FELIZ ANO NOVO! Que venha 2012!



http://paraorkut9.org/paracom/feliz-ano-novo-2012/feliz-ano-novo-2012-15.jpg

Paz, saúde, amor e disposição!

Reflita o que foi feito de errado em 2011 para não repetir em 2012.

Novos desafios, novos negócios, novas oportunidades. Deixe as portas e as janelas abertas para os novos fluidos…

Não deixe que as barreiras do limite obstrua o seu modo de pensar…

Acredite nas capacidades infinitas para VOCÊ evoluir sempre.

Cultive a perseverança, a compreensão dos fatos na direção de seus interesses pois lamentações, restrições e reclamações são improdutivas.

Solucionamos nossos problemas quando não fugimos deles e os resultados aparecem quando VOCÊ acredita que VOCÊ é quem faz a possibilidade do possível acontecer.

Busque frases sorridentes e amigas para as situações inevitáveis e, procure sempre celebrar as pequenas vitórias que VOCÊ conquistará ao longo deste ano… Essas pequenas vitórias, comemoradas, farão do seu 2012 o melhor ano da sua vida. É só você acreditar!

Que Papai do Ceu ILUMINE o seu caminho!

Como se livrar de gases intestinais


Dicas infalíveis para se livrar de gases intestinais

Descubra como livrar-se de gases intestinais com estas dicas infalíveis.

Os gases intestinais podem ser constrangedores, apresentando-se de várias formas, como flatulência, inchaço, arroto, ou até mesmo um soluço.

Embora muita gente ache que gases intestinais seja algo normal, o excesso pode estar associado a vários tipos de problemas de saúde, como a úlcera.

Gases intestinais são formados no estômago e no intestino durante o processo de digestão e fermentação do alimento pelas bactérias, mas também pelo processo de deglutição do ar.

Todas as pessoas produzem gases intestinais, porém umas produzem mais que as outras. É normal soltar gases de 6 a 20 vezes por dia, mas excesso de gases pode indicar problemas de saúde, como a dispepsia, termo médico para indigestão. Algumas vezes as pessoas podem confundir sintomas de problemas mais sérios com gases ou indigestão, como ataque cardíaco.

Causas comuns de gases, inchaço e soluço:

  • Engolir ar. Se o ar engolido não for solto de forma correta, ele pode passar pelo seu sistema digestivo e ser expelido pelo ânus na forma de flatulência. Engolir ar também pode causar soluços.
  • Comidas e bebidas. A quantidade de gases causados por determinadas comidas e bebidas varia de pessoa para pessoa.
  • Prisão de ventre. Pode causar inchaço, mas não significa aumento de gases.
  • Medicamentos ou suplementos nutricionais. Tanto os medicamentos prescritos quanto os não prescritos e os suplementos nutricionais podem causar inchaço como efeito colateral.
  • Mudanças nos níveis hormonais. É comum mulheres ficarem inchadas durante o período menstrual porque seus corpos retêm líquido.

Como se livrar dos problemas de gases intestinais

  • Tome mais líquidos, especialmente água. Evite bebidas gasosas e alcoólicas.
  • Evite comidas que causam gases intestinais, como feijão, brócolis, couve, repolho e trigo.
  • Evite engolir ar e coma devagar, mastigando bem. Quando você mastiga rápido ou come com pressa, você aumenta as suas chances de engolir ar.
  • Evite beber de canudinho.
  • Não fume ou utilize produtos com tabaco.
  • Se você usa dentadura procure seu dentista para verificar se ela está bem fixa.
  • Fique calmo. Tensão e ansiedade podem te fazer engolir ar.
  • Antiácidos permitem que os gases sejam expelidos na forma de arroto mais facilmente. Mesmo assim esses medicamentos não têm muito efeito quando os gases já estão no intestino.
  • Enzimas alimentares, que quebram o açúcar de vegetais e grãos, podem ser adicionadas às comidas que causam gases intestinais.
  • Mantenha um diário alimentar se você suspeita que os gases possam estar sendo causados por certas comidas, para ajudar a identificar quais causam gases intestinais.
  • Converse com o seu médico ou um nutricionista sobre como manter uma dieta balanceada se você que eliminar permanentemente certas comidas e bebidas.
  • Se você cozinha feijão, deixe-os de molho durante a noite e depois jogue fora a água e cozinhe os grãos em água limpa. Isso pode reduzir a quantidade de açúcar natural nos feijões depois do processo de resfriamento e ajuda a prevenir os gases intestinais e inchaço.
  • Não coma demais. Refeições grandes podem causar inchaço. Tente comer seis pequenas refeições durante o dia ao invés de três grandes.
  • Evite laxantes.
  • Se você tem intolerância à lactose, suplementos de enzimas lactases podem ser tomados diariamente com outros produtos para ajudar na digestão da lactose.
  • Menta e outras ervas que soltam o intestino podem ajudar a arrotar e diminuir inchaço após refeições grande.
  • Se exercite com freqüência.

Nódulos da Tireóide


São lesões arredondadas (ovóides) que se desenvolvem na glândula tireóide, situados na região anterior e inferior do pescoço. Podem ser únicos ou múltiplos. Quando são únicos, são denominados nódulos isolados ou únicos (também denominados bócios uninodulares). Quando múltiplos, constituem o bócio multinodular. São provocados por tumores benignos, tumores malignos, cistos, doenças inflamatórias (tireoidites) e bócio colóide nodular.

Como se desenvolve?

Dependendo da causa, os nódulos são provocados por várias doenças.

Os nódulos isolados ou únicos podem ser provocados por:

  • cistos,
  • tumores benignos (adenomas foliculares),
  • bócio colóide ou, mais raramente,
  • carcinoma de tireóide.

Quando múltiplos, são em geral decorrentes de bócio colóide ou processos inflamatórios (tireoidites). Quando ocorrer um nódulo maior do que os restantes (nódulo dominante) pode ser provocado por tumoração maligna, especialmente em nosso meio, onde ainda existem áreas carentes de iodo. A carência na ingesta de iodo pode provocar o bócio endêmico (ver item específico desse site) que na sua evolução leva a um bócio nodular (formação de vários nódulos). Entre esses nódulos pode ocorrer a evolução de um deles para neoplasia maligna de tireóide, situação na qual se observará um crescimento progressivo de um nódulo, formando o que se denomina de "nódulo dominante".

O que se sente ?

Os nódulos em geral são assintomáticos, provocando sintomas locais quando alcançam grandes volumes.

