Alergia ao ar condicionado


Para muitos o ar-condicionado é indispensável, sobretudo na primavera e no verão quando a temperatura é mais alta. Ele refresca o ambiente e está cada vez mais presente também nos automóveis, inclusive populares. Entretanto, respiramos cerca de 20 mil vezes por dia e o ar climatizado artificialmente pode ser prejudicial à saúde, se cuidados essenciais com os aparelhos não forem tomados.

Fungos, bactérias e ácaros podem ser os grandes vilões. Isso porque a redução drástica da captação do ar externo, provoca o aumento da concentração de poluentes biológicos no ar interno, fazendo com que a taxa de renovação seja insuficiente. Com isso, existe o risco de concentração dessas formas de vida nos ductos de ar condicionado, o que favorece a proliferação desses agentes, e compromete a qualidade de vida das pessoas, principalmente as que são mais vulneráveis à contaminação, como aquelas que têm problemas respiratórios como a rinite alérgica.

Os sistemas de ar condicionado central, muito empregados hoje em dia, podem contribuir para o surgimento ou piora dos sintomas de alergias respiratórias. Isso ocorre porque o filtro de ar desses aparelhos, não está preparado para reter as micropartículas - fungos, bactérias, mofos, ácaros e vírus – agentes mais comumente implicados no desencadeamento de alergias respiratórias. Salas amplas e cheias de gente trabalhando, acabam se tornando ambientes insalubres, criando condições ideais para a proliferação das doenças provocadas por esses alérgenos.

O sistema de ar condicionado central é composto, basicamente, por três componentes:

  1. Saída de ar do ducto de ventilação;
  2. Local por onde entra o ar, passando por um filtro, antes de ser resfriado;
  3. Serpentinas que têm a função de resfriar e reduzir a umidade do ar.

Como funciona o sistema de ar condicionado?

Inicialmente, o aparelho capta ar e o filtra antes de jogá-lo novamente no ambiente. O resfriamento é feito por serpentinas contendo gás refrigerante ou água gelada. Nesse processo, o ar perde a umidade.

Em seguida, o ar refrigerado é jogado nos ductos de ventilação, por um ventilador centrífugo de alta pressão. O problema, segundo os médicos, é que os ductos de ar jamais são limpos e a sujeira vai se acumulando dentro deles. Essa sujeira costuma ser uma grande fonte de alérgenos, representando um perigo aos indivíduos que apresentam alergias.

Qual a relação com as doenças do aparelho respiratório?

O ar frio paralisa os cílios (pêlos) que revestem as paredes do sistema respiratório, que são encarregados de jogar para fora as impurezas que entram junto com o ar que respiramos. Assim, fungos, mofo, bactérias, vírus e ácaros permanecem no organismo livres para provocar doenças respiratórias de natureza alérgica.

As doenças do aparelho respiratório são, principalmente: sinusite, rinite, otite, amigdalite, faringite, bronquite, pneumonia, asma, gripes e resfriados. Gripes, por exemplo, comprometem as defesas e favorecem infecções mais graves, como a pneumonia.

Como se prevenir?

Evite locais fechados, com grande concentração de pessoas, por tempo prolongado, pois facilita a contaminação. Em salas com carpete, o perigo é muito maior.

Mesmo que a pessoa não seja alérgica, a exposição aos elementos causadores de alergias (ácaros, fungos, mofo, poeira de local fechado, bactérias) acaba fazendo com que ela fique com maior sensibilidade. Dessa forma, a exposição repetida pode levar ao desenvolvimento de sintomas alérgicos.

Como em toda doença alérgica, a prevenção é o melhor remédio.

Quais os cuidados a serem tomados?

  • Evitar permanência em ambientes insalubres por muito tempo;
  • Tratar a alergia quando as crises surgirem;
  • Tomar vacinas, quando houver indicação;
  • Alérgicos e pessoas com mais de 50 anos devem tomar vacinas contra gripe, pneumonias e outras infecções respiratórias, provocadas por bactérias como o pneumococo e o hemófilo;
  • Tomar banho na temperatura ambiente (mais frio);
  • Fazer exercícios físicos;
  • Praticar natação preferencialmente em piscina fria (a recomendação não vale para quem tem sinusite, porque a natação pode agravar o problema).

