcio para adultos é de 1000mg;

•  Proteínas são enzimas e hormônios responsáveis pela regulação das reações químicas do organismo. São agentes protetores, veículos de transporte, ação anti infecciosa, anticorpos (imunoglobulinas), crescimento e reparação de tecidos (músculo, ossos, pele e sangue);

•  Probióticos são microrganismos vivos, administrados em quantidades adequadas, que conferem benefícios à saúde do hospedeiro. A utilização de culturas bacterianas probióticas estimula a multiplicação de bactérias benéficas, em detrimento à proliferação de bactérias potencialmente prejudiciais, reforçando os mecanismos naturais de defesa do hospedeiro, muito importante para a função intestinal e sistema imune.

A indústria alimentícia está sempre com novidades, trazendo para o Brasil o "iogurte Grego" que possui paladar mais suave e consistência mais firme e aveludada do que os iogurtes tradicionais. Entretanto, contém mais gorduras em comparação aos iogurtes desnatados.

Devemos avaliar a consistência, sabor, composição nutricional (se possui ou não gordura, teor de proteína, cálcio e sódio) de cada iogurte para escolher o que melhor atende as nossas necessidades.

Hipertensão pode afetar o cérebro


http://www.gadoo.com.br/wp-content/uploads/2014/07/519.jpg

De acordo com o Ministério da Saúde, 24,8% dos brasileiros sofrem de hipertensão. Dentre esse percentual, 59% possuem mais de 65 anos. A pressão alta é uma das maiores causas de morte por problemas cardíacos no mundo. Mas o que poucos sabem é que ela também pode contribuir para diversas enfermidades no cérebro.

A hipertensão arterial é uma doença crônica que ocorre quando os vasos sanguíneos se contraem mais do que o necessário, o que dificulta a passagem do sangue. Quando os vasos estão estreitados, a pressão sobe. Por definição médica, o paciente é considerado hipertenso quando sua pressão se encontra, por vários dias, acima de 14 por 9.

Geralmente, ela só apresenta sintomas quando se torna muito grave, com sérias consequências ao corpo, como dores de cabeça, vômito, falta de ar, agitação e visão turva. A pressão alta pode causar infarto, insuficiência cardíaca, angina, insuficiência renal, cegueira, e levar a derrames e acidentes vasculares cerebrais (AVCs).

Há alguns fatores de risco e a importância de preveni-los. O histórico familiar, maus hábitos alimentares, tabagismo e excesso no consumo de álcool são alguns dos motivos que podem levar à hipertensão. Além disso, para evitar o aumento da pressão, é necessário reduzir a ingestão de alimentos com muito sódio, principalmente enlatados e utraprocessados (como macarrão instantâneo, refrigerantes, biscoitos e salgadinhos) e praticar regularmente atividade física.

A  pressão também tende a aumentar em situações de estresse. Com o corpo agitado e em estado de alerta, os batimentos cardíacos aumentam e o coração bombeia mais sangue para os músculos, o que aumenta a pressão na parede das artérias. O aumento da pressão arterial pode ser uma das causas de diversas complicações no cérebro. Quando a pressão está alta, as artérias cerebrais ficam mais enrijecidas, podendo causar um AVC. A arteriosclerose e a demência vascular também podem ser ocasionadas pela hipertensão. Veja abaixo mais detalhes de cada patologia:

Acidente Vascular Cerebral (AVC): Além da hipertensão arterial, o colesterol elevado, fumo, diabetes, histórico familiar, ingestão de álcool, vida sedentária, excesso de peso e estresse são considerados fatores de risco. O AVC pode ser decorrente de lesões cerebrais relacionadas a patologias que acometem artérias e veias. O AVC pode ser prevenido com o controle da hipertensão, do tabagismo, das dislipidemias (ou seja, alterações do metabolismo que geram aumento do colesterol total e do ruim, diminuição do colesterol bom e aumento das triglicérides) e com a realização de atividades esportivas. No entanto, doenças específicas como os aneurismas intracranianos devem ser pesquisados nos familiares de pacientes que tenham uma história da doença envolvendo parentes de primeiro grau.