Esses sintomas são:
  • dificuldade para engolir alimentos,
  • dificuldade respiratória,
  • rouquidão; voz rouca e com duas tonalidades,
  • dilatação das veias do pescoço e, muito raramente,
  • dor local.
Além dos sintomas locais, podem ocorrer sinais e sintomas de diminuição (hipotireoidismo) ou aumento (hipertireoidismo) da tireóide. Essas alterações estão descritas em itens específicos desse site.

Em nódulos isolados ou únicos, é importante definir aqueles que têm um risco maior de desenvolver câncer. Os pacientes com maior risco de apresentarem câncer de tireóide são do sexo masculino, com idade menor que 30 e maior que 60 anos, com nódulo de início recente, de crescimento progressivo, que realizaram aplicações de radioterapia na face ou no pescoço, cujo nódulo tem consistência endurecida à palpação, que está aderido a outras estruturas do pescoço, que apresenta gânglios linfáticos também palpáveis, e cujo paciente apresenta rouquidão ou dificuldade para engolir os alimentos.

Como o médico faz o diagnóstico?

O diagnóstico é estabelecido a partir da história clínica e de uma avaliação clínica adequada que inclui o exame detalhado do pescoço e a pesquisa dos sinais e sintomas de diminuição ou aumento de funcionamento da tiróide.

A partir da avaliação médica inicial, o paciente deverá realizar avaliação da função da tiróide com dosagens de seus hormônios, inicialmente através da medida do TSH, e se necessário, com as dosagens de T4 e raramente T3.

Além disso é útil também a realização de uma ecografia do pescoço para avaliação das características da tiróide, o que irá determinar se existe apenas um ou mais nódulos na glândula, e quais são as características destes nódulos.

Na presença de dosagens hormonais normais e de nódulo único, deve ser realizada uma punção aspirativa do nódulo que esclarecerá com detalhe a sua origem. Se existem vários nódulos, porém um deles é proeminente, o mesmo deverá ser puncionado para um diagnóstico detalhado.

Nos casos em que se suspeita de hipertireoidismo, o paciente pode necessitar da realização de uma cintilografia de tireóide.

Em casos de bócio difuso e na suspeita de hipotireoidismo, deverá ser realizada a pesquisa de anticorpos antitireóide (anticorpos antitireoperoxidase - AntiTPO ou anticorpos antimicrossomais) no sentido de se detectar a presença ou não da tireoidite de Hashimoto.

Como se trata?

Nos casos em que se suspeita de neoplasia maligna, está indicada a cirurgia de retirada completa da tireóide, complementada com tratamento com iodo radioativo e hormônio da tireóide (ver item específico desse site). Em bócios volumosos com manifestações compressivas cervicais também está indicada a cirurgia. Em pacientes com nódulos únicos ou múltiplos e hipertireoidismo pode ser indicado o tratamento medicamentoso e principalmente a administração de doses terapêuticas de iodo radioativo. Nos pacientes com hipotireoidismo está indicado o tratamento de reposição hormonal com tiroxina (T4), em doses adequadas corrigidas de acordo com o peso corporal.

Como se previne?

Os nódulos que podem ser prevenidos são aqueles associados a bócios endêmicos (decorrentes de deficiência de iodo). Na presença de nódulos únicos ou múltiplos e de uma história de familiares em primeiro grau também portadores da mesma alteração, devem ser pesquisadas precocemente as neoplasias familiares através de marcadores hormonais ou moleculares.

Como dar os primeiros socorros a quem bate a cabeça e desmaia


Concussão cerebral (não confundir com contusão) é a perda imediata da consciência no momento do trauma. A vítima que sofreu a concussão cerebral se recupera em aproximadamente 24 horas, sem seqüelas. Ela apresenta, associada à concussão cerebral, amnésia retrógrada e pós-traumática. Tampouco se recorda dos momentos que antecederam ao acidente, nem de eventos que ocorreram imediatamente após o acidente. O que se sabe é que a concussão ocorre devido à forte pancada na cabeça que faz com que haja lesão de neurônios e suas funções.

Em situações como essa, a identificação da vítima fica a critério de possíveis documentos encontrados com ela, ou de testemunhas que possam conhecê-la. Afinal, a ausência da consciência impossibilita a coleta de informações com a própria vítima.

A primeira conduta a ser tomada, em tais casos, é chamar o serviço de emergência. Enquanto a ambulância não chega, os primeiros socorros a serem realizados estarão relacionados ao trauma cerebral já que a concussão estará também sempre relacionada a ele.

 

Sinais vitais1. Verifique os sinais vitais: Freqüência respiratória, freqüência cardíaca, temperatura. Se houver diminuição dos padrões respiratório e cardíaco, poderá ser realizada a reanimação cardiovascular. Mantenha a vítima aquecida. Evitando lesões2. Trate a vítima sempre com a possibilidade de lesão na coluna. Nesse caso, se não houver o colar cervical, segure a cabeça dela com as mãos, uma em cada lateral do rosto, mantendo assim a cabeça alinhada com a coluna. Isso evitará possíveis lesões mais graves.
Estancando hemorragias3. Se não houver fratura craniana, estanque possíveis hemorragias com um pano limpo, pressionando o local da ferida. Se o pano ficar encharcado
de sangue, não o retire. Apenas ponha outro por cima.
Fratura craniana4. Se houver fratura craniana, não faça pressão sobre a ferida. Apenas a cubra com gaze esterilizada.
Virando a vítima de lado5. Em caso de vômito, peça ajuda a outras pessoas para virarem a vítima de lado, de forma sincronizada, cuidando para não desalinhar a coluna cervical. Não tirar o capacete6. Se a vítima estiver usando um capacete, não o retire, se não tiver certeza de que não há lesão na coluna.
Serviço de emergência7. Quando o serviço de emergência chegar ao local do acidente, relate aos profissionais de saúde todos os procedimentos realizados. Encaminhada ao hospital, a vítima receberá o atendimento necessário para esse tipo de acidente.  

Infecção mamária


Foto: ADAM

A mama feminina é uma das duas glândulas mamárias (órgãos responsáveis pela secreção do leite) no tórax

Definição

Uma infecção mamária é uma infecção no tecido da mama.

Nomes alternativos

Mastite, infecção - tecido mamário, abscesso mamário

Causas, incidência e fatores de risco

As infecções mamárias são geralmente causadas por uma bactéria comum (Staphylococcus aureus) encontrada na pele normal. A bactéria entra através de uma rachadura ou fissura na pele, geralmente no mamilo.

A infecção acontece no tecido adiposo da mama e causa inchaço. Esse inchaço empurra os dutos de leite. O resultado é dor e caroços na mama infectada.

