Derrame da lucidez






Ligamentoplastia de LCA



As lesões do LCA ocorrem principalmente durante a prática de desportos como futebol, basquetebol e esqui, nos quais o pé está fixo ao solo e a perna é rodada com o corpo.

A incidência deste tipo de lesões tem vindo a aumentar no sexo feminino, crianças, adolescentes e adultos com idades mais avançadas. Isto ocorre devido ao maior envolvimento desses indivíduos com práticas desportivas colectivas e que implicam a realização de movimentos de desaceleração brusca e mudanças de direcção. Se compararmos homens e mulheres de uma mesma faixa etária que praticam a mesma actividade desportiva, podemos verificar que as mulheres, devido a particularidades anatômicas, hormonais, etc, se tornam mais suscetíveis a apresentar lesão do LCA. Assim, podemos concluir que nem a idade nem o sexo são factores de prognóstico de quem vai desenvolver instabilidade anterior do joelho.

O diagnóstico baseia-se na história e no exame clínico do joelho. Segundo diversos autores o exame físico deve ser iniciado examinando-se em primeiro lugar o joelho sadio dado que assim o doente vai-se sentir mais confiante e seguro quando se partir para a avaliação do joelho lesado.
O exame físico deve compreender manobras de inspecção, nas quais se vai avaliar a marcha, arco de movimento, posições antálgicas, presença de edema, hematoma  e atrofia  muscular (principalmente do quadrícepete). Após a inspecção, passa-se à palpação que tem como objectivo avaliar os pontos de dor, derrames articulares, processos inflamatórios e crepitação local. Depois de concluída a inspecção e a palpação passa-se à execução de testes específicos para avaliação da integridade do cruzado anterior (ex. teste da gaveta anterior).
A ressonância magnética é o exame mais confiável que pode auxiliar no diagnóstico de rupturas ligamentares e de lesões meniscais, no entanto, a sua realização e interpretação necessita de grande experiência.
Em suma, uma boa história com um exame físico completo e detalhado são ainda o melhor método de diagnóstico das lesões do ligamento cruzado anterior, embora os exames complementares auxiliem as informações clínicas.

As lesões do ligamento cruzado anterior ocorrem geralmente após entorses seguidas de derrames, na maior parte das vezes sanguilentos (hemartrose). A sua ruptura é a lesão mais comum nos jogadores de futebol.
O mecanismo clássico de lesão do LCA é de uma torção com o pé fixo no solo (cadeia cinemática fechada), o que provoca uma deslocação da tíbia anteriormente em relação ao fémur. Porém outros tipos de traumatismos também podem levar a lesões do LCA, principalmente durante a pratica desportiva.
O LCA pode ser lesado em toda a sua circunferência ou apenas numa percentagem da mesma. As lesões parciais são frequentes, pois levam a incapacidade temporária podendo ser estáveis e não havendo ruptura na sua evolução.

Fig. 4 -  Mecanismo de Lesão do LCA
Fig. 5 -  Ruptura Parcial e Total do LCA

A ruptura do ligamento cruzado anterior é uma lesão frequente, invalidante e evolutiva, ocupando o tratamento cirúrgico e a fisioterapia um lugar essencial nestes casos.

O tratamento cirúrgico tem apresentado um grande desenvolvimento nos últimos anos, devido ao avanço tecnológico nas alternativas de enxerto e métodos de fixação. O tratamento é realizado através da substituição do ligamento lesado por um enxerto substituto. Este enxerto pode ser uma parte do tendão rotuliano, ou tendões dos isquiotibiais, do próprio paciente ou enxertos de cadáveres (ex.: tendão calcâneano). A sutura directa do ligamento rompido não apresenta bons resultados. O objectivo na cirurgia é colocar o enxerto substituto na localização e tensão do ligamento original. O enxerto pode ser fixado através de parafusos, fios, pinos e arruelas.

Fig. 6 e 7 -  Fixadores usados no tratamento cirúrgico.
Fig. 8 -  Tratamento Cirúrgico

Quando se está perante uma ruptura do ligamento cruzado anterior a prática de desporto não é aconselhada, dado que o joelho encontra-se instável.
O tratamento conservador (não cirúrgico) é executado em pacientes mais idosos, sem a ambição de praticar desporto, e é realizado através da fisioterapia, com fortalecimento dos músculos que ajudam a impedir a anteriorização da tíbia.
A ruptura do ligamento muitas vezes favorece as lesões meniscais, sendo necessário recorrer-se à reconstrução do ligamento antes destas aparecerem. Nestes casos, se possível, o tratamento cirúrgico visa uma sutura da lesão meniscal associada a uma reconstrução ligamentar.
A evolução de uma lesão não tratada do LCA num jovem desportista traduz-se no aparecimento de Artroses (desgaste da cartilagem) vinte a trinta anos mais tarde após a lesão inicial. 

Nas lesões agudas, o exame é difícil devido à dor (de intensidade variável devido à tensão que o edema provoca na cápsula) e ao espasmo muscular. A presença de hemartrose leva à grande suspeita de lesão do ligamento cruzado. Nestes casos, o melhor tratamento é a cirurgia, onde se vai proceder à reconstrução do ligamento. No entanto, após reconstrução do ligamento é fundamental a fisioterapia, actuando com o objectivo de diminuir a sintomatologia apresentada pelo doente. Assim, uma vez que o utente apresenta inflamação, o nosso primeiro passo a dar vai ser no sentido de diminuir essa inflamação, e para tal pode-se utilizar como meio de tratamento o gelo, a drenagem linfática e a elevação. Durante este estádio também podem ser realizados movimentos passivos e activos dentro da amplitude não dolorosa (grau A) e o treino proprioceptivo. Como consequência da intervenção cirúrgica muitas vezes surgem atrofias musculares do quadricipete, isquiotibiais, adutores e abdutores da coxa e por vezes dos gémeos. Quando estas atrofias estão presentes é necessário o fortalecimento desses músculos, assumindo aqui a electroterapia um papel fundamental. Durante o processo inflamatório e enquanto não se restabelece completamente a amplitude de movimento, o uso de muletas torna-se essencial para a descarga parcial do peso. 

Na etapa do tratamento correspondente à lesão crónica, e depois de atingidas as metas anteriores, a actuação da fisioterapia vai ter por base o trabalho muscular, o treino proprioceptivo e a reeducação desportiva.

  1. Fortalecimento Muscular:

O início de um trabalho muscular mais intenso após a fase aguda, visa aumentar a resistência e força dos grupos musculares que cruzam o joelho. Um ênfase maior deve ser dado às estruturas que posteriorizam a tíbia (isquiotibiais e gastrocnémios).
Os exercícios em cadeia cinemática aberta e fechada são excelentes para aumentar a resistência e força dos músculos trabalhados, no entanto, não nos podemos esquecer que os exercícios em cadeia cinemática aberta devem ser executados com muita cautela dado que podem ser agressivos para a articulação fémur patelar. Os exercícios em cadeia cinemática fechada são os mais indicados dado que não provocam a anteriorização da tíbia.

  1. Treino Proprioceptivo:

A propriocepção pode ser definida como a capacidade inconsciente de sentir o movimento e a posição de uma articulação no espaço. No joelho ela é mediada por mecano-receptores situados nas suas principais estruturas como LCA, LCP, ligamentos colaterais, cápsula articular, tendão patelar ,meniscos etc. No paciente com lesão de LCA ao qual se institui um tratamento conservador , deve-se "treinar" o mesmo a usar os mecanoreceptores íntegros, principalmente os capsulares que seriam aqueles, segundo Solomonov, os responsáveis pela co-contraçao dos isquiotibiais e gastrocnêmicos levando a uma proteção do joelho contra os ¨falseios¨.
A propriocepção é inicialmente trabalhada de uma maneira consciente por meio de exercícios de equilíbrio, de postura do joelho no espaço e tempo correcto de atuação dos músculos flexores, etc. A repetição exaustiva deste treino consciente fará com que o mesmo se torne automático, e inconsciente preparando o paciente a usar seus músculos flexores antes de chocar o pé contra qualquer obstáculo, mesmo que com o solo. Existem várias técnicas (como o uso da tábua de freeman, por exemplo) para se trabalhar a proprioceptividade do joelho.  