Janelas fechadas, cortinas ou persianas que não deixam entrar nem uma nesga de sol, contribui para um ar que entra pelas narinas levando aos pulmões algo mais que puro oxigênio. Se você mora ou trabalha num ambiente com essas características, previna-se: lugares assim - onde apenas dez por cento do ar circulante é renovado com ar de fora do prédio - são propícios à proliferação das alergias respiratórias. Locais com refrigeração central são a habitação ideal para ácaros, fungos, bactérias e outros agentes causadores de alergias respiratórias.

Quando as salas são acarpetadas, então, o problema se agrava. É impossível limpar o carpete, que sempre acaba ficando com resíduos de poeira, lembram os especialistas. Mas não se deve pensar que o ar condicionado, em si, seja uma maldição. É até recomendado para quem pode ter o equipamento no carro. Especialmente no caso de quem é alérgico a pólen de flores e fumaça dos caminhões.

Também não representa perigo instalar em casa aquele aparelho pequeno, de parede. O ar é todo renovado pelo aparelho. Sai o ar quente do interior e entra novo ar de fora.

Mas deve-se ter cuidado com a limpeza do filtro e da parte externa que reveste o aparelho. Nestes locais podem estar acumuladas fezes de pombos e de outros pássaros, que representam perigo à saúde das pessoas. Quando secas, elas podem ser aspiradas para dentro do sistema, dessa forma sendo levadas para o ambiente refrigerado. As fezes do pombo têm um fungo chamado Criptococcus neoformans, que pode provocar pneumonia e meningite.

O calor do sol é o maior inimigo de fungos, ácaros e mofo. Por isso, os alergologistas recomendam que deixe entrar em sua casa a luz do sol e o ar puro. Eles lembram que evitar as causas das alergias respiratórias é fundamental. Significa manter a casa ou escritório livre da poeira, do mofo e dos insetos mortos. O pó da barata morta, por exemplo, é um grande alergênico.

No entanto, em prédios públicos e de escritórios, essa estratégia não surte bons resultados, por causa das proporções do ambiente. E o sistema central de ar condicionado acaba perpetuando as doenças respiratórias.

Impotência sexual dobra o risco de doença cardíaca em “quarentões”


Homens que apresentam disfunção erétil ainda jovens, entre 40 e 49 anos de idade, têm duas vezes maior risco de desenvolverem doença cardíaca do que homens com função sexual normal, segundo estudo da Mayo Clinic, nos Estados Unidos. De acordo com os autores, de forma geral, a impotência sexual aumenta em 80% os riscos de doença cardíaca, e esse efeito é maior entre os mais jovens.

A disfunção erétil é um problema comum, e sua prevalência aumenta com a idade. Afeta de 5% a 10% dos homens com 40 anos de idade, e de 40% a 60% daqueles com 70 anos. E os resultados do novo estudo sugerem que médicos e pacientes jovens devem considerar o problema como um indicador do risco de doença coronariana cardíaca, tomando medidas adequadas para preveni-lo.

No estudo, acompanhando, por dez anos, mais de 1,4 mil homens sem problemas cardíacos prévios, os pesquisadores registraram uma prevalência de 2,4% na faixa etária entre 40 e 49 anos; 5,6% em homens de 50 a 59 anos; 17% entre 60 e 69 anos; e quase 39% em homens com 70 anos ou mais.

Avaliando a relação entre doença cardíaca e impotência, os especialistas descobriram que homens com disfunção erétil tinham 80% maior chances de desenvolverem doença coronariana cardíaca, comparados com aqueles que não tinham impotência sexual. E o maior risco de nova doença cardíaca foi registrado nos participantes mais jovens que apresentavam a disfunção. No grupo e 40 a 49 anos, a incidência de doença cardíaca, que seria normalmente de 0,94 por mil, era de 48,52 por mil naqueles com impotência.

Entre os mais velhos, a relação também seria estatisticamente significativa, porém a diferença não era tão marcante como a apresentada por homens com idades entre 40 e 49 anos. "Em homens mais velhos, a disfunção erétil pode ser de menos importância prognóstica para o desenvolvimento de futura doença cardíaca", ressaltaram os autores.

O estudo não explica as razões da relação, mas os especialistas teorizam que ambos as condições são manifestações do mesmo processo de "adoecimento" cardiovascular. Uma placa de gordura que pode bloquear as artérias em torno do coração poderia, inicialmente, estreitar os pequenos vasos sanguíneos do pênis, causando dificuldades de ereção. Da mesma forma, a perda da elasticidade dos vasos poderia causar ambos os problemas.

