Ossos da mão: Piramidal


Anatomia da Mão e dos Ossos do Pulso

osso piramidal (também chamado de osso triangular, ou triquetal) está localizado no pulso, no lado medial da fileira proximal do carpo, entre o semilunar e o pisiforme. Está localizado no lado da ulna na mão, mas ele não articula-se com ela. Ele conecta-se com o pisiforme, hamato, e semilunar. É o terceiro osso mais quebrado dentre os ossos do carpo.

Ele pode ser distinguido dos outros ossos do carpo pela sua forma piramidal característica, e por uma face oval isolada que articula com o pisiforme.

Seu nome deriva do latim "triquetrus", que significa "com três diagonais".

As faces:

face superior apresenta uma porção medial rugosa, que não articula, que uma porção lateral convexa que articula com o disco de fibrocartilagem do pulso.

face inferior é côncava, curvada, e lisa para a articulação com o hamato. A porção dorsal é rugosa para a adesão dos ligamentos.

face lateral, a base da pirâmide, é marcada por uma face chata e quadrilateral, que articula com o semilunar.

face medial, ponta da pirâmide, é "pontuda" e rugosa, para a ligação com o ligamento ulnar do pulso.


Fonte: Wikipedia

Fisioterapia na coluna: Hiperextensão de dorsal



Caracterizado por uma diminuição na curvatura torácica, depressão escapular, depressão escapular, depressão clavicular e postura de achatamento cervical. Está associado com uma postura militar exagerada mas não é um desvio postural comum.

a) Fontes potenciais de dor

(1) Fadiga dos músculos requisitados para manter a postura 

(2) Compressão do feixe neurovascular na saída torácica entre a clavícula e costelas.


b) Desequilíbrios musculares 

(1) Eretores da espinha torácicos e retratores escapulares retraídos, e movimento escapular potencialmente restringido, o que poderia diminuir a liberdade de elevação do ombro.

(2) Músculos protratores da escápula e intercostais fracos no tórax anterior.


c) Causa comum

Postura exageradamente ereta

Bamboo Massage



A "Bamboo Massage" ou massagem com bambu foi lançada há pouco tempo no País e já caiu no gosto das brasileiras. A massagem é feita com bambus de diferentes tamanhos e além de relaxar ou de despertar a energia, ainda promove uma drenagem linfática. 

A técnica da massagem feita com bambu é originária da França. A bamboo massage estimula as glândulas e por promover uma drenagem linfática auxilia na diminuição da celulite, e dependendo do trabalho que for feito, pode ajudar da remodelagem da silhueta. 

A técnica da massagem com bambu funciona da seguinte forma: as varas de bambu agem como se fossem o prolongamento dos dedos, e por isso, dá a possibilidade de alcançar todas as regiões do corpo. 

A massagem associa técnicas de massagens como shiatsu, ayurvédica e drenagem linfática. Da ayurvédica, que é uma massagem indiana, utilizamos os óleos de acordo com o estado de espírito da pessoa. Por isso, antes de iniciar a massagem ela responde um pequeno questionário que vai identificar o óleo ideal para ser usado na massagem. Por exemplo, se vamos usar um óleo para relaxar ou despertar a energia.

Uma sessão de Bamboo Massage dura cerca de uma hora. A recomendação é de que a massagem seja feita uma vez por semana. Cada sessão custa R$ 90,00.
Redação Terra

Caminhada pode reduzir sintomas de artrose


A caminhada progressiva - aliada ao tratamento com sulfato de glucosamina - pode ajudar as pessoas a melhorar os sintomas de artrose, segundo pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália. Em artigo publicado na revista médica Arthritis Research and Therapy, os especialistas destacaram que pacientes que caminham pelo menos duas series de 1.500 passos em três dias da semana relatam bem menos dor da artrite e, significativamente, melhor função física.

Avaliando 36 pacientes com artrose - todos receberam suplemento de sulfato de glucosamina - os pesquisadores atestaram a eficácia de um programa de caminhada orientada para reduzir os sintomas da doença. Os pacientes que participaram do programa - que incluía um guia de caminhada, um pedômetro (aparelho que mede distâncias e passos), folhas de registro de exercícios e planejamento semanal -, seja caminhando três ou cinco dias por semana, apresentaram significativa melhora nos sintomas da doença inflamatória. 

"As descobertas oferecem evidência preliminar de que os pacientes com osteoartrite podem se beneficiar da combinação de sulfato de glucosamina e o exercício de 3 mil passos de caminhada por dia, em séries de pelo menos 1.500 passos, pelo menos três dias por semana", destacou o pesquisador Kristiann Heesch. Os especialistas destacam que essa quantidade de exercícios é menos do que a das recomendações atuais de atividades físicas para a população geral, mas acompanha as recomendações para pessoas com artrite. Antes da prática, porém, os pacientes devem procurar um especialista.

Fonte: Arthritis Research & Therapy. 12 de fevereiro de 2010.

Visite o blog Esporte com Saúde

Lesões periféricas - Paralisia Facial



Segundo Seddon (1984), existem predominantemente três tipos de lesões das fibras nervosas: neuropraxia, axonotmese e neurotmese.

Neuropraxia

Ocorre quando não existe perda da continuidade axonal entre o neurônio e o músculo. Ocorre apenas uma interrupção da condução nervosa (bloqueio de condução) por uma lesão exclusivamente na bainha de mielina do nervo. O aspecto mais importante é sua reversibilidade. Essas paralisias decorrentes de um bloqueio de condução duram de 1-6 meses, embora geralmente resolvam em até 3 meses.

Axonotmese

Neste caso, a lesão acomete os axônios do nervo e ocorre uma reação em duas fases. A primeira fase envolve a desintegração do axônio e a quebra da bainha de mielina, o que é chamado de degeneração Walleriana (axonal).

A segunda fase da reação 'a lesão é o processo de regeneração (reinervação) da continuidade entre axônio e seu órgão terminal.

Neurotmese

Neste tipo de lesão ocorre perda de continuidade de todo o tronco nervoso. Todas as alterações decorrentes de uma lesão axonal tipo axonotmese também ocorrem na neurotmese. A recuperação é muito difícil em função de que as alterações neuronais retrógradas são muito graves e um grande número de neurônios não sobrevive.

Dinâmica de grupo



A dinâmica de grupo constitui um valioso instrumento educacional que pode ser utilizado para trabalhar o ensino-aprendizagem quando opta-se por uma concepção de educação que valoriza tanto a teoria como a prática e considera todos os envolvidos neste processo como sujeitos.

A opção pelo trabalho com dinâmica de grupo permite que as pessoas envolvidas passem por um processo de ensino-aprendizagem onde o trabalho coletivo é colocado como um caminho para se interferir na realidade, modificando-a. Isso porque a experiência do trabalho com dinâmica promove o encontro de pessoas onde o saber é construído junto, em grupo.

Logo, esse conhecimento deixa de ser individualizado e passa a ser de todos, coletivizado. Ainda tem a qualidade de ser um saber que ocorre quando a pessoa está envolvida integralmente (afetivamente e intelectualmente) em uma atividade, onde é desafiada a analisar criticamente o grupo e a si mesma, a elaborar coletivamente um saber e tentar aplicar seus resultados.

É importante ressaltar que faz parte desse processo a garantia da participação constante de todos os participantes. Só assim todos se sentirão donos do saber alcançado.

