Conheça 5 benefícios de beber água em jejum


http://www.esportesfreecs.com.br/wp-content/uploads/%C3%A1gua.jpg

A maior parte do organismo humano é formada por água, 75% dos músculos é água, por exemplo. Portanto, é importante consumir uma boa quantidade de água diariamente para manter a saúde.

Com a ingestão de água provocamos uma diurese maior, o que favorece a eliminação de toxinas e previne algumas doenças.

Os especialistas vão mais longe e insistem na importância do consumo da água em jejum. Mas por que?

Segundo o Instituto Europeu de Hidratação, a água é o solvente que permite muitas das reações químicas vitais do organismo, ajudando a manter as funções corporais.

Confira abaixo uma lista dos benefícios, segundo o instituto.

Cinco benefícios do consumo de água em jejum:

1. Uma hidratação adequada é importante para o funcionamento correto do cérebro. Quando estamos hidratados adequadamente, as células do cérebro recebem sangue oxigenado e o cérebro permanece alerta.

2. O consumo adequado de água é essencial para o bom funcionamento dos rins, ajudando-os a eliminar através da urina os resíduos e nutrientes desnecessários.

3. A água melhora o trato digestivo, já que é necessária na dissolução dos nutrientes para que estes possam ser absorvidos pelo sangue e transportados para as células.

4. A água também é uma grande aliada da pele, ajudando a manter a elasticidade e a tonicidade.

5. A água também atua como um lubrificante para os músculos e articulações: ajuda a proteger as articulações e também o melhor funcionamento dos músculos.

Que tal começar um a dois copos de água em jejum e, em seguida, continuar bebendo o líquido o resto do dia até chegar aos dois litros?

Saiba como evitar as doenças cardiovasculares


http://www.implantomed.com.br/blog/wp-content/uploads/2013/08/doen%C3%A7as_coronarianas.jpg


Nas últimas décadas, houve um aumento significativo da incidência de doenças cardiovasculares na mulher, em especial na doença arterial coronariana (DAC). Dados recentes apontam que essa é a causa de 36,9% das mortes de mulheres. A hipertensão arterial é o principal fator de risco para doenças cardiovasculares, tanto nas mulheres pré-menopausa quanto pós-menopausa.

Durante o período fértil, a mulher é menos hipertensa que o homem, devido aos elevados níveis de estrógeno ou pela menor viscosidade e menor volume sanguíneo associadas às perdas menstruais mensais.

Em contrapartida, após a menopausa, há um declínio nos níveis de estrogênios, associados com alterações no metabolismo lipídico, aumento da adiposidade central e desenvolvimento de obesidade, aumentando assim a hipertensão arterial nas mulheres, de tal forma que a sua prevalência se torna maior que as dos homens da mesma idade.

Os riscos de doenças cardíacas associadas à hipertensão arterial, podem ser reduzidas nas mulheres seguindo medidas não-farmacológicas, como:

- Perca peso: essa é a maneira mais efetiva para controlar a pressão e mesmo pequenas reduções diminuem significativamente a pressão, bem como riscos cardiovasculares graças à melhora do perfil lipídico e da tolerância à glicose, melhorando também a resposta à terapia de drogas anti-hipertensivas.

- Cuidado com o sódio: o excesso de sódio eleva a pressão arterial por aumento da volemia e, consequentemente, aumento do débito cardíaco. Posteriormente, por mecanismos de auto-regulação, há aumento da resistência vascular periférica, mantendo elevados os níveis de pressão arterial.

- Evite alimentos processados: enlatados, embutidos, conservas, molhos prontos, caldos de carne, temperos prontos e defumados também são ricos em sódio e devem ser evitados. Uma boa opção nesse sentido é introduzir o uso de salgante para o preparo das refeições. Composto à base de cloreto de potássio, salga os alimentos, sendo totalmente livre de sódio. A ingestão deve ser monitorada nos quadros clínicos de insuficiência renal crônica e indivíduos em tratamento hemodialítico.

- Consuma alimentos ricos em potássio: o potássio tem efeito anti-hipertensivo e exerce ação protetora contra danos cardiovasculares. Para isso é recomendado consumir alimentos ricos em potássio, como frutas (amora, abacate, banana), leguminosas (feijão, ervilha, grão-de-bico) e vegetais (beterraba, cenoura, espinafre) e muitas outras.