Arteriosclerose: é uma doença degenerativa da artéria ocasionada pela destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial. A hipertensão arterial de longa duração e sem tratamento adequado e o aumento da idade são as principais causas. A pressão alta provoca alterações na superfície interna das artérias, facilitando a penetração das gorduras na parede arterial. Na arteriosclerose, há um depósito de gordura, cálcio e outras substâncias na parede das artérias, o que faz com que elas se estreitem e os tecidos irrigados por elas sofram um déficit, ou seja, ocorre uma isquemia (falta de sangue). Pessoas acima de 50 anos e hipertensas devem fazer consultas regulares ao cardiologista e ao neurologista, especialmente se sentirem dor no peito e nas pernas e dormência em algum membro. O diagnóstico precoce e o tratamento correto podem impedir o agravamento da arteriosclerose e prevenir um ataque cardíaco, derrame ou outra emergência médica.

Demência Vascular: depois do Alzheimer, esta é uma das causas mais comuns de demência. Ela é caracterizada por múltiplas isquemias (diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição), que vão ocorrendo no cérebro ao longo da vida do indivíduo. Essas isquemias vão se somando e causam uma diminuição na competência cognitiva. As sequelas variam de acordo com a gravidade dos acidentes vasculares cerebrais. Pode haver paralisia, indisposição, esquecimentos e incapacidade de desenvolver tarefas do dia a dia. O tratamento é necessário para prevenir outros acidentes vasculares. Geralmente, também são indicados medicamentos para aliviar a inquietude, depressão e distúrbios do sono, que podem acompanhar a demência. O acompanhamento das famílias é extremamente importante, já que muitos pacientes ficam dependentes de cuidados.

O neurocirurgião alerta que "a hipertensão é uma doença silenciosa grave e que pode matar, por isso é indispensável buscar uma vida mais saudável, praticar exercícios físicos regulares, criar uma rotina de alimentação equilibrada e fazer exames periódicos".


Cópia autorizada mediante citação com link: http://oportaln10.com.br/hipertensao-afeta-o-cerebro-alerta-neurocirurgiao-46254/#ixzz48HV72uzY
Under Creative Commons License: Attribution
Follow us: @PortalN10 on Twitter | PortalN10 on Facebook

Utilidade Pública: Como evitar e se prevenir do H1N1?


   http://www.dicasdemulher.com.br/wp-content/uploads/2016/04/h1n1.jpg

A melhor forma de enfrentar qualquer uma das doenças que afetam o Brasil neste momento (H1N1, dengue, Zika, Chikungunya) é estar com a imunidade alta. Para isso, todos sabemos o que é preciso: dormir bem, alimentar-se bem, evitar o estresse e fazer atividades físicas regularmente.

Considerando essas recomendações básicas, vamos, ainda, saber o que podemos fazer para evitar o vírus H1N1 e nos prevenir dele.

Com a proximidade do frio, o vírus se aproveita dos ambientes poucos ventilados para se multiplicar. O grande trânsito de pessoas pelos países que ainda estão no outono, como Canadá, Estados Unidos e países europeus, trouxe o vírus mais cedo para o Brasil, segundo hipótese levantada por especialistas.

Vacinas contra H1N1

As vacinas contra o vírus estão sendo dadas, mas muita gente tem medo de tomá-las por acreditarem que podem ter reações ou sofrerem dos sintomas da doença com possíveis complicações.

A forma mais eficaz de prevenção do H1N1 é a vacina. Ela não é 100% eficaz, mas protege, sobretudo, o "grupo de risco", formado por crianças, idosos, grávidas e pessoas com doenças crônicas, que pode desenvolver sintomas mais graves, como falta de ar.

A campanha de vacinação começou em todo o Brasil no dia 30 de abril. Procure um posto de saúde próximo à sua casa se quiser tomar a vacina.

Sintomas do H1N1

Os sintomas mais comuns da gripe provocada pelo H1N1, um tipo do vírus Influenza, são: tosse, febre alta, dores no corpo, vômito, diarreia, dor de garganta, coriza e nariz entupido.

Os sintomas da gripe comum e da provocada pelo H1N1 são muito parecidos, por isso, em caso de suspeita, procure um médico para que ele possa fazer o diagnóstico correto.

Prevenção do H1N1

O Ministério da Saúde recomenda evitar locais com aglomeração de pessoas, pois isso reduz o risco de contrair a doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a principal forma de transmissão não é pelo ar, mas sim pelo contato com superfícies contaminadas. Por isso, o uso de máscaras não evita o contágio, a não ser para quem já está doente, para não transmitir o vírus à outras pessoas.