A importância da dinâmica no processo coletivo do ensino-aprendizagem não deve ser, no entanto, absolutizada ou subestimada. Sua utilização deve responder a objetivos específicos de uma determinada estratégia educativa, no sentido de estimular a produção do conhecimento e a recriação deste conhecimento tanto no grupo/coletivo quanto no indivíduo/singular, uma vez que a técnica da dinâmica não é um fim, mas um meio - é uma ferramenta a ser usada.

 Ao optar pelo uso da técnica de dinâmica de grupo você poderá, através de jogos, brincadeiras, dramatizações, técnicas participativas, oficinas vivenciais e um ambiente descontraído, discutir temas complexos, polêmicos e até estimular que sejam externados conflitos (do indivíduo e do grupo), buscando estimular os participantes a alcançar uma melhoria qualitativa na percepção de si mesmo e do mundo e, conseqüentemente, nas relações estabelecidas consigo mesmo, com o outro e com o mundo.

Para o trabalho com dinâmica ter um desenvolvimento pleno, é recomendável que os grupos tenham, no máximo, 20 participantes. Isto porém não impossibilita que se faça o uso dessa metodologia educacional em grupos maiores, em congressos, em seminários e outros.

Orientamos que nestes casos o coordenador divida o plenário em subgrupos para o desenvolvimento dos trabalhos e reúna o grupão nos momentos de socialização e de síntese.

Outros recursos que podem ser utilizados em grupos grandes são o retroprojetor, vídeo, exposições dialogadas, além de técnicas de teatro, tarjetas e cartazes.

Em todo início de atividade (encontro) deve ser feito o "Contrato do Grupo". Trata-se de uma discussão da pauta proposta, definição de normas internas do grupo, formação de equipes de trabalho e distribuição de tarefas. Quando se tratar de uma atividade menor, um debate por exemplo, deve-se definir com o grupo o horário de terminar a atividade, o que será possível realizar, o que já foi preestabelecido, o objetivo da atividade e a metodologia de abordagem.

Aplicar esse tipo de atividade na Ginástica Laboral só faz melhorar a socialização e a motivação da atividade.

Previna um AVC



Acidente Vascular Cerebral (acrônimo: AVC), ou acidente vascular encefálico (acrônimo: AVE), vulgarmente chamado de "derrame cerebral", é caracterizado pela perda rápida de Função Neurológica, decorrente do entupimento ou rompimento de vasos sanguíneos cerebrais. É uma doença de início súbita, que pode ocorrer por dois motivos: isquemia ou hemorragia.
Como muitas doenças a melhor maneira de a combater é a PREVENÇÃO, identificando e tratando os fatores de risco, como uma hipertensão, aterosclerose, o diabetes mellitus, o colesterol elevado, cessar o tabagismo e o etilismo, reconhecer e tratar os problemas cardíacos.
Os principais sintomas de AVC são uma cefaleia intensa e súbita sem causa aparente que pode ser bastante dolorosa, uma inesperada e rápida dormência nos braços, nas pernas e pés, também poderá acontecer uma dificuldade de falar onde o individuo pode apresentar bastante dificuldade ou total perca da fala, uma perda de equilíbrio é outro sintoma bastante vulgar, não conseguir estar na posição de pé ou sentindo bastante dificuldade nessa posição.
Geralmente apresenta  uma diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna do lado esquerdo ou direito do corpo, dependendo do hemisferio afetado, uma repentina alteração na sensibilidade, com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo, perda súbita de visão em um olho ou nos dois, alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular e expressar palavras ou para compreender a linguagem, instabilidade, vertigem súbita e intensa e desequilíbrio associado com náuseas ou vômitos.

Cirurgia de mão é uma especialidade


A mão é um orgão sensitivo e motor que apresenta grande complexidade de função. O membro superior atua em função da mão que é posicionado para as atividades laborativas e de lazer.

Podemos dizer que a origem da mão é no hemisfério cerebral contralateral. Sua inervação origina-se no plexo braquial nas raizes da C5 a T1.

Para a formação do Cirurgião de Mão é necessário conhecimento profundo da fisiologia deste complexo orgão sensitivo e motor que é a mão e que transcedem o aprendizado do Curso Médico. A especialidade Cirurgia da Mão nasceu com os resultados insatisfatórios do tratamento cirúrgico das frequentes lesões dos tendões flexores, resultando na denominação incorreta da especialidade como Cirurgia da Mão. Este nome não reflete a extensão e complexidade desta especialidade, tanto que várias Sociedades Científicas modificaram a denominação inicial para Cirurgia da Mão e Membro Superior. Esta denominação é mais fidedigna pois, o membro superior funciona como uma unidade integrada com o objetivo de posicionar a mão em condições de exercer sua função sensitiva e motora. Não se deve confundir uma articulação por mais complexa, com um órgão sensitivo-motor, como a mão.

No passado para o tratamento das lesões complexas da mão era necessário a participação de vários especialistas. A necessidade de um especialista que pudesse tratar os grandes traumas do membro superior surgiram com as grandes Guerras Mundiais, pois a as lesões com explosivos necessitavam de grandes reconstruções com a participação de Cirurgiões, Ortopedistas, Cirurgiões Plásticos e Neurocirurgiões. Neste contexto surgiu e se desenvolveram os cirurgiões preocupados em reestabelecer a função da mão, permitindo a reintegração destes traumatizados à sociedade.

A filosofia para o tratamento das patologias e traumatismos da mão é restabelecer sua função, ou seja, proporcionar movimentos básicos como flexo-extensão, assim como movimentos complexos como a oponência do polegar. Os movimentos devem ser sincronizados e consecutivos entre as 31 articulações que compõem o punho e mão. Aliado ao movimento é fundamental a atividade sensitiva da mão, que a transforma nos olhos do cego,permitindo que os deficientes visuais enxergem através das mão , para isto, é necessário a preservação dos receptores altamente diferenciados ao nível das polpas digitais. Para estas funções é fundamental a qualidade da cobertura cutânea ao nível do membro superior e, particularmente no punho e mão. Esta necessidade proporcionou o desenvolvimento de um capítulo importante na Cirurgia da Mão, da cobertura cutânea, com a incorporação das técnicas microcirúrgicas para a realização dos retalhos locais e à distância. Nos ultimos 10 anos mais de 15 retalhos microcirúrgicos foram descritos pelos cirurgiões de mão, que permitiram grandes avanços na qualidade de reabilitação dos pacientes portadores de patologias desta região.

Para a formação do Cirurgião de Mão é necessária uma formação diferenciada que não é possível em nenhuma das especialidades existentes. Como comprovação deste fato destacamos a necessidade do residente em Cirurgia Plástica realizar estágio de pelo menos 1 mes em um Serviço de Ensino e Treinamento em Cirurgia da Mão. Também nos principais Hospitais Universitários do país, o residente de Ortopedia e Traumatologia também realiza estágio nos setores de Cirurgia da Mão dos respectivos Serviços de Ensino e Treinamento.

Para a formação do especialista é fundamental o perfeito conhecimento dos nervos periféricos, a partir do plexo braquial, sua anatomia topográfica , fisiologia, técnicas microcirúrgicas e reabilitação; domínio das funções e fisiologia das estruturas musculares, tendíneas, ligamentares, articulares e ósseas que através da sua integração são responsáveis pelos movimentos da mão;cobertura cutânea fundamental para integração da sensibilidade e motricidade, onde existem peculiariedades que não observamos em outras regiões, microcirurgia aplicada às lesões do plexo braquial, nervos periféricos, retalhos microcirúrgicos e reimplantes de membros.