- Evite bebidas alcoólicas: o consumo excessivo de álcool eleva a pressão, além de ser uma das causas de resistência terapêutica anti-hipertensiva.

- Faça exercícios físicos: o exercício físico regular reduz a pressão arterial, além de produzir benefícios adicionais, como a diminuição do peso corpóreo, ação coadjuvante no tratamento das dislipidemias, diminuição da resistência à insulina e auxílio no controle do estresse.

Saiba mais sobre alguns tipos de Miopia


http://www.diariodosisal.com.br/wd-images/noticias/miopia.jpg

A Miopia representa a causa a mais comum do prejuízo da visão no mundo inteiro, e muitas tentativas foram feitas com espectáculos, as lentes rígidas, a terapêutica e as outras técnicas de controlar sua progressão nas crianças e em adultos novos.

Existem diversos tipos de miopia sendo as mais conhecidas:

  • Miopia congénita: Miopia de nascença.  Aquela onde a falha na estrutura do olho apareceu antes que o olho recebesse os raios de luz do mundo exterior.
  • Miopia patológica: Associada a mudanças degenerativas na sua estrutura. Pode aumentar e o fator genético é determinante. Essa miopia dificilmente irá diminuir mesmo com o uso de lentes adequadas.
  • Miopia noturna: Aquela que a pessoa não vê bem em lugares com pouca iluminação. O olho tem dificuldades em ver os detalhes e  a pupila dilata para captar mais luz.

Além dos óculos pode-se optar por uso de lentes de contato, uma opção prática e que não influencia na estética. Outra opção é aguardar até os 21 anos, idade que o grau se estabiliza ( não vai mais aumentar) e fazer uma cirurgia. Lembrando que a miopia pode voltar mesmo depois da cirurgia em caso de leitura excessiva sem luz suficiente e muito perto e abuso do uso de telas de TV e computadores.

Como evitar a contaminação da Hanseníase


http://www.meionorte.com/uploads/imagens/2013/1/23/thumb/thumb-c-940x400-0x0NOT-acoes-para-combater-a-hanseniase-sao-realizadas-em-teresina1358960657.jpg

A hanseníase (antigamente conhecida como lepra) é uma doença infecto contagiosa causada por um microorganismo (bactéria) denominado Mycobacterium leprae.

Esta doença é capaz de contaminar outras pessoas pelas vias respiratórias, caso o portador não esteja sendo tratado. Entretanto, segundo a Organização Mundial de Saúde, a maioria das pessoas é resistente ao bacilo e não a desenvolve. Aproximadamente 95% dos parasitas são eliminados na primeira dose do tratamento, já sendo incapaz de transmiti-los a outras pessoas. Este dura até aproximadamente um ano e o paciente pode ser completamente curado, desde que siga corretamente os cuidados necessários. Assim, buscar auxílio médico é a melhor forma de evitar a evolução da doença e a contaminação de outras pessoas.

É importante que se divulgue junto à população os sinais e sintomas da hanseníase e a existência de tratamento e cura, através de todos os meios de comunicação. A prevenção da hanseníase baseia-se no exame dermato-neurológico e aplicação da vacina BCG em todas as pessoas que compartilham o mesmo domicílio com o portador da doença.

10 motivos para melhorar a saúde bucal


http://www.tribunahoje.com/vgmidia/imagens/174524_ext_arquivo.jpg

Além de evitar doenças em outras partes do corpo, ter um sorriso saudável pode ajudar na qualidade de vida e nas relações sociais. 

1.A saúde bucal pode interferir na saúde geral. Há estudos que relacionam doenças periodontais com problemas cardíacos. Também já foi constatado que pacientes com problemas na gengiva podem ter o nível de colesterol aumentado. Portanto, para ter saúde completa, temos que cuidar bem da boca.

Leia também:

2.Por razões estéticas, pois o rosto - e a boca - são nosso cartão de visita. Quem não tem vergonha de seu sorriso, consegue se relacionar melhor, tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Isso atinge diretamente a qualidade de vida e a felicidade do indivíduo.

3.Ficar com hálito agradável, pois o mau hálito gera danos ao seu portador em muitas áreas de sua vida, social, pessoal, íntima, profissional.

