Saiba mais sobre a Microcefalia


http://jornalpequeno.com.br/wp-content/uploads/2015/11/image008.jpg

A microcefalia é uma doença na qual o bebê nasce com a cabeça significativamente menor que o normal em relação ao restante do corpo.

Ela é detectada durante a infância e por isso o diagnóstico precoce da condição é importante para possibilitar algumas formas de tratamento.

Causas da microcefalia

Diversas patologias podem causar uma microcefalia, de origem congenital: uma parada prematura do crescimento durante a gravidez, um fluxo sanguíneo insuficiente durante a gravidez, algumas doenças cromossômicas. Desnutrição e abuso de drogas pela gestante também aumentam os riscos da doença.

Recentemente, um surto de microcefalia no Nordeste do Brasil levantou a hipótese de participação do vírus da febre zika na indução da doença.

Sintomas da microcefalia

Os sintomas da microcefalia são tamanho de crânio inferior ao normal, estimado pela medida do perímetro craniano; forma particular do crânio em casos que não envolvam craniostenose, ou seja, fechamento da calota craniana antes do momento adequado, e retardo mental mais ou menos profundo.

Diagnóstico da microcefalia

O diagnóstico da microcefalia é relativamente fácil pois se baseia no exame da morfologia do crânio e da circunferência da cabeça. Esse exame é realizado com a ajuda de uma fita métrica que permite a medida do perímetro craniano e a comparação com as curvas da normalidade. O diagnóstico da microcefalia pode também ser feito durante a gravidez, por meio de uma ultrassonografia pré-natal.

Tratamento da microcefalia

De maneira geral, a microcefalia é geralmente impossível de corrigir. Em algumas situações, principalmente em casos de craniostenose, uma intervenção cirúrgica visando abrir levemente em alguns locais a caixa craniana é possível para permitir ao cérebro se desenvolver mais ou menos normalmente. Uma grande parte do tratamento consiste também em gerir os sintomas da microcefalia, como o retardo mental e os outros problemas de desenvolvimento.

Prevenção da microcefalia

Para evitar as anomalias da criança no nascimento e principalmente a microcefalia é importante que a gravidez se desenvolva da melhor forma possível e que a mãe não consuma substâncias tóxicas para o desenvolvimento do feto, como o álcool, o tabaco e as drogas.

Calor piora casos de incontinência urinária


http://www.gestacaobebe.com.br/wp-content/uploads/2014/10/incontinencia-posparto.jpg

A incontinência urinária afeta 10 milhões de brasileiros, de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, e é considerada um câncer social, pelos danos que causa à autoestima da pessoa. A pessoa não consegue ter convívio social nem sexual. Acredita que está sempre cheirando urina, tem medo de sair de casa e passar por um sufoco. E essa situação pode sim causar uma depressão - porque ela acredita que aquilo não terá cura.

O calor torna mais difícil a vida de quem não consegue controlar a urina. Isso porque, com o consumo maior de água durante o período, torna-se mais recorrente a necessidade de ir ao banheiro. Outra questão é o cheiro forte, agravado pelas altas temperaturas e as roupas usadas durante o verão. Como a estação quente exige roupas mais leves e claras, fica mais difícil esconder em caso de alguma perda de urina.

Causas
Ao contrário da crença popular, a incontinência urinária não é uma consequência normal da idade, apesar do envelhecimento trazer alterações estruturais na bexiga e no trato urinário que podem favorecer o aparecimento da condição. O tipo mais comum é a Incontinência Urinária de Esforço (I.U.E.), caracterizada pela perda de urina ao rir, tossir ou em qualquer movimento ou esforço. A I.U.E. atinge exclusivamente mulheres e pode ocorrer por fraqueza do esfíncter e do assoalho pélvico, além de múltiplos partos ou queda do hormônio feminino após a menopausa. Já nos homens, a incontinência urinária está relacionada a procedimentos cirúrgicos na próstata, que podem afetar o funcionamento do esfíncter.