Fonte

Testes funcionais para coluna lombar




Raiz Nervosa Motor ExameTeste Funcional
L3 Quadríceps Estendidos Agachar e subir
L4 Tornozelo dorsofletidos Andar sobre saltos
L5 Dorsoflexão do Hálux Andar sobre saltos
S1 Flexão de Hálux Caminhe na ponta dos pés (tornozelo flexão plantar)

Esse é um pequeno quadro, que tem como função ajudar na identificação de alguns sinais. 

Tendinite de IlioPsoas



Lesões de quadril e pelve representam ao em torno de  2 a 5% de todas as lesões esportivas.Entre essas lesões, a dor na virilha é a mais comum. Os lesões mais comuns relacionadas a esportes no quadril, pelve e da coxa são as musculotendineas (por exemplo, a tensão tendinite do quadríceps, adutores) e, menos comumente tendinite iliopsoas. A tendinite do  Iliopsoas e a bursite do iliopsoas são intimamente relacionados, pois a inflamação de uma inevitavelmente provoca inflamação dos outros, devido à sua proximidade. Portanto, essas 2 condições são essencialmente idênticas em termos de apresentação.

Em termos básicos, tendinite iliopsoas é uma inflamação do tendão ou na zona em redor do tendão. Principais causas de tendinite do iliopsoas são traumas agudos e repetição excessiva da flexão do quadril. 

Amplitude de movimento (ADM) do quadril inclui aproximadamente 120 ° de flexão, 20 ° de extensão, 40 º de abdução, adução de 25 ° e 45 ° de rotação interna e rotação externa. A posição de repouso do quadril é considerada a 30 ° de flexão e 30 ° de abdução.

Os músculos psoas e ilíaco originam da coluna lombar e da pelve, respectivamente, e são inervadas pelo superior raízes nervosas lombares (ou seja, L1, L2, L3). Estes músculos convergem para formar o músculo iliopsoas, que insere sobre o trocanter menor do fêmur proximal, o tendão do iliopsoas. O tendão do psoas quando em rotação apresenta uma característica através de seu curso, transformando sua superfície ventral em uma superfície medial. A parcela ilíaca desse tendão tem uma posição mais lateral, e as fibras musculares da inserção do músculo ilíaco para o trocanter menor, sem ingressar no tendão principal mais na região lateral.

O músculo iliopsoas passa anterior à cavidade pélvica e cápsula do quadril em um sulco entre a espinha ilíaca inferior anterior lateralmente e iliopectínea eminência medial. A junção músculo é encontrado de forma consistente ao nível deste sulco. O músculo iliopsoas funções como flexor do quadril e rotadores externos do fêmur. 

Uma variedade de termos têm sido usados para descrever e classificar as lesões do tendão. Tendinite é tipicamente associada com uma lesão aguda por que a falha das fibras do tendão e ruptura do tecido vascularizado peritendinoso conjuntivo produz uma resposta inflamatória aguda no tendão. Tendinite pode ser aguda, subaguda ou crônica, dependendo da duração dos sintomas.

Peritendinite é uma condição na qual uma lesão aguda produz uma resposta inflamatória em somente o tecido macio em torno de um tendão, sem ruptura das fibras do tendão. Por outro lado, tendinose é freqüentemente associada com microtrauma crônica ao tendão, tais como a sobrecarga repetitiva. No caso da tendinose, insuficiência de fibra tende a ser caracterizada por insuficiência intra-substancial, em comparação com o rompimento peritendinoso, que ocorre em tendinite. Os resultados microscópicos em tendinose incluem degeneração fibrilar, proliferação angiofibroblastica, degeneração mixóide, fibrose e, ocasionalmente, inflamação crônica.

A lesão aguda e pelo uso excessivo são os 2 principais causas da tendinite do iliopsoas. A lesão aguda geralmente envolve uma contração excêntrica do músculo iliopsoas, mas também pode ser devido a trauma direto. A lesão por uso excessivo pode ocorrer em atividades que envolvem flexão do quadril repetidas ou rotação externa da coxa. Atividades que podem predispor a tendinite iliopsoas incluem dança, ballet, treinamento de resistência, remo, corrida (em particular para cima), atletismo, futebol e ginástica.

Durante o surto de crescimento na adolescência, os flexores do quadril tendem a tornar-se relativamente inflexível.Esta rigidez pode levar a problemas nos atletas mais jovens, porque o esforço colocado na unidade músculo-iliopsoas aumenta e biomecânica geral são alteradas. Aperto do iliopsoas, tensor da fáscia lata, reto femoral, ou pode levar à inibição do glúteo máximo, permitindo uma inclinação pélvica anterior. Este, por sua vez, leva a efeitos adversos sobre a cadeia cinética. Inclinação anterior excessivo pode levar ao aumento da lordose lombar com o estresse resultante sobre os discos da região lombar, nas articulações, e nas articulações sacroilíacas e pode resultar em aumento da flexão do joelho no calcanhar e midstance durante as fases do ciclo da marcha. O subsequente aumento na carga excêntrica através do mecanismo extensor do joelho podem resultar em lesões do tendão patelar. Com o aumento da flexão do joelho, forças de compressão com o aumento da superfície de contato femoropatelar e pode predispor a problemas femoropatelar.

Em um próximo artigo, falarei da história clinica, causas e possíveis tratamentos desta tendinite.

Já acessou o blog da
Fisioterapia Ortopédica hoje?

Dor crônica na coluna



A dor crônica geralmente não é diagnosticada até que você tenha tido regularmente há mais de seis meses. Até pode ser uma espera, para você que está sentindo a dor, desnecessária, porém a dor crônica não é uma condição fácil de diagnosticar.

Até se encontrar uma causa para a dor, tem de haver muita observação. E essa observação só poderá ser eficiente se houver uma observação do que se fez para a dor começar e/ou piorar. Eliminar potenciais doenças e distúrbios podem ajudar a entender da onde a dor vem, mesmo que a verdadeira fonte não seja descoberto. Isso pode tornar o tratamento da dor mais eficaz.

Com o tempo, o médico irá realizar uma série de testes diferentes, que podem incluir exames de sangue, de imagem e análise da inervação. O que ele realiza testes depende de onde a dor está localizada e que ele suspeita que está causando isso, além de seus sintomas outros. 

Se a dor crônica é na região de coluna, o médico irá realizar testes para determinar se a causa é uma desordem do tecido, como uma lesão muscular ou uma fratura, ou se é causado por dano do invervação, como uma hérnia discal.

Raios-X pode detectar lesões nos ossos e tecidos densos.
Ressonância magnética pode revelar danos aos ossos, bem como os tecidos mais macios como os músculos, ligamentos ou tendões.
Tomografia Computadorizada fornecer detalhes mais precisos do que um raio-x, e pode ser usado para examinar as áreas com problemas mais de perto.

Boa sorte!

Você já acessou o blog
Hernia de Disco hoje?

Sintomas da Bronquiectasia



Bronquiectasia provoca um aumento anormal das vias aéreas devido à inflamação e a infecção. Quando as vias aéreas ficam aumentadas, há uma alteração da forma do muco,  levando à infecção. Obstrução das vias aéreas ocorre também devido a dano aos cílios, os pêlos minúsculos protetora responsável pela limpeza das vias aéreas. Isso resulta em um ciclo de repetidas inflamações, infecções e obstrução das vias aéreas característica de bronquiectasias.
Muitas vezes, como se desenvolve gradualmente, os sintomas de bronquiectasias não aparecem por meses ou mesmo anos. Os sintomas da bronciectasis podem incluir:

1. Crônica Tosse com grandes quantidades de espessura, de odor fétido do catarro
A persistente, tosse de longa duração com grandes quantidades de escarro, purulenta espessa são os sintomas característicos da bronciectasis. Com a presença de infecção, o muco é muitas vezes descoloridos, mau cheiro e podem até conter o sangue.