4.Evitar doenças periodontais, como sangramento na gengiva, que como já foi citado, podem ser indícios de doenças em outras partes do corpo.

5.Evitar cáries e outras alterações que podem gerar dor. Não é preciso sofrer com uma doença que pode ser prevenida com higiene bucal adequada e acompanhamento regular ao dentista.

6.Ter uma boa mastigação, pois com saúde bucal evitamos perdas dentárias precoces.

7.Evitar problemas de fala e deglutição, que hoje são tão comuns quando há alterações dentárias e oclusais graves. 

8.Prevenir doenças mais graves e que podem até matar, como o câncer bucal que hoje é bastante comum e pode ser prevenido inicialmente com um bom exame bucal.

9.Evitar gastos desnecessários com tratamentos de problemas que poderiam ser evitados com uma boa manutenção da saúde bucal.

10.Facilitar os hábitos de higiene, uma vez que com graves problemas bucais será exigido mais material, maior esforço e mais tempo de cuidado (prevenir é melhor do que curar).

Fonte

Saiba mais sobre o Olho Seco


http://www.drrobertolimongi.com.br/imagens/olho-seco.jpg

O Olho Seco é uma doença caracterizada por uma deficiência na quantidade e/ou qualidade de lágrimas, provocando o ressecamento da superfície ocular.

O que sente a pessoa quando está com Olho Seco?

Os sintomas mais comuns são a sensação de corpo estranho ( popular areia nos olhos), vermelhidão (hiperemia), ardência, sensibilidade à luz (fotofobia) e uma sensação constante de ressecamento nos olhos e consequentemente distorções visuais leves. Estes sintomas variam em intensidade, de acordo com o nível de Olho Seco, o qual é classificado como:

GRAU 1: Olho Seco ?Leve?
GRAU 2: Olho Seco ?Moderado?
GRAU 3: Olho Seco ?Severo?

O que provoca o Olho Seco?

Vários fatores pode desencadear o Olho Seco e dentre eles, destacamos:

  • Processos inflamatórios como conjuntivites e blefarites (inflamação das pálpebras);
  • Uso constante de lentes de contato;
  • Piscar pouco (atividades que requerem atenção por longos períodos, como por exemplo, uso de computador);
  • Doenças reumatológicas como artrite, Síndrome de Sjogren, Lupus eritematoso sistêmico, entre outras;
  • Doenças neurológicas (paralisia facial, a qual gera um piscar incompleto);
  • Efeito colateral de medicações (anti-histamínicos, beta-bloqueadores, anestésicos gerais e etc).

Qual tratamento para Olho Seco?

O tratamento do Olho Seco é feito com o uso de lágrimas artificiais, cuja ação é restabelecer a lubrificação necessária possibilitando o conforto ao piscar e eliminando assim os indesejados sintomas já citados.

Como deve ser a lágrima artificial ideal?

Deve ser confortável na sua aplicação e não apresentar efeitos colaterais, como por exemplo embaçamento ou distorção visual. Além disso, deve possuir um conservante ( substância utilizada para manter o colírio no frasco de modo estéril, ou seja, sem contaminação) que não seja tóxico para a superfície do olho e que tenha uma composição química semelhante ao da lágrima natural.

Quais são os efeitos adversos das lágrimas artificiais?

Os efeitos adversos estão diretamente associados ao conservantes. Quando o uso do colírio é crônico (contínuo), dependendo do conservante, este pode ter um efeito cumulativo nos olhos, podendo lesar a superfície da córnea, que é extremamente sensível, gerando um certo desconforto ao usuário. Desse modo, o conservante ideal é aquele que atua apenas na proteção do produto, prevenindo contaminações, mas quando aplicado nos olhos não cause qualquer efeito tóxico.

Usuários de lentes de contato podem utilizar lágrimas artificiais?

Sim, desde que o seu conservante permaneça o menor tempo possível na superfície ocular, pois as lentes de contato aumentam o tempo de retenção do mesmo, podendo levar a um desconforto alem de diminuir o tempo de vida media (duração) das lentes de contato.