  1. Reeducação Desportiva:

Todas as actividades desportivas que envolvem saltos, mudanças bruscas de direcção e velocidade provocam um grande stress sobre o joelho com deficiência de LCA, proporcionando com isso oportunidades de aparecimento dos "falseios" de repetição. A mudança de hábitos desportivos competitivos ou não, é talvez o factor mais importante no bom resultado do tratamento conservador da lesão do LCA, para tal, deve-se estimular a prática de actividades desportivas de baixo risco para o joelho como natação, ciclismo, jogging, ou mesmo de médio risco não competitivo como tênis, esqui aquático, etc.
No caso da reeducação desportiva não ser possível de ser executada, as ortóteses também podem fazer parte do tratamento dos indivíduos com lesão do LCA ligados ao desporto, dado que estas bloqueiam a anteriorização da tíbia apenas quando são submetidas a grandes esforços e não quando são submetidas a esforços funcionais.
A possível acção da órtese seria aumentar e melhorar a propriocepção do joelho através da estimulação de mecanoreceptores cutâneos, situados nas suas áreas de apoio. Os pacientes em sua maioria, relatam melhoras funcionais com o uso das órteses, que consciente ou inconscientemente aumentam a atenção do paciente para com o seu joelho, diminuindo assim as oportunidades de novos "falseios".
A reabilitação após a reconstrução do ligamento cruzado anterior inclui o ganho da amplitude de movimento logo no pós-operatório. Aproximadamente 90% dos pacientes terão um joelho normal após a reconstrução.

O tratamento da lesão do cruzado anterior é individualizada, pois depende do grau de instabilidade, lesões associadas, nível de actividade do paciente, idade, demandas no trabalho e condição médica geral.
 

5 dicas para controlar a ansiedade


A ansiedade é um estado caracterizado por medo, apreensão, mal-estar, desconforto, insegurança, estranheza do ambiente ou de si mesmo e, muito freqüentemente, pela sensação de que algo desagradável está para acontecer. Além dos medicamentos convencionais, existem algumas alternativas naturais que podem nos ajudar a controlar a ansiedade. É sobre elas que vamos falar.

1) A forma mais comum de tratar a ansiedade é a prática de exercícios físicos. Praticar exercícios físicos ajuda a lidar com estados de ansiedade porque eleva a produção de serotonina, substância que aumenta a sensação de prazer. Essa alternativa costuma funcionar dependendo da disposição da pessoa, uma vez que nem todo mundo gosta de praticar exercícios.
Caminhar três vezes por semana, por pelo menos meia hora, já pode ajudar a lidar com a ansiedade. O momento da caminhada, além de ser um exercício para o corpo, também pode ser aproveitado para trabalhar a mente, sob a forma da meditação ativa. Quando você anda, pensa. A caminhada de meia hora é um movimento repetitivo e você acaba pensando nos pontos geradores de ansiedade que precisa trabalhar;

2) Pessoas com tendência a ansiedade precisam reduzir o seu estresse diário. Para as que ficam estressadas com mais facilidade recomendo sessões de massagem e acupuntura regulares, além de ioga e meditação. Muitos pacientes com ansiedade se beneficiam também de tratamentos alternativos como a homeopatia e o uso de florais de Bach. A ioga oferece ao praticante a possibilidade de aprender a controlar sua mente e seu corpo. Este controle, que é obtido através de uma combinação de técnicas respiratórias, corporais e de meditação. Tem como resultados o aumento da flexibilidade, fortalecimento dos músculos, aumento de vitalidade e maior controle sobre o estresse. Além da ioga, outra alternativa de controle da ansiedade são as massagens. Se tiverem uma abordagem mais oriental, buscando o equilíbrio emocional, melhor;

3) Para reduzir as reações do sistema nervoso autônomo, devemos fazer o controle da respiração. Isto pode ser feito compassando a respiração e inspirando lentamente pelo nariz, com a boca fechada. Ao inspirar deixar o abdome expandir-se, ou seja, estufar a barriga e não o peito. Depois, expirar lentamente, expelindo o ar pela boca. Isto pode ser feito em qualquer lugar, a qualquer hora. Além disso, quando você estiver em um ambiente silencioso e com possibilidade de ficar deitado, use uma técnica de relaxamento. O relaxamento combinado com a respiração diafragmática, certamente, reduzirá a respiração ofegante, a taquicardia e o tremor;

4) Em situações de ansiedade que se estendem por longos períodos, recomenda-se que a pessoa evite os pensamentos negativos ou catastróficos. Deve-se tentar dimensionar a gravidade da situação, questionando a si mesmo se existe uma forma alternativa de análise, se estamos superestimando o grau de responsabilidade que temos nos fatos ou se estamos subestimando o grau de controle que podemos ter. Uma vez avaliada a situação, devemos substituir os pensamentos sobre o evento temido, principalmente, os negativos por outros pensamentos. Sempre que um pensamento negativo se iniciar, devesse substituí-lo por outro pensamento qualquer, preferencialmente, agradável. Isto certamente não é fácil de ser feito, mas é possível e trata-se de um aspecto importante, pois os pensamentos e as falas negativas agravam a situação, intensificando as respostas autonômicas, como o mal-estar e o descontrole respiratório;

5) Para controlar a ansiedade, podemos ingerir alimentos que sejam fonte de triptofano, um aminoácido precursor da serotonina, como a banana e o chocolate, de forma moderada, para não ganhar peso. Outra possibilidade é ingerir o triptofano em cápsulas, junto com vitamina B6 e magnésio. Outros aminoácidos que podem ajudar são a taurina e a glutamina. Eles aumentam a disponibilidade de um neurotransmissor chamado GABA, que o organismo usa para controlar fisiologicamente a ansiedade. Eles também podem ser ingeridos em cápsulas, mas apenas com a orientação de um médico especialista. Existem ainda os chás. A maioria possui substâncias que funcionam como sedativos suaves e podem ajudar no controle da ansiedade diária. As plantas mais conhecidas e estudadas com essa ação são a passiflora, a melissa a camomila e a valeriana.

Anuncie neste blog


Esse é um blog específico, sobre um determinado assunto. Assunto que liga diversas especialidades de profissões, assim como serviços atrelados.

O leitor de blog deste blog é ávido por informação. Se ele tem uma dúvida, aqui ele procura esclarecer.

Para anunciar nesse blog é simples. Basta mandar uma mensagem pelo formulário abaixo, especificando o blog que há a preferência do anúncio, efetuar o pagamento pelo link que será enviado ou por deposito bancário no Banco do Brasil e escolher ou enviar o formato do banner.

Algumas características dos anúncios:

Opção 1

Tamanho: 160 px por 150 px;
Posicionamento: À direita, parte superior do blog, aonde há uma maior visibilidade para o leitor;
Não é permitido anúncio de cunho pornográfico ou que fira qualquer legislação em vigor, incluindo sites de compartilhamento de arquivos.
Teremos somente dois anunciantes por vez.
O valor do investimento para se fazer esse anúncio mensal é de R$ 20,00 , iniciando no primeiro dia e terminando no último dia do mês. Se quiser optar pelo anúncio trimestral o valor é de R$ 50,00.

Para um mês:



Para três meses:



Mande sua mensagem para qualquer dúvida.