2. Hemoptise
Pessoas com bronquiectasias vezes pode expectorar pequenas quantidades de sangue. Este termo é referido como hemoptise. Hemoptise é devido, principalmente, à ruptura de vasos sanguíneos minúsculos perto da superfície dos tubos bronquiais. Normalmente, esse sangramento é menor, mas às vezes requer cuidados emergentes. Quando a hemoptise ocorre, geralmente indica infecção.

3. Dispnéia
Dispneia ou falta de ar, é outro sintoma comum de bronquiectasia, que ocorre devido à obstrução das vias aéreas com muco. Normalmente, a piora da dispnéia pode acontecer durante o esforço ou exercício.

4. Perda de peso
A perda de peso pode ocorrer por causa da maior demanda calórica produzida pelo organismo como resultado de longo prazo, tosse excessiva. Leia mais sobre a nutrição ea DPOC.

5. Fadiga
A fadiga é uma sensação geral de cansaço ou falta de energia. No caso de bronquiectasia, uma das causas da fadiga pode ser a falta de sono causada pelo longo prazo tosse excessiva. Às vezes, os efeitos colaterais dos medicamentos podem trazer a fadiga são comuns com anti-histamínicos, medicamentos pressão arterial, pílulas para dormir, esteróides ou diuréticos.

6. Fraqueza Muscular
A fraqueza é um sintoma comum de muitas doenças crônicas. A fraqueza causada por bronquiectasia é basicamente generalizada, o que significa que afeta todo o corpo, em oposição à fraqueza localizada, que afeta apenas uma parte específica, grupo muscular, ou de um lado do corpo.

7. "Dedos brancos"
É um sinal de privação de oxigênio a longo prazo e podem, ou não, ser visto em bronquiectasias. 

8. Chiado
Muitas vezes descrito como um som de assobios ouvidos durante a inspiração ou expiração, chiado é causado por um estreitamento ou obstrução das vias aéreas. Muitas vezes, chiado pode ser tão grande que você pode ouvi-lo sem a ajuda de um estetoscópio.

9. Repetidas infecções pulmonares
As infecções respiratórias são comuns em bronquiectasias e podem incluir infecções bacterianas (como Staphylococcus) infecções fúngicas (tais como aspergilose) infecções por micobactérias (como a tuberculose) ou infecções virais (como a gripe). Se essas infecções pulmonares são tratados imediatamente, a bronquiectasia é menos provável de ocorrer.


Nova esperança para a fibrose cistica




Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia (San Diego School of Medicine) descobriu um gene defeituoso que sinaliza para uma proteína chamada peroxisome proliferator-activated receptor-γ (PPAR-γ) é responsável por uma parcela dos sintomas da doença na fibrose cística, e que a correção desse gene defeituoso reduz os sintomas da doença em ratos.

Esta descoberta pode levar a novos alvos terapêuticos para pacientes com fibrose cística.

A fibrose cística é a mais comum e letal doença genética entre brancos, que ocorre em uma em cada 3.000 nascimentos. A doença é uma condição multissistêmica que leva à insuficiência respiratória progressiva, insuficiência pancreática e obstrução ou bloqueio gastrointestinal.

O estudo foi publicado na edição de 14 de fevereiro da revista 
Nature Medicine.

Acesse o blog Faça Fisioterapia

Alongamento de Isquios-tibiais



A elevação da perna reta é um excelente exercício para fortalecer os músculos do quadril. É um dos exercícios primeira feita após a cirurgia de substituição da quadril ou joelho. Eficaz e fácil, a levantar a perna reta é uma boa técnica de reabilitação.

Dificuldade: Fácil

Tempo necessário: 15 minutos

Como faz:
Sente-se com as pernas para fora na frente de você.
Dobre o joelho de sua perna não operada a um ângulo de 90 graus mantendo o pé no chão.
Lentamente, levante a perna operada seis centímetros do chão (contraindo os músculos da coxa da frente)
Mantenha a posição por cinco segundos.
Lentamente abaixe a perna até o chão.
Relaxe e repita 10 vezes mais.

Dicas:
Continue a inspirar e expirar durante o exercício.
Concentre-se em contrair os músculos na parte da frente da coxa.

Suplementos desportivos - Glucosamina


Glucosamina tem sido utilizado no tratamento de osteoartrite e ajuda
estimula as células da cartilagem de sintetizar glicosaminoglicanas e
proteoglicanas. Em estudos de sulfato de glucosamina oral tem um
efeito benéfico sobre a inflamação ea artrite mecânica.

As indicações para o uso desse suplemento são:

Proteger cartilagens contra danos decorrentes do excesso de peso no exercicio
Retardar ao envelhecimento da cartilagem
Estimular o crescimento da cartilagem

Pesquisas na Europa mostram que a glucosamina desempenha um papel na
manutenção e reparação de cartilagem, estimula as células da
cartilagem de sintetizar blocos de construção da cartilagem e pode ter
uma acção anti-inflamatória, interferindo com a degradação da
cartilagem

Dicas e Cuidados

A glucosamina é mais eficaz para a artrite inicial, quando a
cartilagem está ainda presente porém é menos eficaz para a artrite
grave.

Glucosamina parece seguro, entretanto, mais investigação a longo prazo
é necessário para determinar a sua eficácia.

Entorse no pescoço



Esse tipo de entorse está tipicamente associada com ao efeito chicote, comum em um acidente de carro, ou em lesões esportiivas. Essas lesões são o resultado de uma queda, impacto ou contato com outra pessoa, objeto ou superfície.
As sete vértebras cervicais são ligados uns aos outros por ligamentos. A entorse ocorre quando os ligamentos são alongados ou "mexidos" além de sua escala de movimento normal. Isto pode acontecer durante os movimentos bruscos que faz com que o pescoço para "amplie" um movimento, depois pular de volta, com força extrema. Os sintomas comuns de uma entorse no pescoço incluem:

Dor na parte posterior do pescoço que aumenta com o movimento;
Dor nos lados do pescoço;
Dor de garganta pode aparecer 24 a 48 horas após uma lesão no pescoço;
Espasmos musculares ou dor na região de cláviculas e ombros
Dor de cabeça na parte de trás da cabeça
Dor de garganta;
Irritabilidade, fadiga, dificuldade em dormir e dificuldade de concentração;
Rigidez / diminuição da amplitude de movimento na cervical;
Formigamento, dormência ou fraqueza nas mãos ou braços;

Tratamento

É importante ter um médico avaliar a sua lesão para descartar qualquer coisa séria. Uma vez que o diagnóstico de entorse ou uma tensão for confirmada, o tratamento é o mesmo que outras lesões dos tecidos moles. De primeiros socorros inclui terapia RICE (repouso, gelo, compressão e elevação). Entorse do pescoço são dolorosas e o tempo vai curar, mas pode ser preciso um colar cervical macio para ajudar a sustentar a cabeça e aliviar a pressão no pescoço, enquanto os ligamentos "repousam".

Medicamentos anti-inflamatórios, pode ajudar a reduzir a dor eo inchaço nenhum. Os relaxantes musculares podem ser prescritos pelo seu médico para ajudar a reduzir os espasmos musculares. Aplicação de água quente no pescoço (15 a 20 minutos a uma hora), várias vezes ao dia por até três dias após a lesão vai ajudar a reduzir a tensão criada depois de 4,5 dias de lesão. A aplicação de calor deve ser evitados nas fase inicial da lesão, porque o calor vai aumentar a circulação e aumentar o inchaço.