Como deve ser a alimentação na gestação


Uma dieta saudável é importante em toda a sua vida. Mas agora, o que você comer irá ser muito importante para seu bebê. Escolha alimentos ricos em fibras. Alimentos ricos em fibras incluem feijão, legumes, frutas, cereais, pães integrais e arroz integral. Beber muita água e comer fibras pode ajudar a evitar prisão de ventre, um problema comum entre as mulheres grávidas.

http://simoneesofia.com.br/wp-content/uploads/2015/03/alimentacao-durante-a-gravidez-650x350.jpg

Tome café da manhã todos os dias. Se você está se sentindo enjoada pela manhã, tente comer uma torrada de trigo integral ou bolachas integrais. Faça isso antes mesmo de sair da cama. Depois coma o resto do seu café da manhã mais tarde. Boas opções de café da manhã são iogurte, cereais, frutas e aveia.

Combata a náusea o resto do dia fazendo refeições menores, mais frequentes. Evite alimentos condimentados e gordurosos.

Se você tem enjoos severos de manhã - o que significa que você não consegue manter nada no estômago e começa a perder peso – fale com seu médico. Você pode precisar tomar medicamentos ou fazer uma hidratação.

Leia também:

Mantenha alimentos saudáveis ​​à mão. Faça lanches rápidos e fáceis com maçãs, laranjas, uvas e bananas. Adicione frutas e legumes às suas refeições. Se você comprar frutas enlatadas, escolha aquelas em forma de sucos. Não deixe de lado o básico. Todo mundo precisa de proteínas, carboidratos, vitaminas, minerais e gordura em sua dieta. Se você está com um peso normal durante a gravidez, você vai precisar de cerca de 300 calorias a mais por dia.

Não coma peixes com altos níveis de mercúrio ou que possam conter PCB ou outros produtos químicos. Recomenda-se que as mulheres grávidas evitem comer peixes capturados em águas poluídas. Se nenhum conselho pode ser dado, não coma mais do que uma porção de 170g de peixes de água doce e não coma qualquer outro peixe naquela semana. Peixes ricos em mercúrio incluem peixe-espada, tubarão e cavala. Limite o atum a 6g por semana.

Evite alimentos que possam conter listeria, uma bactéria perigosa. É encontrado em alimentos congelados, prontos para comer como cachorros quentes, frutos do mar defumado e carnes frias. Patês devem ser evitados. Ela também é encontrada em queijos de pasta mole, como camembert e brie, a menos que sejam feitos a partir de leite pasteurizado. Outros leites não pasteurizados e produtos lácteos também podem ser contaminados com listeria. Além disso, evite qualquer tipo de brotos crus e chás de ervas devido ao risco de contaminação.

Periodontite pode fazer os dentes caírem rápido!


 Foto: botazsolti / Shutterstock

A periodontite é uma inflamação/infecção mais forte que a gengivite. Por ser mais severa, ela pode atingir a gengiva, os ligamentos e os ossos que dão suporte aos dentes e, por isso, se não for tratada, pode causar a perda gradual dos dentes e até outras doenças mais sérias.

Quando a placa bacteriana não é devidamente removida pela escovação e o uso do fio dental ela se instala entre os dentes e libera toxinas que irritam a mucosa da gengiva, gerando inicialmente uma pequena inflamação, que ainda neste estágio, é chamada de gengivite.

 

Quando não tratado, esse quadro evolui para a periodontite que, se também não receber cuidados, pode causar hemorragia, inflamação gengival, mau hálito, mobilidade dentária, abertura de espaço entre os dentes, sensibilidade dentária, perda de tecidos gengivais (recessão gengival) e até mesmo a perda dos dentes.

Em relação à saúde de uma forma geral, a periodontite também pode ser muito perigosa. Há vários trabalhos que relacionam a doença periodontal a partos prematuros, bebês que nascem com baixo peso, diabetes, doenças pulmonares e cardiovasculares. Tudo isso porque as bactérias que estão causando a infecção, que estará em um estágio bem avançado, podem se deslocar para outras partes do corpo pela corrente sanguínea.

Por isso que a melhor forma de tratamento dessa doença e de seus desdobramentos ainda é a prevenção. Uma boa higienização bucal com o uso correto do fio dental e visitas periódicas ao dentista podem evitar, não só a periodontite, como muitos outros problemas bucais e sistêmicos graves.