Tem tratamento
Engana-se quem acredita que a condição não tem cura. Nas mulheres, nos casos mais simples, é possível fazer fisioterapia ou usar radiofrequência para ativar a musculatura, entre outros tratamentos. Nos casos moderados a graves, há um procedimento cirúrgico para aplicação de slings, malhas que sustentam a uretra. Nos pacientes mais complexos, como homens que perdem o funcionamento do esfíncter após a prostatectomia radical, é possível substituir o esfíncter com uma operação, utilizando um esfíncter artificial .

A prótese fica totalmente contida no corpo e possui uma bombinha dentro do saco escrotal que permite ao homem liberar a urina quando tiver vontade. No restante do tempo, o esfíncter permanece fechado. A incontinência urinária grave atinge 10% dos pacientes com incontinência que, sem tratamento, precisam recorrer às fraldas. As terapias devolvem o conforto e autoestima do homem.

Tratamento para a Incontinência Urinária

Homens
Após retirada de próstata
- Cirurgia para aplicação de esfíncter artificial

Mulheres
Incontinência Urinária de Esforço
- Cirurgia para aplicação de sling

Bexiga Hiperativa
- Toxina Botulínica
- Neuromodulador sacral
- Medicamento
- Fisioterapia Pélvica

Como superar a crise da Síndrome do Pânico



10 Formas De Superar Sua Síndrome Do PânicoQuem nunca passou por um ataque de pânico ou ataque de ansiedade simplesmente não vai entender.

O medo constante de mais um ataque de pânico, o medo de morrer, as dores no peito, a perda de fôlego, a dormência e formigamento, a sensação de que nunca vai passar, a frustração diária: isso literalmente destrói sua vida.

Você não consegue trabalhar, você não consegue conversar com ninguém (ninguém vai entender) e você não consegue funcionar direito.

Se você sofre com essa situação terrível, é importante se convencer de que há esperança. Existem muitas formas de superar a síndrome do pânico e não deixe ninguém dizer a você que isso não é possível.

Para quem toma remédio para tudo, esse texto não vai ajudar muito. Remédios para síndrome do pânico geralmente só escondem os sintomas e não faz nada para curar de fato esse transtorno terrível.

Remédios para síndrome do pânico fazem duas coisas: a primeira é causar efeitos colaterais horríveis, muitas vezes piores do que a própria síndrome do pânico, ao mesmo tempo que pode danificar seu fígado (sem contar o quanto eles causam dependência).

A segunda coisa que eles fazem é deixar as grandes empresas farmacêuticas mais ricas todos os dias, com o seu dinheiro.

Aqui Vão As 10 Formas Naturais De Superar Sua Síndrome Do Pânico:
  1. Ervas

Um número considerável de estudos já confirmou que a camomila, a arva-de-são-joão e a raiz valeriana podem reduzir significativamente os sintomas da síndrome do pânico. Essas ervas são mais eficazes em casos mais leves de pânico e não vão ajudar muito em casos mais graves de síndrome do pânico.

O chá de camomila é especialmente recomendado se o seu pânico está atrapalhando seu sono, por causa do seu efeito sedativo.

Se você está tomando qualquer outra medicação, verifique se é seguro tomar os dois antes de começar.

  1. Suplementos

Pesquisas têm mostrado que o magnésio é necessário para dissipar os efeitos do estresse traumático que pode ocorrer a partir de episódios intensos de medo e pânico.

O magnésio também ajuda a desfazer a condição mental que contribui para um ataque de pânico, ajudando a criar novos padrões de reações cerebrais não influenciadas pelo medo ou pela ansiedade.

Se você puder, faça um exame de sangue para ver se você tem deficiência de magnésio. Se tiver, considere tomar um suplemento natural de magnésio. Você pode se surpreender pelos resultados.

Ômega 3 também descobriu-se ser eficiente na redução do estresse e pânico em cerca de 20%. Lembre-se sempre de tomar uma quantidade adequada de Ômega 3 todos os dias, através do salmão e outros peixes ou tomando um suplemento orgânico de óleo de peixe.

Isso também reduz algumas informações sistêmicas e deixa as conexões neurais do seu cérebro mais resilientes.