Opção 2

Tamanho: 468 px por 60 px;
Posicionamento: Na parte superior do blog, ao lado do título aonde há uma maior visibilidade para o leitor;
Não é permitido anúncio de cunho pornográfico ou que fira qualquer legislação em vigor, incluindo sites de compartilhamento de arquivos.
Teremos somente um anunciante por vez.
O valor do investimento para se fazer esse anúncio mensal é de R$ 25,00 , iniciando no primeiro dia e terminando no último dia do mês. Se quiser optar pelo anúncio trimestral o valor é de R$ 60,00.
É um anúncio específico, para um público específico. E ainda ganha uma resenha, um post para ser publicado junto ao conteúdo do blog, por tempo indeterminado. Aproveite!

Para um mês:



Para três meses:



Mande sua mensagem para qualquer dúvida.
Seu Nome:
Seu Email:
Titulo:
Messagem:
Imagem (case-sensitive):

Personal Training e o professor



A crescente busca pela melhora na qualidade de vida tem aumentado o número de pessoas interessadas em freqüentar academias. Porém, a falta de motivação, a preguiça e os treinos monótomos são os principais empecilhos para muitas pessoas iniciarem a prática de um exercício físico. Outras vezes a pessoa inicia um programa, mas não consegue ver resultados, principalmente não existe acompanhamento de um profissional habitado. "O papel do personal trainer é essencial neste processo".
 
Personal Training é um treinamento físico individualizado, supervisionado e acompanhado diretamente por um professor de Educação Física. As sua origens remontam aos jogos gregos antes de Cristo e foram ganhando popularidade a partir do final do século passado com maior interesse das pessoas em melhorar a saúde e estética através dos esportes e exercícios físicos em uma sociedade cada vez mais automatizada e sedentária. "Hoje o treinamento individualizado vem se popularizando, firmando-se cada vez mais.
A satisfação do aluno com o serviço precisa ser a nossa maior meta".
 
Entre as vantagens desse treino específico, o personal destaca a possibilidade de criar um treinamento flexível respeitando  o ritmo humor e capacidade do aluno. Além disso, o profissional pode variar e oferecer ao cliente maiores opções de locais para a prática do programa de exercícios, tornando-se um fator positivo pela motivação, comodidade e conforto na adequação das necessidades do cliente ou em seu atendimento diferenciado. Os benefícios a curto, médio e longo prazo são os mesmos de uma prática esportiva feita com regularidade, com o diferencial de oferecer um trabalho com ênfase nos resultados e no prazer. "Para o aluno é um ótimo investimento de médio custo se tratando de prevenção e bem estar"".
 
O que antes era um luxo que poucos poderiam arcar, hoje se dissemina, principalmente pela popularização do serviço e da redução dos custos. Mas é importante lembrar que só um profissional formado em Educação Física, especializado no mínimo em uma dessas modalidades como: fisiologia, biomecânica, treinamento desportivo e personal training e com registro no Conselho Regional de Educação Física (CREF) pode ministrar essas aulas.

"Quanto mais o profissional apurar seus conhecimentos, maior será a sua excelência na prestação de serviços propostos de forma personalizada".

Como é o tratamento de Acupuntura


Certamente você já ouviu falar sobre um método que visa o bem estar através de "agulhadas" pelo corpo. Também já deve ter se questionado quanto aos fundamentos e eficácia desta técnica.
A acupuntura é desenvolvida há mais de 4 mil anos na China, mas só há 10 foi reconhecida como técnica medicinal aqui no Ocidente. O método consiste em espetar agulhas de fina espessura (chegam a ser 50% mais finas que as agulhas utilizadas em injeções) em pontos específicos do corpo com o objetivo de aliviar determinado tipo de desconforto.
Um estudo feito pelo Instituto Kioshi e Makoto de Terapias Orientais, no Rio de Janeiro, constatou um crescimento no número de mulheres que recorrem à acupuntura para tratar problemas como enxaqueca.
De acordo com o levantamento feito nas cinco unidades do centro médico, de 20 de maio a 20 de junho deste ano, 80% dos pacientes que buscam alívio para a cefaléia através das agulhadas são mulheres de 17 a 30 anos. O problema é três vezes mais recorrente no sexo feminino devido a fatores relacionados ao sistema produtivo e mudanças hormonais.
O diretor do Instituto e professor de medicina oriental, Kioshi Kikuti, explica que a acupuntura é bastante eficaz no tratamento para dor de cabeça e que os pontos espetados variam conforme a causa das dores. "Primeiro é importante descobrir a procedência da cefaléia. A medicina alternativa acredita que a dor de cabeça está ligada a um problema físico, como por exemplo, dor na coluna, ou ligada à parte tensionária, visto que 80% da população sofrem de tensão atualmente", explica ele.
Segundo Kioshi, a dor é um sinal de que o problema já está em estágio avançado ou crônico. Por isso, na maioria das vezes, são necessárias diversas sessões para atenuá-la. Para o tratamento da cefaléia, em média, são necessárias 10 sessões, sendo que na terceira já é possível ver uma melhora.
A primeira consulta, em que é feito o diagnóstico e a primeira aplicação, custa R$80. As demais sessões custam, em média, R$50.
O objetivo inicial é minimizar a dor, mas a medicina oriental trabalha muito com a prevenção, explica Kioshi. "Primeiro vem um trabalho mais profilático e depois o preventivo. A gente sempre orienta que o paciente volte uma vez a cada três meses. A pessoa não fica livre de uma dor de cabeça para o resto da vida, por isso o acompanhamento é importante", completa ele.
Ao aparecerem os primeiros sinais de enxaqueca, deve-se pressionar firmemente o ponto IG4 ou "grookoku" (entre o dedo indicador e polegar), por três segundos. O próximo passo é intercalar o aperto nas duas mãos, em uma série de vinte vezes.
Outro truque ensinado por Kioshi é pressionar com o polegar o ponto central da cabeça durante cinco segundos e também os pontos ao lado dos olhos, em movimentos circulares, no sentido horário. Quando a dor de cabeça estiver suave, o conselho do especialista é massagear a cabeça com leves batidas para estimular

A Importância dos Dentes de Leite


Os dentes decíduos ou "dentes de leite" como são comumente chamados, são assim denominados em decorrência de sua coloração branco-leitosa. Um outro aspecto a ser observado corresponde à origem da palavra decíduo, que origina-se do latim deciduu e significa caduco, aquele que vai cair. Ou seja, os "dentes de leite" seriam dentes da primeira dentição, cuja principal responsabilidade seria "guardar" espaços para os dentes permanentes.

Todavia, apesar dos avanços observados no campo odontológico, no que se refere a materiais e técnicas restauradoras inovadoras, muitos pais não reconhecem a importância em se ter dentes decíduos para alcançar uma condição de saúde geral adequada e, principalmente, apresentar uma dentição permanente saudável.

Na realidade, o que se observa, de maneira geral, é que não existe, por parte da população, e grande parte dessa culpa cabe a nós profissionais, cirurgiões-dentistas, uma maior educação com a saúde bucal como parte integrante da saúde geral do indivíduo. Portanto, imagina-se que os "dente de leite" por serem temporários, isto é, irão "cair", dando lugar a dentes novos, bonitos e maiores, não necessitam de cuidados, sejam eles preventivos ou restauradores, e que os seus sucessores, no caso os dentes permanentes é deverão receber os cuidados necessários,

E não adianta pensarmos que se trata apenas da população local (paraibana), mas sim da grande maioria da população brasileira, independente do credo, raça ou classe social, visto que é fato comum "madames" nos procurarem aflitas, trazendo-nos seus filhos pequenos ao consultório e nos depararmos com um quadro de "cárie de mamadeira", que se caracteriza pela presença de vários elementos atingidos por cárie, tendo como fator etiológico principal, hábitos alimentares e de higiene incorretos. Ou seja, pais que mesmo possuindo nível de instrução maior do que a grande maioria, apresenta nível de educação odontológico baixo.