As infecções mamárias geralmente ocorrem em mulheres que estão amamentando. As infecções mamárias que não estão associadas à amamentação podem ser uma forma rara de câncer de mama.

Sintomas

  • Aumento de apenas um lado da mama
  • Caroço mamário
  • Dor na mama
  • Febre e sintomas semelhantes aos da gripe, inclusive náusea e vômito
  • Coceira
  • Secreção do mamilo (pode conter pus)
  • Alterações nas sensações do mamilo
  • Inchaço, sensibilidade, vermelhidão e calor no tecido mamário

Exames e testes

Geralmente, mulheres que amamentam não realizam exames. Entretanto, um exame é frequentemente útil para confirmar o diagnóstico e descartar complicações, como um abscesso.

Foto: ADAM


Às vezes, para infecções reincidentes, é realizada uma cultura do leite do mamilo. Em mulheres que não estão amamentando, os testes podem incluir uma mamografia ou biópsia da mama.

Tratamento

Os cuidados pessoais incluem a aplicação de calor úmido no tecido da mama infectada por 15 a 20 minutos quatro vezes ao dia.

Os medicamentos antibióticos costumam ser muito eficazes no tratamento de infecções mamárias. Durante o tratamento, a paciente é encorajada a manter a amamentação ou a extrair o leite produzido para aliviar as mamas. 

Foto: ADAM


Expectativas (prognóstico)

Geralmente, a doença desaparece rapidamente com terapia à base de antibióticos.

Complicações

Em infecções mais graves, pode surgir um abscesso. Os abscessos precisam ser drenados, seja por meio de um procedimento ambulatorial ou uma cirurgia. As mulheres com abscessos podem ser recomendadas a interromper a amamentação.

Ligando para o médico

Ligue para seu médico se:

  • Qualquer parte do tecido mamário ficar avermelhado, sensível, inchado ou quente
  • Você desenvolver febre alta enquanto estiver amamentando
  • Os nódulos linfáticos na axila ficarem sensíveis ou inchados

Prevenção

As seguintes dicas podem ajudar a reduzir o risco de infecções mamárias:

  • Cuidados com os mamilos para prevenir irritações e rachaduras
  • Amamentar com frequência e extrair leite com uma bomba para prevenir o inchaço da mama
  • Técnicas adequadas de amamentação, fazendo com que o bebê segure o mamilo corretamente
  • Desmame lento ao longo de várias semanas, em vez da interrupção repentina da amamentação

Reconheça os sinais da depressão


A temporada de festas e férias costuma ser de alegria. Mas para muita gente o período pode levar à depressão.

"A proximidade das festas de final de ano pode causar a chamada depressão sazonal. Muitas pessoas se entristecem com a lembrança de entes queridos que já se foram e outras se sentem frustradas por não terem realizado os sonhos planejados", diz o cardiologista Roque Savioli, supervisor da Divisão Clínica do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP.

É natural que nessa época do ano, explica o especialista, os profissionais estejam no limite do estresse, sentindo-se mais cansados do que o normal.

"Algumas pessoas conseguem superar as decepções e a tristeza, depositando no ano que se inicia novas esperanças. Mas existem aquelas que acabam adoecendo e entrando em depressão."

A Clínica Cleveland, nos Estados Unidos, menciona alguns fatores de risco que podem levar algumas pessoas a sentirem-se deprimidas nos feriados. São eles:

- Entrar em férias com problemas familiares para resolver ou lembranças dolorosas

- Obrigar-se a se sentir feliz.

- Lidar com a perda de um ente querido ou passar as férias longe de amigos e familiares.

- Desenvolver expectativas irreais ou pensamentos negativos durante o ano que passou.

- Lidar com mudanças na família, como divórcio ou morte.

- Exagerar no álcool durante o período.

Dieta rigorosa pode evitar envelhecimento do cérebro?



Comer menos pode manter a mente jovem, de acordo com cientistas italianos que relataram, nesta segunda-feira, a descoberta de um processo molecular pelo qual uma dieta rígida pode salvar o cérebro dos estragos da idade.

A pesquisa, publicada no jornal americano Proceedings of National Academy of Sciences, é baseado em um estudo feito com ratos que foram alimentados com uma dieta de cerca de 70% da comida que eles consumiam normalmente.

Cientistas descobriram que a dieta com restrição de calorias estimulou uma molécula de proteína, CREB1, que ativa uma série de genes ligados à longevidade e ao bom funcionamento do cérebro.

"Nossa esperança é encontrar uma forma de ativar a CREB1, por exemplo, através de novas drogas, para manter o cérebro jovem sem a necessidade de uma dieta rigorosa", disse o principal autor Giovambattista Pani, pesquisador do Instituto Geral de Patologia, da Faculdade de Medicina da Universidade Católica do Sagrado Coração em Roma.

Os pesquisadores descobriram, anteriormente, que os ratos mostravam habilidades cognitivas e memória melhores, menos agressividade e tendência a evitar ou adiar o Mal de Alzheimer. Mas eles não sabiam exatamente o porquê.

"A CREB1 é conhecida por regular importantes funções cerebrais como memória, aprendizado e controle da ansiedade e sua atividade é reduzida ou fisiologicamente comprometida pelo envelhecimento", disse o estudo.

Os ratos que foram geneticamente modificados para perder CREB1 não mostraram nenhum dos benefícios da memória que os ratos com uma dieta pouco calórica, mas sim as mesmas deficiências dos ratos que foram superalimentados.

"Portanto, nossas descobertas identificam, pela primeira vez, um importante mediador dos efeitos da dieta no cérebro", disse Pani.

"Esta descoberta tem importantes implicações para desenvolver terapias futuras para manter nosso cérebro jovem e evitar sua degeneração e o processo de envelhecimento".

Por que amamentar emagrece?




Sair da maternindade com uma barriga chapada, poucos dias após dar a luz, é cientificamente impossível. Emagrecer e recuperar a boa forma, entretanto, é totalmente viável.

O organismo da mulher trabalha a favor de perda de peso após a gravidez. E um dos grandes responsáveis pelo rápido retorno dos contornos exibidos antes do barrigão aparecer é a amamentação.

O reforço natural, claro, está diretamente relacionado à qualidade da alimentação durante a gestação e ao controle do peso da mãe ao longo dos nove meses, explica Carolina Ambrogini, ginecologista e obstetra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Segundo a médica, a explicação é bastante lógica: o metabolismo da mulher fica mais acelerado para produzir o leite – alimento que deve ser bastante calórico para que o bebê ganhe peso e se desenvolva com saúde.