A maioria dos sintomas de uma entorse no pescoço vai diminuir em quatro a seis semanas, mas uma grave lesão pode demorar ainda mais para cicatrizar completamente. Por este motivo, é aconselhável para evitar um retorno ao esporte de contato, até vários meses de ficar livre da dor. Você pode também beneficiar do tratamento do fisioterapeuta para garantir um retorno seguro e adequado para o exercício e acelerar a volta a vida normal.

Curiosidades e dicas para rinite alérgica



Cerca de 30% da população sofre algum tipo de alergia, de acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai). Um deles é a rinite alérgica, que pode levar a complicações como otites, sinusites, roncos, respiração bucal e alterações na posição dos dentes, além de piorar as crises de asma. Para saber mais sobre a doença, como sintomas e formas de tratamento, confira abaixo 13 curiosidades e dicas listadas pelo otorrinolaringologista Julio Miranda Gil, membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL-CCF).

1) Os principais sintomas são coriza, espirros, coriza hialina (secreção transparente) e obstrução nasal. Ainda pode-se observar lacrimejamento, perda do olfato e do paladar, halitose, tosse;

2) Durante uma crise, algumas pessoas sofrem com irritação nos olhos porque a mucosa que envolve o nariz e os seios da face se comunica com a dos olhos;

3) A rinite é dividida em dois grupos: alérgica e não-alérgica. O mais comum nos casos crônicos é a alérgica;

4) A rinite alérgica é uma inflamação da mucosa do nariz e dos seios da face com a presença de eosinófilos (um tipo de glóbulo branco) e IgE (um tipo de imunoglobulina);

5) A não-alérgica pode se apresentar de muitas formas, porém sempre com a mesma inflamação da mucosa, presença de neutrófilos (em vez de eosinófilos) e ausência do aumento de IgE;

6) Existem a patologia alérgica sazonal (com manifestação de sintomas por menos de quatro dias na semana) e a persistente (sintomas presentes por mais de quatro dias na semana). Pode ser dividida também em leve (quando os sintomas atrapalham, mas não incomodam tanto durante o sono, atividades diárias, lazer e esporte, escola ou trabalho) e moderada a severa (quando os sintomas atrapalham muito);

7) A rinite alérgica não é contagiosa. Normalmente, existe uma história familiar, ou seja, é hereditária. Por exemplo, quando os pais têm, o filho apresenta 80% de chance de desenvolvê-la. Pode ainda estar relacionada com baixo nível socioeconômico, como condições precárias de moradia;

8) Há várias substâncias que desencadeiam a rinite alérgica. As mais comuns são ácaros, fungos, pólen, saliva, resíduos de insetos e secreções de cães e gatos. Poluentes e tabaco também deixam o nariz mais sensível;

9) A prevenção consiste em detalhes como retirar de casa tapetes, carpetes, cortinas, bichos de pelúcia. Nunca passe vassoura e, em seu lugar, use pano úmido ou aspirador. É preferível não ter animais de estimação e, se isso for impossível, dê banhos semanais neles. Durma com edredom em vez de cobertor. Esqueça as roupas de lã e dê lugar às de materiais sintéticos ou algodão;

10) A lista de opções de tratamento conta com lavagem nasal com soro fisiológico, sprays nasais de corticoide, anti-histamínicos orais ou nasais, antileucotrienos, corticoides orais e vacina sublingual ou subcutânea;

11) Pacientes que têm rinite e desvio de septo costumam se queixar mais de nariz entupido do que os outros e talvez precisem de cirurgia para correção. Outras alterações anatômicas podem predispor a sinusite crônica e de repetição quando associadas à rinite alérgica;

12) Quem tem rinite e trabalha em um escritório com ar-condicionado deve realizar, ao menos duas vezes ao dia, lavagem do nariz com soro fisiológico, além de tomar cuidado com variações bruscas de temperatura. Outra dica é manter recipientes com água espalhados pelo ambiente com o intuito de evitar que o ar fique muito seco;

13) A sinusite alérgica pode ser causada pelo quadro de rinite e, a bacteriana crônica, por uma rinite que não foi tratada adequadamente (quando ocorre um acúmulo de muco nos seios da face, colonizado por bactérias).

Fonte: Terra

Erros na corrida


Vejaos erros mais comuns de uma corrida:

- Atacar o solo,com toques dos pés chapados no chão, diminuindo a capacidade de amortecimento das articulações;

- Tocar o solo nas pontas dos pés o que pode levar a uma lesão no músculo tibial anterior;

- Toque forte com os calcanhares, o que aumenta o impacto e desacelera a corrida;

- Pouca flexão do quadril ou desalinho de uma perna em relação à outra, o que pode causar desequilíbrios no corpo todo;

- Pouca flexão dos joelhos, o que diminui a amplitude das passadas, fazendo com que a mesma distância necessite de muito mais passadas para ser vencida e aumente o impacto repetitivo sobre as articulações;

- Falta de coordenação entre braços e pernas, lembrando que os braços devem sempre estar a favor da movimentação, na amplitude e angulação correta para favorecer o deslocamento a frente e ajudar na economia de energia e eficiência dos movimentos;

- Falta de fortalecimento da região do core, afinal o centro do corpo é o que rege todos os movimentos e um centro fraco com certeza vai prejudicar toda a corrida pela falta de estabilização central.

Extrato da semente do Cupuaçu pode inibir ou diminuir a cárie



Após passar seis meses no Departamento de Odontologia Restauradora na Universidade de Illinois, em Chicago (USA), conduzindo pesquisa relacionada à avaliação do potencial do extrato da semente do cupuaçu na remineralização da dentina induzida à cárie artificial, a professora do curso de Odontologia da UEA, Mirela Sanae Shinohara, constatou que o extrato da semente do cupuaçu apresenta componentes antioxidantes, podendo inibir ou diminuir a progressão da cárie. 

A pesquisa faz parte dos estudos de pós-doutorado da pesquisadora.O estudo rendeu um prêmio à pesquisadora (International Association for Dental Research fellowship Toshio Nakao 2009). 

Promovido a cada 2 anos e entregue ao candidato que apresentar o melhor projeto relacionado à Biomateriais. Otimista, a pesquisadora acredita que a pesquisa aplicada poderá evitar ou impedir a progressão da cárie.

- Com certeza, isso irá reduzir o índice de prevalência da doença, e indiretamente, o número de pacientes com este problema, destaca.

Pesquisa

Mirela conta que foram seis meses de pesquisas também com outras plantas e frutas que apresentam um efeito benéfico sobre a matriz de colágeno presente na dentina. 

- O dente apresenta esmalte e dentina. O esmalte, estrutura mais mineralizada, cobre a coroa do dente e a dentina fica na parte interna e é menos mineralizada, é uma estrutura que apresenta os túbulos dentinários e o material orgânico (fibrilas colágenas), disse, acrescentando que a cárie é justamente uma das alterações nessa estrutura dental.

Acesse nosso twitter.

O extrato da semente da uva, explica Mirela, apresenta componentes antioxidantes, chamados polifenóis, possuem efeitos benéficos sobre a matriz de colágeno da dentina, podendo inibir ou diminuir a progressão da cárie.

- Dessa forma, alguns trabalhos mostram que o extrato da semente do cupuaçu também apresenta esses componentes, compara.

Mirela afirma que pretende continuar os estudos no Brasil, em parceria com outros centros e mesmo com as universidades americanas.