Portanto, cabe a nós, profissionais de saúde, dentistas ou não, mudarmos esta mentalidade e, em especial, aos odontopediatras e pediatras, instalando nas crianças, bem como nos seus pais, atitudes positivas para que desenvolvam, e acima de tudo, estabeleçam hábitos corretos de higiene (escovação, uso do fio dental, flúor, etc...) e, principalmente, incurtir uma mentalidade preventiva, onde a saúde bucal seja vista como parte integrante da saúde geral e não como fator isolado.

Exemplo de cirurgia de coluna


Terapias alternativas para dores na coluna






Tui Na


Ficamos muito satisfeitas quando, com uma só medida, solucionamos vários problemas que parecem meio emperrados, não é mesmo? A resolução tem aquele gostinho de alívio, motivação e faz pensar que, a partir daí, tudo vai se desenrolar mais facilmente.

Que tal então, transferir essa situação para algo que nos preocupa bastante e que deve estar sempre entre as nossas prioridades: saúde e bem-estar? Pense num método que consegue, ao mesmo tempo, equilibrar as funções do organismo, acelerar o processo curativo das doenças que já se manifestam em nosso corpo, além de relaxar física e emocionalmente, harmonizando nossas vidas.

Parece muito? Inalcançável? Pois pode esquecer esses rótulos. Essa prática existe e é muito, mas muito antiga. Trata-se da tui-na, uma espécie de massagem terapêutica pertencente à Medicina Tradicional Chinesa: "A tui-na é o mais antigo e completo método da sabedoria oriental. Ela foi o início de tudo, auxiliando inclusive a fundamentar outras técnicas como a acupuntura e o shiatsu", explica Helena Peirão, coordenadora do espaço terapêutico Shamash, em Itacaré, na Bahia.

Com esse método abrangente, os especialistas mobilizam o sistema imunológico e podem até mesmo curar problemas nos músculos, articulações, ligamentos, disfunções circulatórias, distúrbios digestivos e intestinais, além dos males com fundo emocional como a insônia e a depressão. E quer saber mais? É uma delícia!


Conheça as oito principais manipulações da tui-na:

- Tui - aplicação de uma pressão com as mãos ou dedos sobre um ponto específico da acupuntura
- Na - de pegar a pele e seus tecidos subjacentes, como se fosse uma massa. Deu origem à palavra massagem
- Zhua - dar leves beslicões na área massageada
- Mo - friccionar as mãos ou os dedos contra a pele da paciente
- Anmo - bater de forma suave e rápida, utilizando mãos e punhos
- Zuan - movimentos rotatórios sobre a pele ou membros
- Gun - rolar o punho ou a mão sobre a pele
- Shen - puxar uma parte do aparelho locomotor, alongando sua musculatura
Durante as sessões de tui-na, os terapeutas também podem lançar mão de coadjuvantes para auxiliar no tratamento. Nessa aplicação, a especialista utiliza o mesocarpo do coco de babaçu, um pó que melhora a circulação sangüínea e promove a desobstrução energética. É comum também o uso do bastão de moxa, de argila e de emplastros à base de gengibre.

Ensinamento secular
Em chinês, "tui" significa pressionar e "na" amassar. Por conta disso, acredita-se que já os povos primitivos, mesmo sem saber, utilizavamse dessa prática para tratar males do corpo.

As mãos, instrumentos-chave dessa forma de massoterapia, são um dos "remédios" mais antigos da humanidade. Quando ainda não existiam os medicamentos, os povos usavam medidas instintivas para tentar sanar seus problemas, massageando e esfregando as mãos no outro, assim como se faz na tui-na.

Mas, como já mencionado, foi no Oriente que a técnica se fundamentou. Os chineses contam com esse método há cerca de cinco mil anos, porém, somente em 1980, criaram o Comitê Nacional de Tui-Na, que reuniu todas as bases da técnica.

O intuito era organizar os conhecimentos existentes, sem atingir as particularidades de cada uma das escolas que foram surgindo no decorrer dos anos. Em 1990, a Enciclopédia de Massoterapia Chinesa foi publicada. Nela encontram- se todos os preceitos da tui-na.


Físico, mental e energético


O mais relevante diferencial da tui-na, em comparação às outras massagens existentes, é que ela utiliza como princípio a estimulação dos meridianos de energia e dos cinco órgãos principais: coração, rim, pulmão, estômago e fígado.

"No shiatsu também há a base nos meridianos, mas é diferente. Ele é, praticamente, uma acupuntura com as mãos. Na tui-na, o processo é muito mais intuitivo. O terapeuta vai percorrendo os caminhos da energia vital no nosso corpo, escorregando pelos meridianos, desobstruindo os canais. É um trabalho mais amplo", diz Helena.

Nessa massagem, o especialista usa os dedos, mãos, antebraços e cotovelos para realizar mais de cem manobras específicas entre rolamentos, fricções, pinçamentos e ondulações. De pronto, são trabalhados os músculos e as articulações.

O sistema nervoso, responsável por coordenar a atividade muscular, monitorar os órgãos, construir e finalizar estímulos de nossos sentidos, também é favorecido: "Os problemas que envolvem a musculatura e as articulações, como tendinite, ruptura nos ligamentos e aparelho locomotor debilitado se beneficiam muito", explica a Monica Soyoko Yano, terapeuta do Spa da Alma, em Atibaia.

Além disso, as manobras auxiliam a circulação sangüínea, irrigando os órgãos e tecidos que são estimulados a funcionar de forma equilibrada. Daí vem o alívio de dores físicas e da enxaqueca, por exemplo.

Vale lembrar que o sistema linfático é impulsionado, auxiliando a liberação de toxinas e ajudando a perda de peso, por amenizar a retenção de líquidos.

Uma vez que faz parte da Medicina Tradicional Chinesa, essa vertente da massoterapia não poderia deixar de se preocupar com o fluxo energético do nosso corpo: "A massagem funciona como uma verdadeira desatadora de nós. Por meio das manipulações, vamos localizando as obstruções nos canais de energia vital (Qi) e trabalhando-as, para que elas circulem de forma adequada e não comprometam nenhuma parte do corpo", enfatiza Helena.

Ela explica que, na tui-na, é empregado o conceito do yin e yang: "A pessoa precisa estar em equilíbrio com esses conceitos. O yin revela uma pessoa muito ligada ao interno, introspectiva e deprimida. Já o yang mostra alguém que está preocupado demais com o externo, que acaba esquecendo de si mesma. "Nenhuma dessas dualidades é positiva ou negativa, tem que existir um ponto intermediário".

Informações que podem ajudar a diagnosticar os problemas, bem como definir em qual dos perfis o paciente se encaixa, vêm de várias formas. No geral, o especialista utiliza um questionário para levantar fatos importantes e marcantes da vida do atendido, a chamada anamnese.



É comum também a utilização da pulsologia e a verificação dos sinais do corpo: "Através da palpação do pulso do paciente é possível saber se ele tem excesso ou insuficiência de energia. Todas as manifestações externas também são úteis ao diagnóstico. Irritabilidade, sensibilidade exagerada, marcas, tudo isso sinaliza deficiências e indica caminhos", diz Monica.

Incontestável é também o efeito relaxante da técnica: "É um momento em que a paciente pode se livrar do estresse, entrar em contato consigo mesma, se sentir bem". Sabemos que os desequilíbrios emocionais acabam desencadeando as chamadas doenças psicossomáticas, por isso, a necessidade de promover o bem-estar e aquietar a mente.

"O ideal é que a tui-na seja empregada como método preventivo continuamente, se possível. Equilibrando as funções orgânicas e as nossas emoções, reduzimos a incidência das doenças", finaliza Monica


Sem restrições

Todo mundo pode usufruir dos benefícios e da sensação prazerosa provenientes da tui-na, mesmo as crianças e as mulheres em estado de lactação.

Você sabia?
Na China, um massoterapeuta habilitado a atuar com tui-na cursa seis anos de universidade, assim como nossos médicos.