Gaba como suplemento tem a função de acalmar os nervos em nosso sistema nervoso central. Altos níveis de estresse ao longo do tempo podem interferir na produção desse neurotransmissor, e se você não ter gaba o suficiente, você pode contrair comportamento maníaco, alcoolismo e ansiedade extrema, que consequentemente contribui para síndrome do pânico.

Outros sintomas de deficiência de gaba incluem dores de cabeça, palpitações e baixa libido. Você pode considerar tomar de 500 a 1000 mg por dia de suplemento de gaba, ou comer mais alimentos que aumenta a sua produção: castanhas, bananas, brócolis e espinafre, chá verde e frutas cítricas.

  1. Dieta Contra Síndrome do pânico

A síndrome do pânico sempre foi considerada ser um transtorno mental, certo?

Errado. Novas pesquisas descobriram que depressão e transtorno do pânico na verdade podem originar se no intestino.

Por isso que muitas pessoas sofrem de síndrome do intestino irritável, Síndrome do pânico e transtorno da ansiedade ao mesmo tempo.

Uma dieta saudável vai definitivamente, e eu repito, definitivamente, ajudar você imensamente a superar seu problema de síndrome do pânico.

Todos nós sabemos o que é uma dieta saudável, então não tem desculpas. Diminua o açúcar, gordura, carne e derivados do leite o máximo que você puder, coma mais legumes e frutas.

  1. Elimine alimentos que disparam um ataque de pânico

Muitas pessoas relatam que a cafeína é um grande causador de ataques de pânico. Outros dizem ser a glutamina. Você pode ter uma sensibilidade ou alergia a determinados alimentos, o que pode causar ou piorar seus ataques de pânico.

Uma boa forma de descobrir é anotar todos os dias tudo o que você come.

Escreva um diário e faça uma lista de todos os alimentos que você come todo dia e procure por alguma ligação entre sua dieta e sua síndrome do pânico. Se descobrir, elimine esse determinado alimento e veja o que acontece. Às vezes é uma solução simples para um grande problema.

  1. Terapias de relaxamento

Massagem, Yoga e meditação são todas práticas de relaxamento, além de serem muito divertidas. Se você puder fazer uma massagem relaxante uma ou duas vezes na semana, vai ser bom para você e muito bom para sua síndrome do pânico crônica. Yoga e meditação funcionam muito bem também. Se tiver tempo para essas práticas, você vai aumentar suas chances de ficar longe da síndrome do pânico.

Todas essas terapias elevam os níveis dos hormônios do bem estar, como a serotonina. Elas também trazem benefícios incríveis para sua saúde em geral, o que pode ajudar seu corpo a lidar com eventos estressantes, prevenindo assim o desenvolvimento de uma síndrome do pânico.

  1. Exercícios físicos

Você tem que exercitar seu coração todos os dias. Lembre seu coração que ele está vivo e ele retribuirá instantaneamente. Muitos estudos comprovam que exercitar-se regularmente (a caminhada do quarto para a cozinha não conta) é um excelente tratamento natural para a síndrome do pânico.

Exercícios físicos reduzem os hormônios do estresse e aumentam os hormônios do bem-estar mencionados acima. Tente pelo menos andar o mais rápido que puder por meia hora todo dia. Você não vai acreditar o quanto que você vai se sentir bem (sem contar no quanto você vai ficar saudável).

  1. Preste atenção no pânico relacionado ao trabalho

Milhões de brasileiros sofrem com ansiedade extrema porque eles odeiam seus empregos ou simplesmente trabalham demais (mais do que 48 horas por semana). Se você não tiver ideia do que está causando sua ansiedade e síndrome do pânico, é hora de se perguntar se você trabalha demais ou se você simplesmente odeia seu emprego.

Eu sei que algumas pessoas vão dizer que estamos passando por momentos difíceis e é difícil de substituir um emprego, mas se ele está causando síndrome do pânico e está arruinando sua vida, não é hora de procurar outra coisa?

Pense nessa dica antes de dispensá-la. Fechar uma porta pode ser assustador, mas abrir outra porta para uma nova aventura, para uma chance de ter uma vida mais feliz, com certeza fará você eliminar sua síndrome do pânico causada pelo trabalho.