- Provavelmente poderemos desenvolver estudos não só com o cupuaçu, mas com outras plantas e frutas amazônicas que são ricas fontes em nutrientes e suplementos para a saúde em geral e a UEA é uma universidade em desenvolvimento e com alto potencial para o desenvolvimento dessas pesquisas, finaliza. (JK)

Doença de Pott ou tuberculose vertebral



mal de Pott (ou doença de Pott ou tuberculose vertebral) é uma formade apresentação de tuberculose extrapulmonar, onde a coluna vertebral é afetada. A doença foi descrita em 1799, por Percivall Pott (1714-1788), um cirurgião londrino. É mais comum atingir as vértebras T8 à L3. A doença começa no corpo vertebral anterior. O disco adjacente é envolvido, levando a um estreitamento do espaço entre os discos e herniação. Eventualmente a vértebra colapsa e porção anterior leva a uma cifose e/ou escoliose. As estruturas vertebrais posteriores (pedículos, espinha) são raramente envolvidos. Abscessos são formados adjacentes à coluna vertebral, e calcificação é patognomônico de tuberculose.

Os sinais e sintomas são: dorsalgia, febre, suor noturno, anorexia, perda de peso e dormência, formigamento e fraqueza muscular em membros inferiores.

O diagnóstico de dá por exame de sangue, PPD (purified protein derivative), radiografia da coluna vertebral, tomografia computadorizada da coluna vertebral, biópsia óssea e ressonância magnética.

O controle da disseminação da tuberculose pode prevenir o Mal de Pott. Pacientes que tiveram o teste PPD (teste cutâneo com injeção de tuberculina) positivo (mas não tuberculose ativa), podem ter seus riscos diminuídos com a utilização de medicamentos que previnem a tuberculose. Para o tratamento efetivo da tuberculose, é crucial que os pacientes tomem suas medicações exatamente como prescrito. O tratamento se dá por drogas antituberculosicas, analgesicos, imobilização da coluna vertebral e cirurgia, se necessária.

As complicações tardias são: colapso vertebral resultando em cifose, compressão do cordão espinhal, formação de sinus e paraplegia.

Asma e natação


Um estudo da Universidade Médica de Taipei, em Taiwan, confirma o que muitos médicos já acreditavam e indicavam para seus pacientes: a natação pode ser uma abordagem não-farmacológica eficaz para crianças e adolescentes com asma.
De acordo com os autores da pesquisa, além de não provocar ataques de asma, como ocorre com outros esportes, a natação “promove um desenvolvimento físico e psicológico normal, incluindo o aumento do volume dos pulmões e o desenvolvimento de boas técnicas de respiração”.

Os pesquisadores dividiram crianças com idades entre sete e 12 anos em dois grupos – um participou de um programa de natação por seis semanas, além do tratamento regular da asma, e o outro fez apenas o tratamento convencional. Todas as crianças apresentaram melhora significativa em vários aspectos, como sintomas gerais, número de visitas ao médico, ronco, respiração pela boca e autoconfiança. Porém, aqueles que fizeram natação tiveram melhores resultados e benefícios adicionais no condicionamento físico.

“A natação é não apenas uma excelente forma de exercício para as crianças com asma. Seus benefícios para a saúde continuaram a ser observados por pelo menos um ano após a conclusão do programa de natação”, destacaram os autores. Por isso, eles recomendam que os médicos considerem a natação como uma abordagem complementar ao tratamento convencional da asma.

Video sobre Nucleoplastia


Artrose a coluna lombar



Também chamada osteoartrite. É a degeneração da cartilagem articular e da porção óssea protegida por ela (osso subcondral). É a manifestação reumática mais comum, com incapacidade física, aumentando a incidência com o decorrer da idade, atingindo 80% da população acima dos 55 anos.

Nas articulações normais as extremidades ósseas que se articulam são revestidas por cartilagem articular, espessa, elástica, que amortece os choques, lubrificada pelo líquido sinovial viscoso, que facilita os seus movimentos.

A cartilagem articular sofre agressões que produzem substâncias (interleocina l - fator de necrose tumoral) que lesam a cartilagem. As citadas lesões estimulam elemento de reposição (fatores de crescimento dos fibroblastos) e protetores da cartilagem. Quando os fatores de destruição são mais intensos a cartilagem articular sofre alterações progressivas, diminuindo a elasticidade e, portanto o amortecimento de choques intensificando as lesões com formação de zonas de destruição, fragmentação, erosões com perda da cartilagem. São várias as agressões que atingem a cartilagem articular:

- l - Traumatismos pouco intensos e repetidos (ex: caminhadas). Atingem o osso subcondral diminuindo a capacidade de absorção dos choques levando à degeneração da cartilagem;

- II - Esforço mecânico repetitivo com modificação da estrutura do colágeno II;

- Ill - Com a idade existem alterações na capacidade da cartilagem articular de amortecer os choques;

- IV - A obesidade submete as articulações que sustentam o peso do corpo a maior sobrecarga;

- V - Inflamação pela resposta antigênica da cartilagem articular demonstrada pelos fatores inflamatórios na própria cartilagem.


ARTROSE COLUNA VERTEBRAL

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da AO baseia-se em achados clínicos e radiológicos. Os exames de laboratório raramente apresentam alterações de importância; a velocidade de hemossedimentação pode estar discretamente elevada.

Radiologia

Permite o reconhecimento dos achados macroscópicos. Kellgren estabeleceu critérios radiológicos para o diagnóstico da AO:

- Presença de osteófitos
- Diminuição do espaço articular
- Esclerose subcondral


DEFORMIDADES

É necessário ter presente que a identificação de alguma das alterações radiológicas citadas não significa necessariamente que o paciente apresente quadro clínico, uma vez que existe dissociação clínico-radiológica em aproximadamente 40% dos casos.


ARTICULAÇÃO NORMAL

- Osso subcondral
- Espaço Articular
- Bordo ósseo


ARTROSE

- Esclerose subcondral
- Redução de espaço
- Osteófíto


A) CERVICAL

São comuns os processos degenerativos devido a desproporção entre o peso da cabeça e o tamanho pequeno dos discos e articulações intervertebrais, freqüente em C-5, C-6 e C-7. Apresentam vários sintomas dependendo da localização da lesão, como: dor na região temporal ou mandibular, ruídos auditivos, rigidez do pescoço, dores de cabeça com vômitos e distúrbios visuais. De acordo com a lesão da raiz do nervo há irradiação das dores para os ombros e as sensações nas mãos, mais acentuadas pela manhã ou durante o sono, de cãibra, dormência, formigamento, prurido, sudorese, atrofia muscular das mãos. Os osteófitos do corpo vertebral podem fazer compressão no esôfago e traqueja com rouquidão e tosse.


B) LOMBAR

São freqüentes provocando dor lombar crônica, que aumenta com os movimentos e alivia com o repouso. Localizam-se nas últimas vértebras lombares e nos discos que sofrem pressões quando estão mal sentados ou pelo excesso de peso corporal, principalmente pela proeminência abdominal (barriga). A dor se irradia para a virilha, nádega, pelo ciático até o pé. 



TRATAMENTO

É basicamente sintomático dirigido principalmente para o alívio da dor e da inflamação secundária. Todo o tratamento deve ser individualizado dentro dos seguintes parâmetros:

- Educação e apoio - visa esclarecer o paciente a respeito de:
- Controle de peso;
- Adequação de hábitos desportivos e atividades profissionais e atividades do dia a dia;
- Controle do excessivo stress articular;
- Terapêutica não medicamentosa - pela aplicação de fisioterapia, (cinesioterapia e hidroterapia, calor etc).
- Terapêutica medicamentosa - pela prescrição e indicação de antiinflamatórios não hormonais
- Tratamento cirúrgico - indicando nos casos de graves deformidades articulares incapacitantes.
- Terapêutica condroprotetora - seu papel na terapêutica da osteoartrose humana ainda não e consensual na literatura médica.