"Ao ser mãe, deixamos de apenas consumir alimentos, e passamos a produzi-lo. Esse processo requer energia e promove um gasto calórico acentuado", diz. A produção diária de leite materno é tão intensa que gasta, em média, 400 calorias, o equivalente a meia hora de corrida moderada.

Efeito rebote

No processo, entretanto, é preciso dobrar o cuidado com a alimentação e com a prática de atividade física. Por exigir um aporte calórico para fabricar o leite, o organismo demanda uma grande reposição de energia. Nessa fase, é comum a mulher sentir mais fome, pois o apetite fica aguçado.

"Se não houver controle e orientação nutricional, o efeito da amamentação na perda de peso pode passar despercebido", diz Marcelo Ferreira, nutricionista esportivo.

Embora não exista nenhuma contraindicação para o esporte durante a gestação – a não ser em condições específicas de gestação de risco (como hipertensão) – um levantamento feito pelo Centro de Estados do Labarotário de Aptidão Física (Celafisc), entidade ligada à Secretaria de Saúde de São Paulo, mostrou que as futuras mamães entram em estado de "hibernação" logo no primeiro trimestre de gravidez.

Após no nascimento do filho, o sedentarismo tende a ser mantido, lamenta Carolina. A médica alerta, porém, que durante a amamentação é melhor optar por atividades de baixo impacto.

"Pode fazer atividade física. É ótimo para a saúde da mãe, mas não aconselhamos que elas pratiquem modalidades que gastam muita caloria. O leite materno é composto por uma grande quantidade de água. Se a mulher transpira demais durante uma atividade intensa, prejudicará a qualidade e quantidade de leite para o bebê."

A sugestão dos especialistas é optar por caminhadas diárias, duas ou três vezes por semana, de leve a moderada. "Jamais corra uma maratona nesse período, é loucura", alerta a obstetra da Unifesp.

Largada

Após o período de amamentação, porém, a corrida é o melhor substituto para manter a perda acentuada de peso e recuperar a forma física sem sofrimento ou cirurgia plástica.

"Atividade aeróbica também ajuda bastante, mas o efeito da corrida é muito maior, desde que tenha regularidade. É o melhor substituto da amamentação para as mães que desejam seguir emagrecendo depois de terminado o período de amamentação."

Antes de gastar a sola do tênis, é fundamental não sobrecarregar o físico. Até para as mamães atletas é indicado cautela.

13 regras para visitar doentes no hospital



Visitar quem está hospitalizado requer sempre bom senso. Mas quanto tempo deve-se permanecer por lá? A que horas ir embora? Pode-se levar flores?

Levar em conta questões de etiqueta é bastante importante para não incomodar o paciente com uma visita no momento errado – ele pode ter acabado de retornar de um exame delicado, por exemplo. Mas não é só isso. Antes de ir ao hospital, os visitantes devem observar a própria saúde e não descuidar das práticas de higiene pessoal, a fim de diminuir os riscos de infecção.

"Se o paciente estiver imunodeprimido, com o organismo muito debilitado, o risco é maior. Por isso, se o visitante estiver gripado ou doente, é bom evitar a visita", recomenda Priscila Fernanda da Silva, enfermeira do Controle de Infecção e Epidemiologia do Hospital do Coração (HCor). Antes de programar sua visita, confira algumas recomendações de especialistas.

1. O primeiro passo antes de entrar no quarto do paciente é lavar muito bem as mãos. Retire todos os adornos, como anéis, aliança, relógio e pulseiras, antes de higienizá-las. Geralmente, os hospitais também contam com dispenser de álcool em gel para esterilizar as mãos depois de limpá-las

2. Não toque nos equipamentos hospitalares, medicamentos e outros dispositivos usados pelos pacientes

3. Não sente na cama do paciente, nem coloque bolsas e sacolas sobre o leito

4. Não é recomendado que o visitante utilize o banheiro do quarto do paciente. Se precisar, use o sanitário próprio para os visitantes, localizado em geral nos corredores do hospital

5. Crianças muito pequenas e idosos geralmente têm imunidade mais baixa. Portanto, a ida destes visitantes ao ambiente hospitalar só é recomendada se o paciente for alguém muito próximo, especialmente se o doente for oncológico ou tenha acabado de sair da UTI

6. Respeite sempre o horário de visita. "A duração [do encontro] depende da intimidade com o paciente e do momento que ele está passando. Se não for tão íntimo da pessoa, faça uma visita mais rápida", aconselha Nathália Lopes, coordenadora de hospitalidade do hospital Sírio-Libanês

7. Antes da visita, é de bom tom avisar o acompanhante e checar com ele o horário mais conveniente. Lembre que o paciente pode ter acabado de sair de um exame exaustivo ou de um procedimento doloroso e pode estar precisando repousar

8. Se for acompanhante do paciente, não se sinta acanhado em restringir o número de visitas, caso ele tenha acabado de sair da UTI ou esteja com a imunidade muito baixa. Diga delicadamente que agradece a atenção, mas, no momento, o paciente está com limitações para receber muitas pessoas no quarto

9. Se a visita for motivada pela chegada de um bebê, o ideal é que apenas familiares e amigos mais próximos vão à maternidade até que ela complete o primeiro ciclo de vacinas. Se não for o caso, aguarde a mãe e o bebê chegarem em casa para conhecer o novo membro da família

10. Jamais leve comida ao paciente, pois ele pode ter alguma restrição nutricional. "Além disso, como desconhecemos a origem do alimento, como foi armazenado, como foi preparado, é melhor evitar. Ele pode desencadear uma infecção gastrointestinal no paciente", diz a enfermeira Priscila Fernanda da Silva, do HCor

11. Evite usar perfumes durante a visita. Eles podem provocar alergias ou enjoo ao paciente

12. Presentear o doente é um gesto delicado. Mas preste atenção ao que irá levar. Livros, DVDs de filmes e musicais, artigos religiosos e peças de artesanato podem ser boas opções

13. Flores também podem ser levadas, mas desde que fiquem do lado de fora do quarto, para evitar risco de transmissão de doenças, principalmente a pacientes oncológicos e mais debilitados.

Inmetro avalia desgastes de próteses de quadril e joelho



O novo equipamento do Inmetro avalia o desgaste e a qualidade de próteses de quadril e joelho Foto: Divulgação

O novo equipamento do Inmetro avalia o desgaste e a qualidade de próteses de quadril e joelho Divulgação

RIO - Pessoas que precisam de implantes de próteses de quadril e joelho terão mais segurança antes de submeterem à cirurgia. O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, Inmetro, está iniciando um estudo inédito para avaliar o desgaste e a qualidade desses produtos. O teste é importante porque, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a osteoartrose representa 40% de todas as doenças articulares acima de 60 anos.