11 coisas que você ainda não sabe sobre o diabete


http://www.portalmidia.net/wp-content/uploads/diabetes.jpg

1. O diabete tipo 2 não tem só a ver com maus hábitos
A doença se manifesta de duas formas. O chamado tipo 1 está relacionado à incapacidade do pâncreas de produzir um hormônio, a insulina, que tem a missão de botar a glicose para dentro das células. Essa deficiência costuma ser causada pelas próprias defesas do organismo. Já no diabético do tipo 2 — que representa 90% dos casos —, as membranas celulares resistem à entrada do açúcar, exigindo uma maior produção de insulina. Aí o pâncreas se sobrecarrega e, após um tempo, entra em colapso. Esse quadro é provocado na maioria das vezes pela dupla obesidade e sedentarismo, que tem tudo a ver com maus hábitos. Daí a pergunta: será que o tipo 2 tem um fator genético menos preponderante? Nada disso. "Cerca de 50% dos pacientes com a segunda modalidade do mal têm um histórico familiar marcante. Essa incidência diminui para 30% no tipo 1", diz Couri. Ou seja, a tendência genética pesa até mais no tipo 2.

2. Ele causa cegueira, amputações…
Já é sabido que a doença está por trás de perda de visão ou amputações não traumáticas — isto é, as que não ocorrem em razão de um acidente. Mas aqui vem a novidade: ela é a principal causa desses infortúnios no mundo. Nos olhos, o excesso de glicose prejudica a passagem de sangue pelos capilares da retina. Com isso, a região fica desnutrida. Os membros, principalmente os inferiores, também são afetados pela falta de irrigação. Também acabam sendo acometidos por uma perda de sensibilidade. Assim, um pequeno ferimento que passa despercebido pode tomar grandes proporções. "Os dois problemas, no entanto, só acontecem quando o mal está completamente fora de controle", ressalta Hidal.

3. ...e enfraquece os ossos
Os diabéticos têm uma ligeira tendência a ficar com o esqueleto frágil. "Quando há descontrole na doença, observamos uma diminuição da chegada de cálcio aos ossos", relata o endocrinologista Sérgio Dib, diretor do Centro de Diabete da Universidade Federal de São Paulo. Os médicos não sabem bem o porquê, mas acredita-se que a deficiência de insulina esteja envolvida nesse fenômeno. Afinal, esse hormônio participa da construção de vários tecidos do corpo, como os músculos e, claro, a ossatura.

4. Põe em risco a gravidez e os recém-nascidos
Todas as gestantes precisam estar atentas a esse item, incluindo as não diabéticas. Isso porque, nessa etapa da vida, há uma tendência natural para que as taxas de açúcar no sangue subam. Quando o aumento é significativo, ocorre o diabete gestacional, um transtorno que eleva a probabilidade de um parto prematuro. "Como recebe um grande aporte de glicose através do cordão umbilical, o feto passa a produzir insulina demais", aponta César Pereira Lima, obstetra da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. E daí? Daí que, assim que nasce, o bebê, geralmente maior do que a média, continua cheio de insulina. Resultado: hipoglicemia, ou seja, os níveis de açúcar no sangue despencam. "O jeito é controlar de perto a gravidez, aplicando a versão sintética do hormônio sempre que necessário. Já o bebê será avaliado e tratado para normalizar a atividade do pâncreas", indica Lima.

5. O tipo 2 é cada vez mais comum na moçada
Muitos acham que o tipo 2 está restrito aos mais maduros — tanto assim que já foi chamado de senil — e que só o tipo 1 daria as caras desde a infância. Isso não é verdade. Devido à má alimentação e ao sedentarismo, o tipo 2 também vem sendo flagrado em crianças. "Já diagnostiquei o problema em pacientes com 10 anos", exemplifica, preocupado, Carlos Eduardo Barra Couri. É por essas e por outras que os médicos suplicam aos pais para estimular seus filhos a praticar exercícios físicos e a comer de maneira equilibrada. Essa combinação de atitudes saudáveis ajuda a evitar a obesidade, um dos principais desencadeadores do mal na infância.