Tenha um dvd explicando movimentos da massagem Tui-Na. Clique aqui

Ioga contra depressão e ansiedade


A descoberta é de um dos maiores e mais importantes centros de pesquisa do mundo, a Universidade de Boston, nos Estados Unidos. E confirma de forma cabal o efeito ansiolítico da ioga. É que as posturas dessa prática, que une alongamento e meditação, agem diretamente no sistema nervoso central, trazendo calma e relaxamento. Por isso, sugere o estudo, merece figurar entre os mais eficientes métodos alternativos contra a depressão e os distúrbios de ansiedade.

Os adeptos da ioga conhecem e propalam esses benefícios aos quatro ventos. Só que pela primeira vez os cientistas relacionaram a prática ao aumento no cérebro dos níveis do ácido gama-aminobutírico, ou GABA, na sigla em inglês, um neurotransmissor que diminui os estímulos nervosos e relaxa as células ali na massa cinzenta. Pessoas com depressão apresentam uma drástica redução na quantidade de GABA, disse à SAÚDE! Chris Streeter, chefe do trabalho americano.

Os pesquisadores compararam pacientes que fizeram as posturas durante uma hora com gente que passou o mesmo período lendo um livro. Logo depois, com a ajuda de exames de ressonância magnética, analisaram o teor de GABA no cérebro dos praticantes. Houve um aumento de 27% depois da sessão, enquanto que nenhuma alteração foi encontrada nos indivíduos do grupo de leitura. "Esse trabalho prova que a prática ajuda a regular os níveis da substância, assim como as drogas, mas sem efeitos colaterais", ressalta Streeter, que é professor de neurologia e psiquiatria.

Um trabalho feito no Brasil pela psicóloga Juliene Azevedo Oliveira na Universidade Católica de Brasília mostra que os resultados são ainda melhores quando se alia o método a sessões de psicoterapia. Durante seis meses a especialista analisou 32 mulheres que foram divididas em três turmas. Na primeira as voluntárias só fizeram ioga. Na segunda, psicoterapia e, na terceira, ambas.

Pesquisas anteriores já davam conta de que a ioga eleva os níveis de serotonina, outro neurotransmissor que também cai em pessoas com depressão, revela Juliene. Então, é de se supor que a soma das duas substâncias serotonina e GABA resulte em uma química natural, praticamente imbatível contra a tristeza sem fim.

A doutora em psicobiologia e pesquisadora da Unidade de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo Elisa Harumi Kozasa é uma entusiasta do uso terapêutico da ioga. Já se sabe que ela funciona como um ótimo complemento dos tratamentos convencionais, aumentando as chances de cura, conta. A especialista destaca que a prática reúne aliados de uma mente saudável, como a atividade física, a meditação e o relaxamento.

Ela tende a funcionar muito bem para quem sofre de depressão leve ou moderada, mas, quando a doença é recorrente ou muito severa, fica difícil sentir os efeitos, ressalva, ponderada. Segundo a tradição da ioga, a depressão e a ansiedade resultam de uma baixa na energia vital do corpo em razão da vida agitada e do estresse.

O método procura despertar a consciência e equilibrar o indivíduo para reabastecê-lo, explica a professora Nicole Witek, do Centro Respire Yoga, de São Paulo, que se especializou no tratamento da depressão. A procura no Brasil tem crescido a cada ano. Segundo estimativas da União Internacional de Yôga, hoje são mais de 5 milhões de adeptos no país.

Anatomia da articulacao do cotovelo



A articulação do cotovelo é um gínglimo ou articulação em dobradiça. Possui três articulações: úmero-ulnar, entre a tróclea do úmero e a incisura troclear da ulna, úmero-radial, entre o capítulo do úmero e a cabeça do rádio e rádio-ulnar proximal, entre a cabeça do rádio e a incisura radial da ulna.

As superfícies articulares são reunidas por uma cápsula que é espessada medial e lateralmente pelos ligamentos colaterais ulnar e radial.

Cápsula Articular - Circunda toda a articulação e é formada por duas partes: anterior e posterior. A parte anterior é uma fina camada fibrosa que recobre a face anterior da articulação. A parte posterior é fina e membranosa e consta de fibras oblíquas e transversais.

Ligamento Colateral Ulnar - É um feixe triangular espesso constituído de duas porções: anterior e posterior, unidas por uma porção intermediária mais fina.

Ligamento Colateral Radial - É um feixe fibroso triangular, menos evidente que o ligamento colateral ulnar.

A articulação rádio-ulnar proximal é uma juntura trocóide ou em pivô, entre a circunferência da cabeça do rádio e o anel formado pela incisura radial da ulna e o ligamento anular.

Ligamento Anular - É um forte feixe de fibras que envolve a cabeça do rádio, mantendo-a em contato com a incisura radial da ulna. Da borda inferior do ligamento anular sai um feixe espesso de fibras que se estende até o colo do rádio, denominado ligamento quadrado.

Vista Anterior das Estruturas Articulares do Cotovelo
Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Vistas Lateral e Medial das Estruturas Articulares do Cotovelo
Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Vistas Anterior e Posterior das Estruturas Articulares do Cotovelo
Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

História da Cromoterapia


Os papiros contam que o Deus Thot era o mestre das cores, e que ele as utilizava com a finalidade de curar e de despertar as faculdades espirituais. A cor amarela de Ísis estimulava o mental, enquanto que a cor vermelha de Osíris aumentava a força vital.

Cromoterapia na China
Os chineses da antiga China utilizaram sobretudo as cores no diagnóstico das pertubações da saúde e na dietética. O diagnóstico chinês compreende quatro fases importantes: a observação, a auscultação, o questionário e a palpitação. Na fase importante da observação, o prático nota cuidadosamente a tez e as colorações do rosto:


- o excesso de vermelho corresponde a uma pertubação do coração;
- o excesso de amarelo corresponde a uma pertubação do baço;
- o excesso de branco corresponde a uma pertubação dos pulmões;
- o excesso de negro ou escuro corresponde a uma pertubação nos rins;
- o excesso de verde corresponde a uma pertubação do fígado.

As 5 cores patológicas ligam-se a teoria chinesa dos 5 elementos: a madeira, o fogo, a terra, o metal e a água.
Como na Índia, a China desenvolveu um sistema completo de yoga corporal e energética chamada Chi Kung. Os mestres dessa arte dizem que, num certo nível de prática, certas cores aparecem diante das pálpebras fechadas. Essas cores tem uma significação; elas indicam os problemas físicos ou mentais do praticante. É razoável pensar que foi dessa maneira que foram descobertas certas propriedades terapêuticas das cores. Nesse método dos Chi Kung, as cores também são utilizadas em visualização, usando certos circuitos definidos no interior do corpo e, em particular, os meridianos "curiosos" da acupuntura chinesa.

Cromoterapia na Grécia e no Império Romano
A helioterapia (ou método de cura pelos raios solares) era muito utilizada pelos terapeutas dessa época; infelizmente, restam poucos documentos precisos sobre as práticas exatas, da mesma forma que sobre as medicinas druídicas e sobre as dos índios da América do Sul, que também usavam as cores e sua relação com as posições planetárias do dia do nascimento (astrologia medicinal).