O protocolo de estudo para quadril já está pronto e os testes começam ainda agora em dezembro no Laboratório de Biomateriais e Tribologia (Labit), e os técnicos devem apresentar os resultados em seis meses. Carlos Achete, Diretor da Divisão de Material do Inmetro, diz que o número de procedimentos de implantes de próteses de quadril tem aumentado em todo o mundo, principalmente com o envelhecimento da população. E um dos objetivos do estudo do Inmetro é dar proteção ao usuário.

- O equipamente simula uma pessoa andando. Queremos ver o desgaste sofrido pelas próteses durante o uso, a qualidade do material. O nosso trabalho vai ajudar a saber a durabilidade das próteses e pode ajudar a evitar casos de nova operação de pacientes - comenta Achete. - Qualquer material tem que ser regularmente e continuamente testado. E agora também as próteses de quadril e joelho. Dependendo dos resultados, podemos fazer testes com outros tipos.

Para imitar as condições de uso das próteses, o equipamento que realiza o ensaio simula os movimentos de caminhada, com carga equivalente ao peso corporal do usuário; o atrito sofrido com o uso e a temperatura corporal, explica a pesquisadora Marcia Maru, da Divisão de Metrologia dos Materais.

Na investigação, além do desgaste das próteses pelo uso, a equipe do Inmetro poderá ver se o material implantado libera partículas no corpo ou se apresentará folgas com o tempo.

- Com esse estudo pode-se evitar a distribuição de próteses com maior risco de substituição e a necessidade de uma nova cirurgia - diz.

Os próprios fabricantes de próteses estão interessados em avaliar e aprovar seus produtos, diz o Inmetro. Os ensaios são demorados e levam, em média, seis meses. Durante os testes, são realizados cinco milhões de ciclos (cada um corresponde a um segundo). A cada 500 mil ciclos (o equivalente a seis dias), o equipamento é desligado para que as peças sejam medidas e pesadas. A compra do equipamento para realização dos testes foi possível a partir de verba obtida junto à Finep, em linha de financiamento destinada à Saúde.

Conheça 8 bons motivos para beber água


Confira oito motivos pelos quais é necessário ingerir água com frequência.

Desidratação: nosso corpo é composto de 72% de água e quando sentimos sede, já estamos desidratados. A desidratação crônica pode causar doenças e envelhecimento precoce, já que o organismo "rouba" água dos órgãos para suprir a falta do líquido nos tecidos.

Quanto beber?: em média, precisamos de cerca de dois litros de água por dia, o que corresponderia a oito copos, para fazer o organismo trabalhar bem, mas o líquido pode ser substituído por outras bebidas e alimentos ricos em água e a quantidade ideal de água varia de acordo com a quantidade de atividade física, composição do corpo e o clima onde a pessoa vive.

Evitar doenças: além do envelhecimento precoce, a desidratação contribui para o aparecimento de doenças como alergias, asma, colite, constipação, enxaqueca, artrite reumatoide, entre outras. A prevenção, muitas vezes, está em ingerir mais líquido que o frequente.

Emagrecer: um copo a mais de água por dia ajuda na sensação de saciedade, hidrata e ainda evita calorias indesejadas. Quando urinamos, o corpo se livra de toxinas, acelerando o metabolismo e a queima das gordurinhas.

Como mensurar: para saber se está ingerindo a quantidade ideal de água por dia, compre uma garrafinha reutilizável que você saiba exatamente qual a medida e verifique quantas vezes ao longo do dia você a esvazia.

Alimentos ricos em água: frutas frescas e vegetais podem ser tão boas fontes de hidratação quanto um copo de água. Morangos e melancias são compostos de 92% de água, enquanto melões, abacaxis, pêssegos e laranjas chegam perto dessa quantidade. Pepino e alface americana contêm 96% de água, assim como repolho, tomate e abobrinha também são ricos no líquido.

De dentro pra fora: na Índia e no Japão, a água é usada como medicamento para curar de dentro para fora e a terapia inclui beber de seis a oito copos de água assim que acorda, para despertar o metabolismo e reidratar o corpo.

Eliminar o cansaço: a água elimina a fadiga mais do que o café, pois quando chega o fim do dia, nosso corpo está desidratado e precisa de água para ter mais energia. Ao ingerir café, que é diurético, pioramos a desidratação e, consequentemente, o cansaço.

Meningite de Ivete Sangalo é de baixo risco; entenda


Ivete Sangalo apresenta, até o momento, quadro de meningite viral; segundo especialistas, esta é o tipo menos grave da doença. Foto: AgNews

Danielle Barg

Após passar mal na madrugada do último domingo (4), depois de uma apresentação no Rio Grande do Norte, a cantora Ivete Sangalo foi internada com quadro de meningite e segue, sem previsão de alta, em recuperação no Hospital Aliança, em Salvador. O último boletim médico divulgado para a imprensa indica que a hipótese mais provável é que a cantora esteja com meningite viral.

De baixo risco, este tipo é mais frequente do que se imagina, segundo explica Renato Grinbaum, infectologista do hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. "É preciso acalmar a população, pois este tipo de meningite é muito comum e tem pouca gravidade", ressalta.

De acordo com o especialista, há mais de uma centena de tipos de meningite, mas a classe médica a divide em duas categorias. A meningite purulenta, caracterizada pela formação de pus, na maior parte das vezes é causada por agentes bacterianos. Esta é a forma mais grave, que pode inclusive causar a morte.

Já a meningite não-purulenta se dá, de um modo geral, a partir da influência de vírus. Esta seria a forma também conhecida como benigna, ou não contagiosa, que é o caso de Ivete.

De acordo com Marco Aurélio Sáfadi, infectologista do Hospital São Luiz, apesar de não ser uma doença rara, a contrário da bacteriana, a meningite viral geralmente apresenta uma boa evolução. "Alguns vírus podem sim ter complicações, mas felizmente, isso é a exceção, e não é a regra. De maneira geral, a meningite viral tem chances menores de complicações", explica o especialista. Segundo ele, a meningite também pode ser causada por fungos ou outros agentes, mas estes casos são mais específicos.

Transmissão, sintomas e tratamento
Segundo os especialistas ouvidos, a transmissão se dá por meio das vias respiratórias ou mãos contaminadas. "Lugares fechados e com pouca circulação de ar são o ambiente propício para o vírus. Isso explica o porquê dos casos aumentarem no inverno", pontua Grinbaum.