Outras medidas preventivas são:

1. fazer frequente higienização das mãos com água e sabão ou álcool gel a 71%. Quando lavar as mãos, retire acessórios como anéis, pulseiras, relógio, pois eles acumulam microrganismos;
2. abra a torneira e molhe as mãos, evitando encostar-se na pia;
3. enxágue as mãos, retirando os resíduos de sabonete;
4. evite contato direto das mãos ensaboadas com a torneira;
5. seque mãos e punhos com papel-toalha descartável;
6. no caso de torneiras com contato manual para fechamento, sempre utilize papel-toalha para fechá-la;
7. use lenço descartável para higiene nasal;
8. cubra nariz e boca ao espirrar ou tossir;
9. evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
10. higienize (lavar) as mãos após tossir ou espirrar; evite aglomerações;
11. não divida objetos de uso pessoal, como toalhas de banho, talheres e copos;
12. evite tocar superfícies do tipo maçanetas, interruptores de luz, chave, caneta, torneira, entre outros;
13. descarte luvas ou outros equipamentos de proteção individual contaminados ou tocados por mãos contaminadas;
14. não circule dentro de hospital usando os equipamentos de proteção individual, que devem ser imediatamente removidos e descartados após a saída do quarto, enfermaria ou área de isolamento.

Você sabe a maneira correta de descartar medicamentos?


http://www.upira.com.br/site/wp-content/uploads/2016/05/medicamentos_217.jpg


 

Sempre bate aquela dúvida sobre a destinação correta de embalagens e medicamentos que passaram do prazo de validade. O Brasil ser o sétimo país do mundo em venda de medicamentos e pode chegar à quinta colocação até 2020.

 

A Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei nº 12.305 de 2010, estabeleceu regras de logística reversa para setores como o de agrotóxicos, pilhas, baterias e pneus, instituindo a responsabilidade compartilhada entre fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, cidadãos e empresas responsáveis pelo recolhimento dos resíduos sólidos urbanos e embalagens pós-consumo. No entanto, não há legislação específica que regulamente o descarte de remédios vencidos ou sem uso pelos consumidores.

 

O descarte de medicamentos vencidos no lixo comum (seco ou orgânico), na pia ou no vaso sanitário oferecem riscos ao meio ambiente, podendo contaminar a água e o solo, além de representar um risco às pessoas que manuseiam resíduos em aterros sanitários.

 

Para os seres humanos, a principal preocupação é em relação aos antibióticos, estrogênios (hormônios que controlam a ovulação das mulheres), e substâncias usadas em tratamentos de quimioterapia. O maior risco é o desenvolvimento de bactérias resistentes aos antibióticos, já que eles ficam expostos no ambiente quando há descarte irregular dos mesmos. As substâncias quimioterápicas trazem a possibilidade de produzir mutações genéticas e os estrogênios usados em pílulas anticoncepcionais são apontados por estudos internacionais como a causa da mudança de sexo em peixes, colocando em risco a existência dos peixes machos.

 

Segundo o especialista em farmácia Marcelo Rodrigues, colaborador do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento, a solução ainda é incinerar as substâncias químicas. A recomendação é que o cidadão comum leve tais medicamentos onde há pontos de coleta, geralmente eles são disponibilizados em determinados postos de saúde, Unidades Básicas de Saúde e farmácias.

"Algumas farmácias e instituições têm parcerias com as empresas responsáveis pela incineração destes resíduos e possuem uma cota que disponibilizam para coletar essas substâncias químicas dos consumidores que vivem comunidade local", explica.

 

Mesmo que haja estações de tratamento de água e saneamento básico na sua cidade, comprimidos e soluções despejados no vaso sanitário, quando não vão para a rede de esgoto, infiltram-se no solo. Já as substâncias jogadas na pia, ainda que cheguem às estações de tratamento de água, estas não dão conta de eliminar todos os componentes, que podem acabar sendo despejados no mar. E os que vão parar no lixo comum contaminam os lençóis freáticos.

Outras medidas podem ser importantes no sentido de evitar o desperdício:

 

- Compre medicamentos apenas quando necessário;

- Procure comprar a quantidade exata, ou a que for amais próxima possível, do tratamento prescrito;

- Antes das consultas, verifique quais medicamentos você já possui em casa;

- Não interrompa o tratamento por conta própria.

 

Vale lembrar que as embalagens secas e as bulas podem ser recicladas. Em São Paulo, o programa Descarte Consciente permite que os remédios sejam coletados em farmácias parceiras. Veja aqui os pontos de coleta mais próximos de você.