Cromoterapia na Índia
Esse país foi o que melhor contribuiu para a descoberta das leis sutis da cura, e em particular, da cromoterapia. Duas grandes correntes marcaram sua história: a via do Tranta (a da experiência) e a via de Shankara e Patanjali (a da ascese). Esses iogues consideram o homem como uma parte do universo capaz de realizar sua identidade com esse mesmo universo (estado de consciência chamado Samadhi). Nesse estado, numerosos sábios (rishis) dos tempos védicos compreenderam, por intuição, as leis da cura física e mental colocando as bases da ciência médica ayurveda. Essa ciência antiga, ainda pouco conhecida no Ocidente, compreende a terapia das plantas, a dietética, a massagem, as limpezas internas, a respiração, o uso dos sons (nada-yoga), assim como a cromoterapia.
Para os terapeutas hindus, a cor é ao mesmo tempo objetiva e subjetiva. A cor age sobre o corpo sutil do homem num nível de energia que toca ao mesmo tempo o mental e o físico. Esse corpo de energia sutil foi posto em evidência, de uma forma quase científica, pelo pesquisador russo Kirlian, que conseguiu cristalizá-lo sobre a fotografia.
Esse corpo de energia sutil parece estar em íntima relação com o sistema endócrino do homem. O controle desse corpo energético se efetua graças a centros que a tradição chama de chakras. Uma teoria bem próxima da acupuntura chinesa, afirma que a corrente eletromagnética terrestre entra nos chakras dos pés, depois sobe ao longo do sistema nervoso espinhal, onde pára a um certo nível marcando a evolução do indivíduo. Para a tradição hindu, os seres humanos que ultrapassam o chakra da garganta são pessoas muito excepcionais, capazes de se autocurar e de curar os outros. Quanto mais a circulação da energia se relenta nos canais sutis, mais o homem se torna materialista.
De acordo com a medicina tradicional indiana ayurvédica, cada um desses centros de energia pode ser tratado em certas pertubações físicas particulares. Os textos antigos afirmam que as cores e os sons desempenham um papel importante no equilíbrio do corpo sutil do homem e, igualmente, sobre sua saúde."

Fonte de Consulta:
Cores para a Sua Saúde

5 automassagens para zerar as tensões do dia


Trânsito, violência, falta de tempo, instabilidade. Nem sempre é fácil lidar com as pressões do dia-a-dia. Muitas vezes bate o desânimo, a irritação e dá vontade de "jogar tudo para o alto" e recomeçar uma vida mais tranqüila em algum outro lugar.

Combater o estresse, no entanto, nem sempre exige soluções tão drásticas. Em muitos casos, uma simples massagem ajuda a reequilibrar o corpo e a mente. Não tem tempo para visitar um massagista? Entre as diversas técnicas que auxiliam na prevenção e combate ao estresse, a automassagem está, literalmente, ao alcance de suas mãos e é um antídoto contra as tensões.

"O toque das mãos na pele, seja em movimentos suaves ou com mais pressão, é uma excelente maneira de combater o estresse, não só por ativar a circulação e proporcionar o relaxamento muscular, mas também porque o contato físico leva ao autoconhecimento. Além disso, o simples fato de dedicar alguns minutos do seu dia para você mesma já é uma forma de descontrair e relaxar", explica a psicóloga Ana Maria Rossi, presidente da Isma Brasil, associação internacional de controle do estresse.

Se a pele é capaz de revelar a idade e as condições de saúde de uma pessoa, não é de estranhar que, ao massageá-la, influenciamos no funcionamento de todo o organismo, restabelecendo seu equilíbrio.

"A massagem terapêutica equilibra e harmoniza o corpo e a mente. Atua no sentido de desbloquear as tensões corporais, o que produz um efeito imediato sobre as emoções", explica o médico Paulo Luiz Farber, presidente da Associação Brasileira de Medicina Complementar (SP).

Consultamos alguns especialistas que ensinam a seguir exercícios para aliviar os sintomas mais comuns de estresse. Reserve um tempo para você, escolha um local tranqüilo e aconchegante - pode ser durante um gostoso banho de banheira, ou mesmo na cama, antes de dormir - ponha uma música suave e desligue-se de seus problemas.

1. ANGÚSTIA
Aquele aperto no peito combinado com sensações de medo e angústia resultantes do estresse podem ser superados com a ajuda de um exercício de jin shin jyutsu. Esta massagem oriental não se trata de uma técnica, como explicam os especialistas, mas sim da "arte de viver, conhecer e ajudar a si mesma".

Ela trabalha a harmonização do corpo, mente e espírito por meio de toques com as mãos. "Massageando o corpo nos pontos onde se concentra a energia vital - as chamadas travas de segurança da energia - é possível restabelecer o equilíbrio físico e mental", explica Margareth Umeoka Serra, instrutora de jin shin jyutsu, de São Paulo.

Como fazer
Bem relaxada, coloque a mão direita embaixo do braço esquerdo e a mão esquerda embaixo do braço direito, pressionando levemente. Permaneça nesse abraço gostoso por alguns minutos até sentir-se mais protegida e confiante.





2. DOR DE CABEÇA
Ela é muito comum em situações de estresse e não costuma cessar facilmente. Para aliviá-la, experimente essa estimulação da abhyanga, que é uma massagem terapêutica com óleo, derivada da medicina ayurvédica, que consiste em estimular os "marmas", pontos vitais que auxiliam na manutenção do equilíbrio corporal.

"Ela nutre os tecidos, equilibra os pontos de energia, é rejuvenescedora, aumenta a força e a virilidade, e diminui o estresse e a tensão", garante o clínico geral Aderson Moreira da Rocha, presidente da Associação Brasileira de Ayurveda (RJ).

Como fazer
Escolha um óleo vegetal prensado a frio. Pode ser de coco, girassol, gergelim ou amêndoa. Sente-se ou deite-se bem relaxada. Passe o óleo nas mãos e massageie com extrema delicadeza o primeiro ponto marma, localizado entre as sobrancelhas, correspondente à área do terceiro olho. Faça movimentos circulares, com muita leveza, até sentir que a dor de cabeça está cessando.





3. EMOÇÕES NEGATIVAS
O estresse mexe com as emoções e, em estágios avançados, tende a despertar uma série de sentimentos incômodos tais como irritação, ódio, desesperança, difíceis de serem vencidos. Para a prática terapêutica chinesa chi nei tsang, tensões, preocupações e aborrecimentos se acumulam no abdome, centro energético do corpo, e raramente se dissipam. O resultado é a obstrução da circulação de energia.

À procura de uma saída, essas emoções negativas e energias tóxicas criam um círculo vicioso de estresse. Com a prática da chi nei tsang, eliminam-se as toxinas, as emoções negativas e o excesso ou deficiência de calor, que causam a disfunção dos órgãos.

Como fazer
Coloque o polegar direito sobre o osso do quadril direito e distribua os dedos sobre o rim. O dedo médio deve incidir sobre o sacro e os demais ao longo da espinha. Use a mão para enviar energia para o rim. Em seguida, ponha a palma da mão esquerda sobre o umbigo, logo abaixo do esterno. Pressione para baixo com a palma esquerda, num movimento circular anti-horário.
Pressione para cima com a mão direita.

Aos poucos, movimente a palma esquerda mais para baixo na direção do umbigo. Pratique este exercício 9, 18 ou 36 vezes. Descanse e concentre-se no umbigo durante alguns minutos. Sinta a energia começar acumulando-se no centro do umbigo. Troque então de mão e faça o mesmo no lado esquerdo. Coloque a mão direita sobre o umbigo e a esquerda sobre o quadril e o rim. Use a base da palma da mão direita e os dedos para massagear o umbigo em movimentos no sentido horário, descendo aos poucos da área do esterno para o umbigo.

4. DORES MUSCULARES E MAL-ESTAR
"O estresse diminui a circulação sanguínea no organismo, prejudicando a oxigenação. O shiatsu auxilia no restabelecimento do fluxo energético à medida que estimula os pontos-chave do meridiano", explica Luiza Sato, especialista em shiatsu.

A técnica baseia-se nos mesmos princípios da acupuntura e defende que nosso bem-estar depende do bom fluxo de energia por caminhos que percorrem o corpo todo - os meridianos. Qualquer bloqueio pode gerar dor ou até se transformar em doença.

Como fazer
Sente-se com as pernas dobradas. Localize uma saliência óssea na lateral externa de uma delas, bem abaixo do joelho. Coloque o polegar abaixo desse ponto e pressione com força. Estique a ponta do pé. Ao diminuir a pressão, traga-o para trás. Repita o exercício algumas vezes. Desça lentamente com a mão na mesma linha até alcançar o calcanhar. Repita com a outra perna.