A incidência da meningite também pode variar de acordo com o organismo da pessoa, segundo explica Grinbaum. "O mesmo vírus pode causar um resfriado em uma pessoa e meningite em outra. Tudo vai depender da pré-disposição individual, das variações genéticas e da quantidade de vírus aos quais a pessoa foi exposta", observa.

De acordo com Sáfadi, a doença se manifesta a partir de uma tríade de sintomas: febre, cefaleia, vômitos. "O que vai distinguir a gravidade do quadro é a insistência dos sintomas, que só pode ser avaliada por um médico", ressalta.

Os sintomas duram, de um modo geral, de cinco a sete dias. O infectologista Renato explica como a doença se forma. "A meninge é como se fosse uma membrana que envolve o cérebro para protegê-lo, banhada por um líquido chamado líquor. Toda vez que há uma inflamação ou infecção na meninge ou no líquor, chamamos de meningite", explica Grinbaum.

Por este motivo, as dores de cabeça costumam ser bastante diferentes e mais fortes do que uma dor comum. Sendo assim, uma das formas de identificar a doença é tentar encostar o queixo no peito - se houver dor intensa provocada pelo movimento, este pode ser um indicativo. Em bebês, vale observar se estão com dificuldade de mamar ou de mexer o pescoço, além de choro contínuo.

Para se prevenir, a única recomendação é evitar esse tipo de ambiente e lavar as mãos com água e sabão sempre que possível. O infectologista Marco explica que o tratamento é baseado apenas em remédios para combater os sintomas, além de muita hidratação e repouso. "É como uma gripe, um resfriado. O indivíduo retorna ao seu estado geral independente do tratamento, porque o vírus tem um período de manifestações, e depois que ele acaba, os sintomas passam", afirma.

Meningite bacteriana: atenção redobrada
A meningite bacteriana é um tipo mais sério e exige cuidados especiais. O Estado da Bahia vem sofrendo com a doença e, de acordo com a assessoria da secretaria estadual de Saúde (Sesab), foram registrados, até 24 de novembro, 1.670 casos de todos os tipos de meningite, sendo que 108 casos chegaram ao óbito.

Segundo Sáfadi, as bactérias mais frequentes hoje são a meningococo, com letalidade de um em cada cinco indivíduos, e pneumococo, com letalidade de um em cada três pessoas. "Os riscos de sequelas também é grande, podendo trazer surdez, déficit neurológico, amputação de membros, cegueira, e agravos neurológicos de uma maneira geral."

A transmissão também se dá por vias respiratórias, a partir de gotículas expelidas por portadores da bactéria. No entanto, ao contrário da meningite viral, a bacteriana conta com métodos de prevenção mais eficazes. "Hoje já se encontra na rede pública a vacina contra a doença, aplicada em crianças abaixo dos dois anos. Para crianças maiores ou adultos, a vacina também pode ser encontrada em consultórios particulares e não tem nenhuma contraindicação", pontua.

O grupo mais suscetível a este tipo de meningite são as crianças e adolescentes, especialmente durante períodos de surto da doença. Isso decorre de fatores comportamentais como andar mais em grupos, frequentar bares e boates, e, consequentemente, estar mais exposto a ambientes aglomerados.

Manteiga ou margarina: saiba as diferenças


Sabe aquelas batalhas que parece nunca ter fim, pois bem a Manteiga x Margarina é uma batalha épica, para saber qual é melhor para a saúde. E essa foi uma das perguntas que joguei para vocês na nossa fan page e resolvi compartilhar o que aprendi nessa minha busca interminável para descobrir quem venceria essa batalha.

Gorduras:

Manteiga: Ela é derivada do leito por isso sua gordura é de origem animal sendo assim saturada e apresenta em média 22g de colesterol a cada 10g.
Margarina: Fabricada com gordura hidrogenada ela é rica em gordura trans, porém o colesterol é de 0%. (Podemos encontrar no mercado produtos sem gordura trans e com adição de fitoesterol, uma substância gordurosa que reduz o colesterol em até 10% quando ingerido nas quantidades recomendadas).

 Vitaminas e Minerais:

Manteiga: Possui diversos tipos de vitamina, porém em tão pouca quantidade que não é significante para nosso organismo.
Margarina: Fonte de vitamina A, sendo que algumas marcas possuem também as vitaminas D, E, B6 e B12.

 Sabor:

Sem duvida a manteiga é a preferida de todos seu gosto é muito mais agradável, porém como vimos possui mais colesterol e poucas vitaminas. Já a Margarina não é a mais saborosa, mas já existe no mercado marcas mais gostosas e sem gordura trans o que é um alivio para quem pretende levar ela pra mesa.

Uma coisa é certa independente de qual escolher o ideal é não fazer uso excessivo de nenhum dos dois, com moderação não é necessário parar de comer nenhuma das duas.

Fonte

Como aliviar a dor do joanete


http://saude.culturamix.com/blog/wp-content/uploads/2010/05/333.jpg

O joanete é uma deformidade do pé, que pode ocorrer devido ao uso de sapatos apertados ou com saltos muito altos. A articulação na base do dedão do pé se destaca e fica inflamada.

A Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos indica alternativa para aliviar a dor com facilidade:

- Escolha sapatos confortáveis e que se encaixam perfeitamente nos seus pés

- Use sapatos que tenham sola macia e que nao aperte os dedos

- Não use saltos muito altos

- Não sapatos muito apertados e pontudos

- Proteja o joanete com uma almofadinha acolchoada, produto vendido em casas especializadas


Saiba mais sobre a gonorréia


Gonorréia, também conhecida como blenorragia ou esquentamento, é uma doença sexualmente transmissível (DST) comum. A doença pode afetar todas as partes do corpo embora apareça primeiramente nas áreas genitais."

Como acontece?

A gonorréia é causada por bactéria e é altamente contagiosa. A bactéria pode entrar no corpo através de qualquer abertura corporal (vagina, boca, reto).

Ela é na maioria das vezes transmitida através da relação sexual. Nos homens, a infecção normalmente começa na uretra (o canal por onde passa a urina). Nas mulheres, a bactéria normalmente infecta primeiramente o colo do útero. A bactéria pode infectar a garganta e o reto após sexo oral e anal.

Um bebê, cuja mãe tenha gonorréia, pode ter seus olhos infectados durante o nascimento ao passar pelo canal vaginal.

Quais são os sintomas?