  1. Coloque um limite no tempo que você gasta no Facebook

Não tem problema usar o Facebook ocasionalmente, para manter contato com seus amigos e família.

Porém, quando o Facebook se torna "um vicio" (quem é viciado sabe como é), fica difícil notar o quanto esse site promove sentimentos de solidão, baixa autoestima, ciúme, inveja, insegurança e sentimentos de inadequação… Tudo isso causa ansiedade e consequentemente síndrome do pânico.

Limitar seu tempo no Facebook é uma das melhores coisas que você pode fazer para sua saúde mental em geral.

  1. Respire

Existem exercícios e técnicas específicas de respiração que ajudam bastante quando você se sentir ansioso ou ansiosa, e praticar estas técnicas de respiração todos os dias podem de fato diminuir os sintomas.

  1. Técnicas de comportamento cognitivo

É altamente recomendável sessões de terapia comportamental. Existem técnicas que você pode praticar em casa ou em qualquer lugar que você precisar, que são muito eficazes.

A primeira coisa que você tem que entender é que emoções são como ondas. Elas vem e vão, mas elas não ficam para sempre. Toda emoção que você tem, até mesmo o aterrorizante medo de morrer, é temporária. Isso é uma coisa que você esquece quando está no meio de um ataque de pânico.

Ter isso em mente quando um ataque de pânico começar vai ajudar você a relaxar e reduzir a intensidade do ataque de pânico.

Fonte

Novo exame de sangue pode descobrir câncer de mama com 5 anos de antecedência


Já imaginou se um simples exame de sangue conseguisse prevenir o câncer de mama?

Pois é exatamente disso que se trata uma pesquisa dinamarquesa.

Segundo ela, além de descobrir sobre a doença, o exame é ainda mais preciso que uma mamografia: pode prever até 5 anos antes do câncer se desenvolver e ainda tem um nível de precisão de 80%, enquanto os exames de mamografia são de 75% e só depois que a pessoa já desenvolveu a doença.

Essa grande descoberta se deve ao desejo de pesquisadores da Universidade de Copenhagen quererem encontrar uma melhor opção para o rastreamento do câncer de mama que não só fosse mais preciso, mas também resolvesse o problema de falsos positivos que tem assombrado a mamografia durante anos.

No ano passado, um estudo envolvendo 13.000 mulheres descobriu que o rastreio através de mamografia perde mais de 2.000 casos de câncer de mama por ano só no Reino Unido, enquanto falsamente alertava outras mulheres sobre a doença.

cancer

Mas porque a mamografia é tão imprecisa?

O grande problema encontrado por esse exame, é lidar com diferentes tipos biológicos de cada mulher. Sendo assim, as que possuem, tecido mamário mais denso – cerca de 1 em cada 3 mulheres, são as mais prejudicadas.

Além delas terem um grande risco de desenvolver câncer de mama, o tecido mamário mais denso dificulta a sensibilidade do exame como a percepção de nódulos. Os pesquisadores aconselham nesses casos, ao uso conjunto de ultra-som para alcançar uma melhor precisão.

Mas talvez o uso do exame de sangue possa mudar tudo isso. Ele se basearia em "medir todos os compostos no sangue para construir um perfil metabólico de um indivíduo, a fim de detectar mudanças na forma como os produtos químicos são processados, durante a fase pré-cancerosa", diz Laura Donnelly, uma das pesquisadoras, ao Telegraph.

O conceito é o mesmo usado por pesquisadores da Universidade de Harvard nos EUA para prever doenças como leucemia, linfoma e síndrome mielodisplásica. A extração de exames de sangue possibilitou a observação de mutações nas células e, com isso, a percepção dos sintomas dessas doenças.

Para testar a eficácia do novo exame de sangue ao câncer de mama, os pesquisadores dinamarqueses observaram 57.000 participantes ao longo de 20 anos, recolhendo amostras de sangue ao longo do caminho. Desse total, foi retirada uma amostra de 800 mulheres, dividida em dois grupos – aqueles que permaneceram saudáveis ​​durante todo o processo, e aqueles que desenvolveram câncer de mama no prazo de 7 anos de sua primeira amostra de sangue.