6. Está ligado a doenças neurodegenerativas
"O diabete é considerado um grande fator de risco para demências em geral", arremata, logo de cara, Sonia Brucki, neurologista da Academia Brasileira de Neurologia, em São Paulo. Essa encrenca, quando descontrolada, compromete os vasos que irrigam o cérebro. Isso deixa os neurônios sem combustível para operar normalmente. E, como um carro, eles eventualmente param de trabalhar. Em outras palavras, a massa cinzenta perde, aos poucos, sua capacidade de armazenar e transmitir informações. Pensa que é pouco? Pois saiba que essa doença também financia derrames, que podem culminar em perdas motoras e cognitivas. Na reportagem da página 70, você verá como atenuar essas consequências por meio da prática esportiva.

7. A gordura também é culpada
Fato: quem não conhece a fundo o tema desta reportagem vê o açúcar como único vilão da história. Mas a gordura também está no banco dos réus, sobretudo no caso do diabete tipo 2. "Ela deve ser ingerida sem exageros", adverte a nutricionista Gisele Goveia, da Sociedade Brasileira de Diabetes. É que o excedente gorduroso vai parar no abdômen. Surge, aos poucos, a famosa barriga de chope, que, além de ser um atentado contra a estética, passa a produzir substâncias perigosas para quem se tornou ou corre o risco de se tornar refém desse estorvo. "Essas moléculas agem nos receptores das células, dificultando a ação da insulina", esclarece Sérgio Dib.

8. Não é motivo para proibições radicais à mesa
Preste atenção no que a nutricionista Gisele Goveia diz: "A lista do permitido e do proibido não existe". As frutas, por exemplo, possuem um tipo de açúcar chamado frutose. Mesmo assim, não devem ser banidas do cardápio. Pelo contrário. Como qualquer outro indivíduo, o diabético deve manter uma alimentação balanceada, com opções variadas no prato. "Se ele respeitar o limite de ingestão de carboidratos, que deve ser estabelecido por um profissional, pode se dar ao luxo de comer até um doce de vez em quando", informa Gisele.

9. Também se manifesta em quem é magro
Não pense que vamos falar dos que têm diabete do tipo 1. Afinal, é bastante conhecido que essa variação do problema não surge por causa dos quilos extras. Diferentemente dela, no tipo 2 a obesidade é um componente central. Mas mesmo o pessoal com a barriga sequinha ainda deve ficar esperto. "Já vi muita gente que come mal e não engorda. A alimentação desbalanceada é, por si só, um risco", analisa Couri. Outra coisa a levar em consideração são os esportes. Pessoas magras podem desenvolver o distúrbio só por serem sedentárias.

10. É potencializado quando se dorme mal
Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, uma pesquisa quentíssima mostra, em ratos, que a apneia contribui para catapultar as taxas de açúcar. "Reduzimos o nível de oxigênio dos animais durante o sono, assim como acontece com os seres humanos que roncam", explica o pneumologista Denis Martinez, orientador do estudo e coordenador do Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa em Sono da UFRGS. "Depois de 21 dias, eles estavam com a glicemia bem alta", revela. A relação entre diabete e sono, no entanto, vai além. Dormir pouco já representa um perigo. Isso porque o corpo vai precisar de energia adicional para enfrentar a jornada. Assim, quem não repousa direito à noite acaba apelando para bombas calóricas cheias de açúcar e gorduras ao longo do dia. "Fora que, quando dormimos mal, o organismo produz mais cortisol, o hormônio do estresse, para nos mantermos acordados. E isso agrava o diabete", conclui Martinez.

11. Muito além da glicemia
É vital manter os níveis de açúcar sob rédeas curtas. Os médicos pedem, pelo menos a cada três meses, exames para ver suas taxas. "Medimos o índice em jejum e duas horas após a ingestão de um copo com 75 gramas de glicose", conta Couri. "E fazemos o teste de hemoglobina glicada, que nos acusa se o paciente controlou direito a doença por meio da análise dos glóbulos vermelhos." Mas, como o diabete está ligado a turbulências no coração — 80% das suas vítimas morrem de problemas cardiovasculares —, ele deve ser acompanhado. O LDL, a versão ruim do colesterol, que fomenta os entupimentos arteriais, precisa estar abaixo dos 70 mg/dL. A pressão e os triglicérides também têm que se manter dentro dos conformes.

Fonte