Você pode ter gonorréia sem ter nenhum sintoma evidente. Quando os sintomas existem, normalmente aparecem entre 2 e 10 dias após a infecção. Eles podem incluir:

- Sensação de queimação ou dor ao urinar
- Vontade freqüente de urinar
- Corrimento turvo e denso do pênis
- Corrimento vaginal turvo, amarelo com odor desagradável
- Dor de estômago (nas mulheres)
- Sangramento menstrual anormal
- Ânus ou reto inflamados (após relação sexual anal)
- Inflamação de garganta (após relação sexual oral)
- Dor no escroto ou testículos.

Se um bebê pegar gonorréia durante o nascimento, um ou ambos os seus olhos ficarão fortemente inflamados.

Como é diagnosticada?

Muitas disfunções e doenças sexualmente transmissíveis podem causar sintomas similares aos da gonorréia. Para confirmar se tem gonorréia, seu médico examinará uma amostra do corrimento da uretra do pênis ou do colo do útero. A urina também pode ser testada com um novo exame chamado LCR.

Como é tratada?

A gonorréia é tratada através de antibióticos, ministrados tanto por via oral quanto por injeções. Devido ao fato de muitas pessoas com gonorréia terem chlamidya (outra doença sexualmente transmissível), talvez deva usar mais de um remédio para curar ambas as doenças. Diga ao médico se é alérgico a penicilina.

Quanto tempo apresenta sintomas?

Os sintomas dependem de há quanto tempo tem a doença, há quanto tempo a infecção foi transmitida e se já teve a doença anteriormente.

Nos homens, se somente a uretra foi infectada, a gonorréia desaparecerá cerca de dois dias após o início do tratamento. No entanto, ainda que os efeitos tenham cessado, a medicação oral deverá ser tomada durante todo o tempo prescrito. Sem tratamento, a uretra pode apresentar cicatrizes acarretando em incapacidade de urinar normalmente ou esterilidade (incapacidade de conceber filhos).

Nas mulheres, se somente o colo do útero for infectado, a gonorréia desaparecerá cerca de dois dias após iniciado o tratamento. No entanto, ainda que os sintomas tenham cessado, a medicação oral deverá ser tomada durante todo o tempo prescrito. Sem tratamento, a bactéria pode se espalhar pelo útero, ovários e trompas de falópio, causando possivelmente esterilidade e doenças pélvicas inflamatórias (infecção nas trompas) e risco de gravidez tubária. Se a bactéria entrar na corrente sangüínea, multiplicar-se e espalhar-se, a gonorréia também pode causar artrite, febre, meningite e morte.

Que cuidados devem ser tomados?

Faça retorno médico em 1 ou 2 semanas, para ter certeza de que a bactéria causadora da gonorréia desapareceu. Alguns cuidados imprescindíveis:

- Tome a medicação durante todo o tempo prescrito, ainda que os sintomas tenham cessado antes de ter acabado a medicação.
- Pare de ter relações sexuais até que seu médico diga que não há mais evidências da doença.

Como prevenir a Gonorréia e as suas complicações

É importante dizer ao(s) seu(s) parceiro(s) sexual que ele(s) está(ão) exposto(s) à gonorréia. Outros cuidados:

- Diminuir o risco de infecção, usando sempre preservativos durante relação sexual.
- Não compartilhar toalhas ou objetos pessoais íntimos que podem conter bactéria

Ainda que você não tenha sintomas, mas tenha tido alguma relação sexual sem proteção (sem preservativo), procure seu médico ou clínica para checar gonorréia ou outras DSTs.

Saiba tudo sobre a AIDS


HIV é a abreviação usada para o vírus humano da imunodeficiência. HIV é o vírus que causa AIDS (síndrome da imunodeficiência adquirida), uma doença mortal.

HIV ataca o sistema imunológico do corpo. Normalmente, o sistema imunológico produz células de sangue e anticorpos que atacam vírus e bactérias. As células que atacam a infecção são chamadas linfócitos T. Meses ou anos após a pessoa ser infectada com HIV, o vírus destrói os linfócitos T.

Quando as células T são destruídas, o sistema imunológico não pode defender por muito tempo o corpo contra doenças e tumores. Várias infecções chamadas de infecções oportunistas se desenvolvem. Elas são chamadas desta maneira porque tiram proveito do da fraqueza do sistema imunológico. Estas infecções normalmente não causariam problemas graves ou fatais.

No entanto, devido à AIDS, estas infecções eventualmente causam a morte porque o corpo não consegue defender-se, e acaba por ser atacado por infecções oportunistas e/ou por tumores.

Como isto ocorre?

O vírus da AIDS não se espalha pelo ar, pela comida, ou por contato social casual como um aperto de mão ou abraço. É transmitido somente por contato direto e/ou troca de sangue ou fluidos corporais de uma pessoa infectada com os de outra pessoa. Esta mistura pode ocorrer:

- durante atividade sexual sem proteção
- ao dividir agulhas
- através de mãe infectada com HIV
- transfusão de sangue

Os seguintes grupos tem um alto risco de infecção do HIV e possivelmente podem desenvolver AIDS:

- homens homossexuais ativos
- homens bissexuais e seus parceiros
- usuários de drogas intravenosas e seus parceiros sexuais
- pessoas que dividem agulhas(para uso de drogas, tatuagens, ou aplicação de piercing)
- heterossexuais com mais de um parceiro sexual
- pessoas que receberam transfusões de sangue ou produtos de sangue, especialmente aqueles que receberam transfusões de emergência de sangue não examinado e pessoas que receberam transfusões em países onde o sangue não é rigorosamente examinado.
- pessoas que tem relação sexual com imigrantes de áreas com muitos casos de AIDS (como Haiti e África Central)
- pessoas que tiveram relações com parceiros infectados com HIV
- bebês que nasceram de mães infectadas com HIV

Quais são os sintomas?

Os sintomas da infecção por HIV (AIDS) são normalmente sintomas de doenças que atacam o corpo por causa do enfraquecimento do sistema imunológico:

- febre que dura de dias a um mês, sem nenhuma outra doença presente e sem outra causa aparente
- períodos prolongados de calafrios e suores
- fadiga crônica e interminável
- perda de peso e apetite, especialmente perda de mais de 10% do peso corporal, sem nenhuma doença ou condição presente
- dor crônica dos músculos e juntas sem nenhuma razão
- dor de garganta persistente sem explicação
- inchaço dos nódulos linfáticos prolongado e sem explicação
- diarréia, especialmente se durar mais que um mês e sem nenhuma outra doença presente
- infecções reincidentes, graves de fermentação na boca ou vagina mesmo com tratamento apropriado
- herpes que duram mais que 4 semanas

As doenças oportunistas que mais freqüentemente atacam alguém com AIDS incluem SARCOMA, pneumonia, tuberculose, meningite, e herpes.