5. TENSÃO NO PESCOÇO
Em momentos de estresse, a região do pescoço é uma das primeiras a ressentir a tensão. Uma forma de relaxar essa região é pressionar os pontos reflexos do pé, seguindo os princípios da reflexologia, técnica chinesa que se baseia na teoria de que nossos órgãos internos têm pontos correspondentes na superfície do corpo. "A massagem tanto pode ser feita com as próprias mãos ou com o auxílio de objetos como uma bola de tênis, um pedaço de bambu ou uma pedra lisa e arredondada", sugere o clínico geral Aderson Moreira da Rocha, do Rio de Janeiro.

Como fazer
Sente-se confortavelmente e inicie o exercício com a exploração suave dos pés e da parte inferior das pernas. Para diminuir a tensão e relaxar o pescoço, segure um dedo do pé por vez, posicionando as mãos de forma que a almofada do polegar fique embaixo e a lateral do dedo indicador fique em cima. Em seguida, puxe suavemente cada dedo na sua direção.

Antiga sabedoria
Acredita-se que a terapia do estímulo manual seja mais antiga que a acupuntura e a farmacoterapia. Ela surgiu quando o primeiro homem massageou instintivamente o próprio pé ferido, na tentativa de aliviar a dor. Já na Antiguidade, as civilizações gregas, egípcias e chinesas faziam largo uso da massagem, considerada o tratamento terapêutico mais natural de todos por utilizar apenas o contato das mãos na superfície da pele. Hoje sabemos que o homem pode transmitir grande parte de sua energia através do calor das mãos, pois estas se constituem em verdadeiros prolongamentos das linhas vitais do corpo.

Fonte:Revista Estilo Natural

Quando dor na coluna é caso de cirurgia


Certos problemas de coluna apresentam sérios riscos para a saúde e a cirurgia pode ser o melhor tratamento.

A Organização Mundial da Saúde estima que 80% dos adultos sofreram ou sofrerão com dor nas costas, por diversas causas. Esses problemas podem ser tratados de muitas formas, como por fisioterapia ou uso de medicamentos. Mas há uma classe de doenças, que atingem a coluna, que merecem uma atenção especial, pois podem levar o paciente ao centro cirúrgico: as doenças degenerativas. “As principais causas de dores e patologias na coluna são as doenças degenerativas, ou seja, que são resultado do envelhecimento das estruturas da coluna”, afirma Eduardo Puppi Moro, neurocirurgião da Clínica Canto e Hospital Nossa Senhora das Graças.

O envelhecimento do organismo leva a diversas alterações estruturais, que causam dor local, como artrose de articulações, degeneração discal, instabilidade na coluna e deformidades. “O processo degenerativo pode levar também à criação do, popularmente conhecido, bico-de-papagaio, hérnias, protusões discais e espessamento de ligamentos, que podem causar a compressão de estruturas nervosas”, comenta o neurocirurgião.

Quando há compressão, seja de raízes nervosas ou da própria medula espinhal, é necessária a avaliação de um especialista, pois a cirurgia pode ser a melhor opção de tratamento para evitar conseqüências graves, como uma possível paralisia. “No caso de compressão de raízes nervosas, podem ocorrer dores, alteração de força ou sensibilidade em braços e pernas, dependendo do local. Se a compressão for medular, além da perda de força, o paciente corre o risco de paraplegia – paralisia das pernas – ou tetraplegia – paralisia dos quatro membros”, alerta Dr. Eduardo Moro.

Os tipos de cirurgias são muitos. Há remoções simples de disco, descompressão de estruturas com retirada de partes ósseas e ligamentos, procedimentos para dor e, até, a fusão da coluna com instrumentos como parafusos, placas e cages. “Como toda cirurgia apresenta riscos, é necessária uma cuidadosa avaliação de um especialista para verificar se essa é a melhor opção para cada paciente específico”, ressalta.

Perguntas e Respostas osbre Cirurgia na Coluna

Evite a proliferação do mosquito


Qualquer local que possa juntar água limpa e parada é um foco do mosquito Aedes aegypti: pratos de vasos de plantas, caixas d’água mal tampadas, latas, garrafas, plásticos, cacos, pneus, piscinas sem tratamento da água, calhas etc.

O perigo maior é em casa. Calcula-se que 90% dos focos do mosquito sejam domésticos.

Velas de citronela ou andiroba e repelentes são paliativos: não eliminam o mosquito e o mantêm distante por algum tempo. As velas têm raio de alcance restrito. Os repelentes possuem duração de proteção limitada.


Como evitar a proliferação do mosquito
Coloque areia no prato das plantas ou troque a água uma vez por semana. Mas não basta esvaziar o recipiente. É preciso esfregá-lo, para retirar os ovos do mosquito depositados na superfície da parede interna, pouco acima do nível da água. O mesmo vale para qualquer recipiente com água.

Pneus velhos devem ser furados e guardados com cobertura ou recolhidos pela limpeza pública. Garrafas pet e outros recipientes vazios também devem ser entregues à limpeza pública. Vasos e baldes vazios devem ser colocados de boca para baixo. Limpe diariamente as cubas de bebedouros de água mineral e de água comum. Seque as áreas que acumulem águas de chuva. Tampe as caixas d’água.

Anatomia do nervo facial


O nervo facial tem um trajeto complexo e tortuoso, fato que o torna vulnerável à lesões. Podemos dividir seu trajeto em intracraniano e extracraniano.

►O nervo facial é um nervo misto, com fibras motoras, sensoriais e autonômicas. As fibras motoras originam-se do núcleo motor do nervo facial no tegmento da ponte. Suas fibras contornam o núcleo do nervo abducente (colículo facial) e dirigem-se para o ângulo cerebelo-pontino saindo do tronco cerebral pelo sulco bulbo-pontino.

►As fibras parassimpáticas originam-se do núcleo salivatório superior e as fibras sensoriais para a gustação dos 2/3 anteriores da língua terminam no núcleo do trato solitário.

►Ao penetrar no meato acústico interno, o nervo facial tem um trajeto tortuoso no interior da porção petrosa do osso temporal. O trajeto intrapetroso divide-se em três partes: labiríntico, timpânico e mastóideo.

►O nervo facial sai do crânio pelo forame estilomastóide para inervar mais de 20 músculos da face. Dentro da glândula parótida o nervo facial divide-se em 5 ramos: temporal, zigomático, bucal, mandibular e cervical.

►As fibras parassimpáticas unem-se com as fibras motoras para formar o nervo intermédio. Este, através do nervo petroso maior se dirige ao gânglio pterigopalatino para inervar as glândulas lacrimais e da mucosa nasal e através do nervo corda do tímpano se dirige ao gânglio submandibular para inervar as glândulas submandibulares e sublinguais.

►As fibras sensoriais são de dois tipos: cutaneomucosas e gustativas. As primeiras são responsáveis pela sensibilidade somática da face externa da membrana timpânica, do conduto auditivo externo e da região posterior do pavilhão auricular. As segundas são responsáveis pela gustação dos 2/3 anteriores da língua.

Cuidado com a hernia de disco


Ficar muito tempo na mesma posição no ambiente de trabalho ou carregar excesso de peso pode ter como resultado a hérnia de disco. Por isso é preciso ficar atento e se movimentar com freqüência, com alongamentos pelo menos duas vezes ao dia.

A hérnia de disco atinge, principalmente, pessoas entre 30 e 50 anos e é decorrente da retração da musculatura tanto dos membros inferiores quanto da região lombar, provocando sobrecarga e degeneração do disco intervertebral. "A doença se desenvolve pelo processo de desidratação e degeneração do disco localizado entre as vértebras, podendo levar à compressão de raízes nervosas. Esta compressão causa a dor irradiada para o membro inferior (dor ciática), dificultando o apoio e a movimentação do tronco", explica Luis Fernando Machado, ortopedista do Hospital Professor Edmundo Vasconcelos.