TRATAMENTO GERAL

Uma vez estabelecido o diagnóstico, deve-se ter certeza de que o paciente e sua família compreendam claramente a natureza crônica e incapacitante da doença (ainda que temporariamente, durante os períodos de maior atividade articular). Quadros depressivos e comportamento passivo freqüentemente São observados no paciente reumatóide e merecem atenção, obtendo-se bons resultados com o uso de antidepressivos.

O objetivo do tratamento é manter a capacidade funcional do paciente e para tanto se deve reduzir a inflamação e a dor, manter a movimentação e força articular, prevenir e corrigir deformidades. A utilização adequada de repouso, drogas antiinflamatórias, talas, fisioterapia e cirurgia ortopédica tem o propósito de preservar a função articular. O repouso, como curtos períodos de descanso durante o dia e noites bem dormidas, é importante adjuvante terapêutico.

O principal sintoma - a dor precisa ser eliminada. No período agudo ou de exacerbação o paciente deve permanecer em repouso absoluto passando logo após para o relativo durante 1 a 2 horas para evitar as atrofias musculares e a rigidez.
Com a regressão da inflamação, movimentar as articulações lenta e suavemente, sem causar dores. Procurar aumentar a amplitude dos movimentos distendendo a cápsula articular e intensificar a irrigação sanguínea para estimular a recomposição da cartilagem articular e fortalecer os músculos e ligamentos que sustentam a articulação. É necessário corrigir os fatores que interferem ou que possam intensificar a artrose, modificando hábitos de vida (suprimindo álcool, fumo); normalizar o diabetes, gota, distúrbios hormonais, defeitos de postura (desvio da coluna); igualar as diferenças dos membros inferiores com palmilhas; usar dieta hipocalórica na obesidade para diminuir a sobrecarga articular e melhorar a sua estabilidade beneficiando a saúde, principalmente se for diabético; usar bengala para maior firmeza na locomoção evitando as quedas.


TRATAMENTO FISIOTERÁPICO

Esta forma de tratamento tem um importante papel em todas as fases da doença. Calor local alivia o espasmo muscular e reduz a rigidez. Exercícios passivos ajudam a prevenir ou minimizar a perda de função. Exercícios isométricos aumentam a força muscular e contribuem para a manutenção da estabilidade articular. Durante a fase ativa da doença exercícios repetitivos não devem ser realizados, enquanto que a imobilização por curtos períodos é útil para reduzir a dor e possível inflamação. O uso de talas noturnas é importante para prevenir contraturas em flexão, especialmente dos joelhos e punhos. Avaliação e orientação da rotina em casa e no trabalho e o uso de adaptadores certamente aumenta a habilidade do paciente em manter atividade.

Sistema muscular da mão



A gravidade de uma fratura na mão, dependendo da região que acomete, determina o inicio do tratamento que pode ser cirúrgico ou não.  Sendo cirurgico ou não é importante para  o profissional que for cuidar da reabilitação e do próprio paciente entender o complexo da mão e dividi-los em sistema ósseo, nervoso e muscular. 

Encontrei navegando pela web um site simples, mas muito bem explicado sobre a anatomia muscular da mão. Saber aonde começa e termina cada músculo para aprender reabilitar movimentos acometidos é essencial para a pronta recuperação. 


Veja o blog sobre Fisioterapia na Ortopedia.

Fazer avaliação física é fundamental


O ano, para muitas pessoas, começa somente após o carnaval. É depois da folia de momo que muita gente começa a colocar em prática os projetos profissionais e pessoais. Entre esse último, está começar uma dieta, iniciar uma atividade física e ganhar mais qualidade de vida.

Quem optar por deixar o sedentarismo de lado ou retornar aos exercícios deve tomar alguns cuidados. Os especialistas afirmam que é preciso fazer uma avaliação física. "É onde tudo começa", frisou o professor de educação física, Eduardo da Silva Jucá. É na avaliação física que o instrutor vai conhecer o aluno e implantar um programa de atividades adequado ao seu perfil.

Embora possa detectar e evitar riscos, muitas pessoas deixam de lado à avaliação física quando iniciam algum tipo de atividade física e acabam começando um programa às cegas.

De acordo com Eduardo da Silva, isso pode trazer algumas consequências negativas para uma pessoa. "Ao invés de colher os benefícios, ele pode adquirir um novo problema", avisou o professor de educação física.

O professor de educação física comenta que aqueles que estão nas academias ou praticando algum tipo de esporte há certo tempo também devem recorrer à avaliação física. Ela, aliás, deve ser feita em um intervalo de, no mínimo, dois meses. "Essa avaliação deve ser feita também no decorre dos exercícios para que os alunos vejam sua evolução e o professor possa acompanhá-lo melhor", disse.

Caminhada reduz níveis de pressão arterial por até 24 horas



Para afastar o perigo da hipertensão, aposte nas caminhadas. Uma pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), da USP, comprovou que a caminhada reduz a pressão arterial na primeira hora e, o que é melhor ainda, essa queda se mantém nas 24 horas subsequentes. 

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia, no Brasil, são 27 milhões de hipertensos com mais de 18 anos e 2 milhões de crianças e adolescentes que enfrentam o problema. 

A pesquisa teve início em julho de 2008 e terminou em outubro de 2009. Foram avaliados 1000 voluntários com idade entre 60 e 75 anos, faixa etária do presidente Lula, que sofreu uma crise hipertensiva recentemente. 

Os pesquisadores explicam que a prática contínua de exercícios pode levar à diminuição gradativa e até ao não uso de medicamentos para os hipertensos leves e, ainda ser um método coadjuvante no tratamento com medicamentos nos casos mais graves. Inicialmente foram selecionados 10% dos idosos como amostragem representativa. Os participantes realizaram uma sessão intensa de 40 minutos de caminhada, seguida de uma sessão de repouso também de 40 minutos. 

Os resultados apontaram que a redução é mais expressiva naqueles com pressão arterial elevada e menor naqueles com pressão arterial normal. O diferencial do estudo, segundo os pesquisadores, é o fato de ter sido analisado o impacto do exercício aeróbico em pista, na modalidade caminhada, e não em esteira e bicicleta ergométrica, como era feito até então. 

Após uma única sessão desse exercício aeróbico, em média, a pressão arterial sistólica, que é o valor mais alto e mede a força do sangue nas artérias, quando o coração se contrai para impulsionar o sangue através do corpo, caiu 14 milímetros de mercúrio (mm Hg) e a pressão arterial diastólica, número inferior que mede a pressão enquanto o coração relaxa para se abastecer de sangue, caiu 4 milímetros, ou seja, de 13 por 9, por exemplo, passou para 11 por 8. E, após 24 horas, essa pressão continuou reduzida em 3 milímetros na pressão sistólica e 2 milímetros na diastólica. 


Hipertensão entre idosos
Segundo o médico geriatra Eduardo Ferrioli, professor da FMRP, que participou do estudo, a pressão arterial é uma das doenças de maior prevalência entre os idosos, chegando a quase 50% de alcance na faixa etária. Para ele, uma das causas do agravamento dos casos é o estresse diário. 

"Uma rotina mais tranquila e hábitos saudáveis, como diminuir a quantidade de sal e manter o peso, ajudam muito no controle e até para a cura da hipertensão", explica. 

