Sabendo mais sobre a Orelha de Abano




http://www.drateresa.med.br/pt_br/img/orelha_abano_corrigida_amp.png

As orelhas em abano costumam trazer uma identificação negativa da auto-imagem nas crianças podendo comprometer seu desenvolvimento social e escolar. A orelha de abano atinge entre 2% e 5% da população. É um número pequeno, mas que a gente sabe que pode ser motivo de incômodo e bullying.

Caso o desconforto e comprometimento psicológico seja grande, a cirurgia pode ser realizada antes que se complete o crescimento da orelha, ou seja, antes dos 5 anos. Geralmente essa idade vai de encontro com a época em que a criança começa a perceber-se melhor e de forma mais completa perante o seu meio de convívio social, sendo, na maioria dos casos, a época ideal para se operar. Por volta desta idade, 90% do crescimento total da orelha já está completo.

O que define a orelha de abano é fugir da normalidade. Mas ela pode se apresentar de várias maneiras, com graus mais ou menos intensos. A orelha normal tem uma curvatura que segue e lá em cima divide em duas cristas. Quando tem um plano só, ou seja, a bordinha da orelha não faz a curva e não acaba nas duas cristas, é uma orelha de abano. Outro caso de orelha de abano é quando ela cresce na concha, ou seja, nessa parte de cima. O último caso é quando ela se afasta da cabeça na região posterior.

Para quem sofre com malformações nas orelhas e quer se livrar desse problema, a otoplastia é a cirurgia plástica indicada para a correção externa do órgão. Também chamada de orelha em abdução, a orelha em abano é uma deformidade ligada a fatores genéticos e características familiares e raciais, que atuam preponderantemente nas alterações de formato. Por essa razão, a otoplastia normalmente é feita para aproximar o órgão da cabeça, corrigir a forma e o desenho da orelha.

O ideal da cirurgia é que dê um aspecto natural à orelha, ou seja, ao olhar a pessoa de frente, você enxergue a curvatura da orelha, não a deixando com a parte superior "para trás", como se estivesse colada.



Comente:

Nenhum comentário