Outros sintomas são a alteração na sensibilidade da planta dos pés, perda parcial dos movimentos dos dedos e diminuição dos reflexos dos membros acometidos. O diagnóstico pode ser feito através de exames como tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Tratamento

Repouso, medicação analgésica ou antiinflamatória é o mais recomendado, além da fisioterapia. "Em paciente que não responde bem ao tratamento clínico pode haver indicação de tratamento cirúrgico. A maioria das hérnias discais diminui em cerca de três meses, sem necessidade de cirurgia, mas precisam ser acompanhadas por um especialista", salienta o médico.


Tratamento não cirurgico

Beneficios do Pilates na Bola


Estes métodos do Pilates original não usam aparelhos. Os exercícios são feitos sobre colchonetes, com o auxílio da bola suíça, overball e tiras elásticas.

A bola suíça e o overball dificultam os exercícios, gerando instabilidade durante o movimento, tornando a aula ainda mais divertida com desafios e resultados rápidos. Cada exercício deve ser realizado num ângulo específico com alinhamento postural correto, abdômen contraído e respiração em cada movimento. O objetivo é manter o centro corporal estável enquanto os movimentos de braços e pernas são executados com precisão. É um método que tonifica e define músculos, melhora a flexibilidade e harmoniza as formas do corpo. Melhora a postura, o equilíbrio e a coordenação, além da proporcionar satisfação pela prática.

Os beneficios são:

Alinhamento postural e equilíbrio muscular;
Melhora da força, da resistência e da flexibilidade;
Aprimoramento da concentração, da respiração e do controle corporal,
Alívio das dores crônicas, tensões e estresse;
Maior coordenação motora e consciência corporal;
Relaxamento.

Com todos os benefícios proporcionados pelo método de pilates citados acima, a melhor idade é a mais indicada para a atividade em virtude de seus agravos decorrentes do envelhecimento celular.

O melhor equilíbrio muscular, aumento da força e da flexibilidade possibilitam a realização das atividades da vida diária com mais conforto e independência, ajudando a prevenir futuras doenças.

A postura correta aumenta a autoconfiança, auxilia na respiração, promove alongamento e relaxamento dos músculos e ligamentos que foram tencionados e encurtados com o passar dos anos pela postura incorreta.

Compre Dvds de pilates na bola. Clique aqui!

Bolas para Pilates, veja aqui!

Compre Cds, Livros e Dvds sobre Pilates. Clique!

A massagem de pedras de Jade


A intensa busca do bem-estar resgatou mais essa massagem do Oriente. Consta que ela era muito usada por Cixi, imperatriz e regente da China de 1861 a 1908.

Que os chineses entendem do assunto, ninguém duvida, e essa técnica, em especial, concentra toda a filosofia milenar aproveitada por meios das pedras.

Para começar, equilibra a energia e promove um relaxamento profundo. Como faz uma drenagem linfática, emagrece, alivia dores, reduz a retenção de líquidos e o inchaço, regula o metabolismo e até rejuvenesce.

O milagre está nas pedras de Jade, uma espécie chinesa encontrada em cinco cores, e cada uma corresponde a um elemento da natureza:

Branco: É o metal, equilibra as funções do intestino grosso e dos pulmões.

Verde: Melhora o funcionamento do fígado, da vesícula, da corrente sanguínea e o aspecto psicológico. Seu elemento é a madeira.

Preto: Representa a água e regula a função dos rins, bexiga e órgãos reprodutores. Elimina
o inchaço do corpo e do rosto.

Vermelho: É o fogo e auxilia a saúde do coração, do intestino delgado e também acalma a mente e fortalece a memória.

Amarelo: Ligado ao elemento terra, ajuda no funcionamento do estômago.

Yeh Pi Yun, diretora do Beauty Art (SP) e introdutora da técnica no Brasil, diz que o resultado do procedimento para alívio de dores, estresse e cansaço é imediato.

Se o objetivo for emagrecer, esculpir e tonifi car o corpo, então sua ação é progressiva. O tratamento ideal dura aproximadamente uma hora e meia.

Primeiro a terapeuta limpa e hidrata a pele e em seguida dá início às manobras, começando com a massagem facial para na sequência, fazer a corporal. “Mas a cliente decide se quer os benefícios no rosto ou no corpo”, conta Yeh.

Por isso os preços são variados: R$ 80 a limpeza, R$ 35 a aplicação das pedras no rosto, e R$ 105 no corpo. As sessões podem ser feitas uma vez por semana ou a cada 15 dias.

“As pedras são movimentadas em sentido circular ou reto, seguindo pontos sugeridos pela acupuntura e do-in para tratar o fluxo energético do corpo”, explica Yeh Pi Yun.

O que é tendinopatia do tendão supra-espinhoso?


 

O músculo supra-espinhoso é encontrado numa região conhecida como fossa supra-espinhal da escápula (aquela conhecida antigamente como "pá do ombro"!); e tem suas dimensões delimitadoras, que é desta região até o início ou cabeça do úmero; este que é o osso que constitui a região do nosso membro superior conhecida como braço (lembrete: o membro superior é formado de braço, antebraço, punho e mão).

A tendinite do músculo supra-espinhoso é uma lesão de característica inflamatória muito comum em nossa população, principalmente na que precisa dos braços para trabalhar. Ela pode ser resultante de inúmeros fatores: uso excessivo e por longo tempo; pegar peso demais; pancadas na região; posições mantidas por muito tempo; entre outros.

Entre os sinais e sintomas que possam caracterizar que você esta sofrendo de tendinite do supra-espinhoso estão

  • dificuldade de levantar o braço a altura da cabeça; de pegar um objeto muito ou pouco pesado (fraqueza e dor);
  • dor ao pentear o cabelo, abotoar o sutiã ou coçar as costas; dor ao apertar o ombro; enfim,
  • dificuldade de realizar qualquer movimento em que seja necessário rodar o braço e/ou levantá-lo acima da cabeça.

O tratamento deste acometimento é simples, porém demorado até se ter uma recuperação total; quando esta é possível. E, dependendo da gravidade do caso, pode ser necessário até uma intervenção cirúrgica neste tendão; sendo estes os casos mais avançados desta patologia.

As fibras do tendão falham quando as cargas aplicadas excedem a sua resistência. O processo começa com alterações no tendão que se denominam de tendinites. As forças a que o tendão do supra-espinhoso está submetido levam a lesões acumulativas. Mesmo quando o tendão se cura, o tecido cicatricial diminui a elasticidade normal do tendão, que pode se tornar insuficiente para o próximo esforço. Os sintomas clínicos de dor e incômodo podem desaparecer sem que haja reparação do tendão.

Os episódios subseqüentes, mesmo quando submetidos a cargas menores do que o defeito inicial, levam a um processo degenerativo que progressivamente causa falha no tendão. O tratamento deve ser feito de acordo com a gravidade da lesão. Nos casos mais leves, o paciente deve repousar, tomar medicação analgésica e antiinflamatória e fazer fisioterapia. Cirurgias só são indicadas nos casos mais severos.

A fisioterapia tem um papel importantíssimo no tratamento deste acometimento; tanto nos casos não cirúrgicos como nos casos cirúrgicos, onde neste último o fisioterapeuta atua antes e depois do procedimento. Entretanto é de fundamental importância que o paciente procure atendimento médico o mais precoce possível, pois quando mais cedo for diagnosticada, a tendinite terá melhor resultado quanto à melhora.

 
 
 
DICAS DA DANI:
 
ACESSE O BLOG FAÇA FISIOTERAPIA. TRATAMENTOS PARA TENDINITES!
 
ACABE COM AS DORES CAUSADAS PELA TENDINITE. CLIQUE AQUI!