Fonte: MinhaVida.com.br

Bola Suiça na hemiplegia por AVC



Quando uma pessoa tem um acidente vascular cerebral, seja hemorrágico ou isquêmico, a principal incapacidade física é a hemiplegia, definida como paralisia ou paresia de um lado corporal.
Os sintomas são resultantes de uma lesão em um hemisfério cerebral afetando um lado contra-lateral do corpo, e o desenvolvimento de sintomas de hemiparesia e/ou disfasia é rápido, com quadro inicial de hemiplegia flácida, evoluindo para espasticidade. Outras incapacidades decorrentes do AVC podem ser problemas de percepção, cognição, sensórias de comunicação que precisam ser considerados no tratamento.
A atuação do fisioterapeuta é nos sistemas cardio-respiratório, osteo muscular e neurológico, buscando avaliar o grau de incapacidade física do paciente e atuar buscando uma melhora na sua
qualidade de vida em cima do resultado da avaliação.
Os principais objetivos são: preservar a função motora retardando ou minimizando as instalações
das incapacidades; tratar as alterações e os sintomas provenientes do AVC e problemas associados; e reabilitar o paciente dentro das suas potencialidades.
Para o tratamento de hemiplegia, a Fisioterapia dispõe de uma variedade de recursos, tais como a cinesioterapia, exercícios respiratórios, crioterapia, hidroterapia, Método de Kabat, reeducação postural, mobilizações passivas, dentre outras técnicas, visando a restauração dos déficits motores e respiratórios, promovendo o retorno da função e a sua independência.
A Bola Suíça vem sendo utilizada no tratamento
neuroevolutivo há cerca de 40 anos. Atualmente, a bola vem sendo aplicado em várias afecções
neurológicas, ortopédicas e na terapia intensiva. Pode ser de uso adulto ou pediátrico, a nível ambulatorial, hospitalar e até domiciliar. Durante um atendimento com o uso da Bola Suíça, o fisioterapeuta deve permanecer ao lado do paciente, assim como a superfície para o trabalho deve ser adequada, com o solo firme e anti-deslizante. Podem ser utilizadas nas modalidades global e analítica, com o objetivo de facilitação do aprendizado motor.
A técnica analítica visa especificamente um músculo ou grupo muscular envolvidos em determinado movimento e é utilizada quando se pretende aumentar a força e o trofismo
muscular. A técnica global dirige-se aos diversos músculos de uma cadeia cinética motora e encontra-se mais próximo das atividades funcionais da vida diária.
A Bola Suíça pode ser utilizada como um recurso adicional no tratamento das incapacidades funcionais nos pacientes neurológicos, pois busca recuperar as atividades motoras de forma globalizada, tendo se tornado um instrumento terapêutico muito aceito, não só nos departamentos de Fisioterapia, mas também entre os personal trainers e pessoas que buscam um estilo de vida saudável.
O trabalho cinesioterápico com a Bola Suíça visa reeducar a flexibilidade e as alterações musculares, possibilitando uma terapia relaxante, melhorando de forma gradativa, as disfunções pulmonares, equilíbrio, coordenação e força muscular.

Dores no nervo ciático



Quem já teve dores no ciático não esquece, e muitas mulheres tem essa dor, que incomoda muito, pois são dores latejantes para andar ou simplesmente permanecer sentado. Ele é o maior nervo em nosso corpo, ele inicia nos últimos espaços entre as vértebras da coluna lombar e se ramifica até os membros inferiores, passando pela bacia. E esse é o caminho por onde a dor se irradia. Em geral, o desconforto é tanto que alguns movimentos, como levantar chegam a travar, fazer caminhada normalmente fica complicado, qualquer coisa que tente não facilita e nem diminui a dor.

A compressão do nervo resulta a dor, e como em caso de hérnias de disco ou por ficar com a postura errada, e a dor no ciático piora ou melhora com alguns movimentos e ou posições, diferente da cólica renal que é constante e não melhora nas mudanças de posições.

Uma das causa da dor do nervo ciático é a hérnia de disco, que é o deslocamento da substância gelatinosa que age como uma "almofada" entre diferentes vértebras que integram a coluna. Os discos formam hérnias por enfraquecimento, sobrecargas ou movimentos bruscos. Além da hérnia o problema também pode ser causado por uma afecção artrítica das vértebras ou um tumor. Dores semelhantes às causa das pelo nervo ciático podem ser sintomas de outras doenças, o que exige consulta médica para o diagnóstico e tratamento adequado.

Para as dores no nervo ciático não existe uma causa especifica, pode ser resultado da obesidade, do sedentarismo, da má postura, de desvios posturais e até de uma artrose degenerativa.

O exame para saber se é ciático, em primeiro lugar é feito o teste de Lasegue, em que o paciente fica deitado e um dos membros inferiores (perna) é levantado. E a dor aparece quando o membro atinge um ângulo de 30° com a maca. Há também a possibilidade de um exame radiográfico para verificar o nível de compressão do nervo, mas o principal exame é a Ressonância Nuclear Magnética.

Os métodos têm como principal finalidade melhorar as dores no ciático envolve a descompressão do nervo. Para dar fim ao drama, há a possibilidade de tratamentos cirúrgicos e não-cirúrgicos. O método cirúrgico, com melhor evolução do paciente após o procedimento, é o chamado artrodese, que consiste em fixações com parafusos e hastes para abrir espaço na região da compressão do nervo.

Para cada caso terá um método, se tem hérnias de disco e em grande volume e apertam o nervo, o método mais recomendado é a cirurgia. Porém, mesmo que a operação seja o melhor caminho, ainda assim há restrições. Se ainda tiver obesidade mórbida, pessoas com problemas de coagulação ou quando há contra-indicação clínica, do ponto de vista cardiológico, nesse caso tratamento não cirúrgico sempre será o melhor indicado.

Mas se não deseja ir para o bisturi, tem o pilates uma técnica mais procurada e efeciente, mas ela é um pouco diferente da que é feita nas academias. O exercício deve ser acompanhado por profissionais fisioterapeutas e direcionado para resolver esse problema, e a recuperação é lenta e os resultados aparecem cerca de um mês após o início do tratamento. E o cirúrgico apresenta um resultado mais rápido, porque ocorre a descompressão total da hérnia discal.

O repouso é o melhor remédio para a inflamação do nervo ciático. A dor também pode ser atenuada com uma postura que relaxe o nervo, como a flexão dos joelhos, como as costas bem apoiadas em uma superfície plana e moderadamente rígida. Os ataques do nervo ciático devido à hérnia de disco pode prolongar-se por várias semanas e, neste caso, o médico sugere repouso e, de acordo com a intensidade da dor, antiinflamatórios e compostos vitamínicos do grupo B.

Os especialistas aconselham para diminuir as dores no nervo, e antes que você não suporte, faça em reeducação alimentar (para evitar o sobrepeso) e exercícios físicos para eliminar a sobrecarga e não prejudicar a postura. Você deve fazer exercícios que reforcem as musculaturas do abdômen, lombar e glúteos, alem claro de pilates. Procure evitar cadeiras que permitam movimentos exagerados, como aquelas que arcam demais para atrás. A cadeira ideal não precisa ser a mais desconfortável da loja, mas tem assento firme e o encosto reto. E a noite na cama procure dormir de barriga para cima, use também um apoio, como uma almofada, para ser colocado atrás dos joelhos e não forçar o nervo.

Você já acessou o blog sobre Hérnia de Disco hoje?

Musculação e Lombalgia