Depressão é principal causa de abandono ao tratamento contra o HIV





A depressão é o principal motivo que leva pacientes com HIV a abandonar o tratamento. Um estudo feito pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas com 201 soropositivos que interromperam a terapia mostrou que 53% falharam na adesão por estarem deprimidos.

A falta de tempo para comparecer às consultas e o medo de perder o emprego também apareceram como um fator importante: 38% alegaram esses motivos para cessar o acompanhamento médico. O levantamento envolveu pacientes que abandonaram as consultas por pelo menos seis meses sem justificativas.

A partir das conclusões do estudo, o Emílio Ribas criou um grupo de adesão semanal. Batizado de "Tá difícil de engolir?" — referência à quantidade de pílulas que alguns dos pacientes devem tomar diariamente — o projeto funciona como uma terapia em grupo, na qual cada um relata suas próprias dificuldades em relação ao tratamento.

O grupo é acompanhado por uma equipe multidisciplinar composta por assistentes sociais e psicólogos, conforme explica o assistente social Claudemir Leite de Almeida.

— O objetivo é que o paciente fale sobre sua situação para, dessa maneira, um estimular o outro. Na medida em que surge alguma dúvida, a gente interfere para explicar.

Ele observa que é bastante comum que o paciente com doença crônica, como o HIV, em determinado momento, interrompa a terapia. O grupo de adesão, segundo ele, é apenas uma das estratégias para estimular o paciente, que também deve receber recomendações nas consultas de rotina e nos grupos de acolhimento.

Além da depressão e da falta de tempo para comparecer às consultas, outros motivos que contribuem de forma importante para a falta de adesão são os efeitos colaterais do tratamento, o estigma da doença e a falta de autoestima.

Nas palavras de um dos pacientes que compareceu ao grupo na quinta-feira, e preferiu não ser identificado, "tomar o remédio não é só um ato físico, mas principalmente um ato interno: para tomar o remédio, a pessoa tem que querer o melhor para si, tem que se gostar e estar disposto a lutar".

A falta de amor próprio, alavancada pelo peso do estigma da doença, é o que o levou a interromper a medicação durante um período de sua vida. O aspecto simbólico vinculado às pílulas também está associado à dificuldade de aderir ao tratamento. Almeida observa que o remédio é a parte concreta que lembra o paciente de que ele tem um problema de saúde.

— O medicamentos têm essa carga psicológica. Fazem a pessoa entrar em contato com a doença todo dia.

Suscetibilidade

O médico Augusto Penalva, coordenador do Serviço de Neuropsiquiatria do Instituto Emílio Ribas, explica que os pacientes com HIV estão mais suscetíveis aos transtornos neuropsiquiátricos, que incluem depressão, ansiedade e problemas cognitivos.

Essa suscetibilidade ocorre por duas razões: tanto pelos aspectos psicossociais associados à doença quanto pelos fatores orgânicos. A própria doença viral ataca o sistema nervoso central, levando à ocorrência de algumas dessas doenças. São os chamados transtornos neurocognitivos associados ao HIV (Hand, na sigla em inglês).

A reação do organismo à interrupção do medicamento é muito variável, de acordo com Penalva. Ele observa que isso pode variar de acordo com a forma como se deu o tratamento inicial: soropositivos que começam a se tratar precocemente, quando interrompem a medicação, tendem a demorar mais tempo para sentir os efeitos negativos.

Os que começaram a se tratar quando a doença já estava avançada tendem a reagir à interrupção com uma rápida queda de imunidade. Para Penalva, o levantamento mostra que tratar a aids é mais complexo do que apenas disponibilizar a medicação.

— É preciso abordar o paciente de maneira mais profunda.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.



Comente:

Nenhum comentário