As amostra de cada uma dessas mulheres foram comparadas e os respectivos perfis metabólicos construídos.

201-istock-000004609939xsmall-s-

Os pesquisadores descobriram que eles foram capazes de prever, com precisão de 80%, que os pacientes seriam afetados pela doença só de olhar para os perfis metabólicos. É claro que a precisão de 100% é sempre o almejado, mas a grande vantagem deste teste é que dá as mulheres em risco um avanço no combate à doença.

A detecção precoce é fundamental para o câncer de mama – se for descoberto precocemente, como no estágio 2, a chance de sobrevivência é de 93 a 100%. Já no estágio 3, o número cai para 72% e no estágio 4, para 22%.

Essa é a função do exame de sangue: ajudar a prevenir futuros possíveis cânceres de mama, tornando o combate e sobrevivência para cada mulher próximo de 100%.

Fonte: sciencealert.com.

OMS emite alerta global sobre zika vírus e reconhece relação com microcefalia


http://www.leianoticias.com.br/site/wp-content/uploads/oms-logo-291015.jpg

 

A Organização Mundial de Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde emitiram nesta terça-feira (1º) um alerta mundial sobre a epidemia de zika vírus.

No comunicado aos países-membros, a organização pede que eles estabeleçam capacidade de diagnóstico da doença e que se preparem para um aumento no número de casos reforçando o atendimento pré-natal e neurológico.

O comunicado da organização reconheceu pela primeira vez oficialmente a relação entre o zika e os casos de microcefalia ao mencionar o estudo brasileiro do Instituto Evandro Chagas, que revelou a presença do vírus em um bebê microcéfalo.

"Há definitivamente uma conexão", afirmou à BBC Brasil em entrevista telefônica o especialista da organização, Dr. Marcos Espinal, diretor do departamento de doenças comunicáveis da Organização Pan-Americana de Saúde.

O documento divulgou mapas comparativos de 2014 e 2015, que corroboram a explosão de casos de microcefalia no Nordeste, onde os casos se multiplicaram 20 vezes.

"Há uma conexão entre as duas coisas, mas causalidade é uma outra história. Não podemos dizer 100% que é só o zika vírus a causa da microcefalia, ela pode ser atribuída a diversas questões. Há uma conexão porque há um evidente aumento nos casos de microcefalia no Brasil ao mesmo tempo em que há um surto de zika no país."

Nove países
Segundo a OMS, somente neste ano foram confirmados casos de zika em nove países das Américas. Brasil, Chile - na ilha de Páscoa -, Colômbia, El Salvador, Guatemala, México, Paraguai, Suriname e Venezuela.

O primeiro caso na Colômbia foi registrado em outubro, no Estado de Bolívar. Desde então já foi constatada a presença do Zika em 26 das 36 unidades territoriais.

Em novembro foram observados os primeiros casos em El Salvador, Guatemala, Mexico, Paraguai, Suriname e Venezuela.

"Quão grande é o problema? Bem, nas Américas nove países confirmaram a circulação do vírus", destacou o especialista.

Apesar de considerar a situação alarmante, Espinal ressaltou que a dimensão exata da epidemia ainda é uma incógnita: "Não sabemos ainda a real seriedade do risco", reconheceu.

"Como a doença tem sintomas suaves, muitos casos não são diagnosticados. Pode ser que tenhamos centenas de milhares de casos de zika e o número de casos de microcefalia seja eventualmente baixo", ponderou.

Gravidez
O documento da OMS não faz menção ao uso do controle de natalidade como modo de evitar os casos de microcefalia. A organização recomenda no entanto que grávidas evitem o contato com o mosquito transmissor.

O especialista ressaltou ainda que as mulheres não deveriam deixar de engravidar, mas sim fazerem um escolha consciente.

"Eu não daria o conselho de que todas as mulheres devem evitar a gravidez. É uma decisão delas".

"Há um risco, mas ainda não sabemos. Não sabemos se o risco de o vírus vir a atravessar a placenta é alto ou baixo".