Como é diagnosticado?

O teste ELISA é o primeiro exame de sangue feito para verificar se a pessoa está infectada com HIV. Se este teste der positivo, outro teste mais específico, normalmente teste WESTERN BLOT, é feito para confirmar os resultados.

Uma vez confirmado os resultados dos exames HIV, você deve passar por um exame médico no qual será questionado sobre seu passado médico e sintomas, caso haja.

O médico fará exame físico completo e procurará saber seus hábitos sexuais, padrões de comportamento, como uso de drogas injetáveis, transfusões sangüíneas, ou se possui histórico de doenças sexualmente transmissíveis.

Os resultados dos exames físicos e laboratoriais darão a seu médico a linha base de comparação para saber se desenvolverá sintomas mais tarde. Também é necessário proteger-se de certas infecções, como a tuberculose (TB), sífilis e hepatite B, que podem fazer com que piore rapidamente ou camufle um sério risco para os outros. Mulheres HIV positivo devem fazer um exame de Papa Nicolau (Pap Smear) de acordo com o cronograma recomendado por seu médico (normalmente a cada 6 a 12 meses).

Como proceder o tratamento?

Seu tratamento inclui:

- Testes laboratoriais para verificar o funcionamento do sistema imunológico, a quantidade de HIV presente no sangue e para constatar a provável presença de infecções ou outros problemas médicos.
- Tratamento antiviral, como as drogas zivodine (também chamado ZDV ou AZT), didanosine (ddi),lamivudine(3 TC), e nunca inibidores protease.
- Exames dentários regulares por que pessoas que são HIV positivo tem um alto índice de anormalidade bucal, incluindo doença da gengiva.
- Tratamentos preventivos para doenças como:
- Pneumocystis carinil pneumonia (PCP)
- tuberculose
- toxaplasmose(evite carne crua e caixas de areia de gatos)
- tétano
- hepatite B
- pneumococcus
- resfriados
- tratamentos para infecções oportunistas e tumores a medida que se desenvolvem.

A contagem do linfócito CD4 é um teste laboratorial muito importante. As células CD4 são do tipo glóbulos brancos. Eles são os melhores indicadores de como está funcionando o sistema imunológico da pessoa HIV positivo. Se a primeira contagem das células CD4 é maior que 60 por microlitro de sangue, o teste deve ser repetido a cada 6 meses.

O teste de carga viral mede a quantidade de HIV no seu sangue. Níveis acima de 10.000 viral copies por mililitro de sangue são considerados alto e normalmente requerem tratamento imediato.

A contagem CD4 e o teste de carga viral são os critérios mais comuns para decidir quando começar o tratamento com as drogas anti-vírus e anti-pneumonia Zivodine 9AZT0 que é prescrito quando a contagem do CD4 cai abaixo de 500 ou a carga viral é maior que 10.000. AZT é ainda a droga mais administrada na maioria dos casos. Seu médico pode prescrever didanosine(ddi) ou dideoxycytidine (ddc). Também é comum começar o tratamento com duas ou mais drogas, como AZT e lamivudine (3TC).

Drogas como AZT, ddi, e os novos inibidores de protease são muitas vezes prescritos para pessoas em ambos estágios (inicial ou avançado) da infecção HIV pois podem retardar o começo da doença, embora não promova a cura. Muitas outras drogas e combinações de drogas têm sido prescritas ou investigadas.

O tratamento com drogas para prevenir Pneumocystis carinil deve ser iniciado quando a contagem do CD4 é menor que 200. Pode ser iniciado antes, se tiver histórico de PCP anterior.

Problema de visão são muitas vezes indicadores de infecção oportunistas em indivíduos HIV positivo. Diga ao médico imediatamente se apresentar sintomas tais como visão embaralhada ou perda parcial da visão.

Procure fazer o tratamento em clínica que utilize a concepção gerencial no cuidado dos casos. Esta aproximação enfatiza o cuidado de equipe coordenado por um gerente de casos. O gerente ajuda na comunicação com todos que estão envolvidos no tratamento. Outras vantagens incluem:

- Cuidado médico atualizado será disponibilizado.
- Tratamento de ambos aspectos: médico e social.
- Ajuda de recursos locais (médico, social, financeiro).

Em quanto tempo aparecerão os primeiros efeitos?

Os efeitos completos da AIDS podem não aparecer em 5 ou 10 anos após ter sido infectado com o vírus. AIDS é uma doença fatal, no entanto a expectativa de vida tem aumentado com o contínuo desenvolvimento dos novos tratamentos.

Cuidados que devem ser tomados?

Pergunte a qualquer novo parceiro sexual sobre a vida sexual dele ou dela. Homens homossexuais e bissexuais devem tomar cuidado e praticar o sexo seguro. Usar preservativo, e procurar fazer o teste de HIV.

Se tiver comportamento de risco, mas em seus exames obteve resultados negativos para presença de HIV, vá ao médico regularmente.

Se você é soropositivo:

- discuta com seu médico sobre o tratamento
- Certifique-se de que seu médico mantém-se atualizado a respeito de novos tratamentos disponíveis.
- Procure seu médico quando tiver um novo ou persistente sintoma.
- Sempre que notar uma mudança nas funções do corpo que causem preocupação, discuta a respeito com seu médico.
- Entre em contato com instituições locais de suporte a AIDS. Seu médico deve ser capaz de ajudá-lo a encontrar uma.

Como pode ser feita a prevenção da contaminação do vírus HIV?

Se você é soro positivo, deve:

- praticar sexo seguro: evite dividir secreções sexuais e sangue de qualquer maneira.
- Peça para seus parceiros sexuais fazerem o teste do HIV
- diga ao seu médico que você é soro positivo

Acrescentando:

- Não divida agulhas para o uso de drogas, tatuagens, ou aplicação de piercings corporais
- Evite engravidar
- Não doe sangue, plasma, sêmen, ou partes do corpo.

Como manter-se atualizado a respeito dos tratamentos para infecção do HIV?

As pesquisas continuam aumentando o conhecimento do vírus da imunodeficiência humana. Como resultado disso, tratamentos recomendados têm mudado muitas vezes. Estar a par destas mudanças pode ser difícil e frustrante. Você pode procurar manter-se atualizado com a ajuda do seu médico que deverá sempre estar a par das mudanças que possivelmente ocorrerão.

Vídeo: Saiba tudo sobre a AIDS