Distúrbio da ATM e Terapia Craniossacral


Disfunção ou Distúrbio da ATM ou Disfunção Temporo-Mandibular (DTM) é um termo usado para descrever vários sintomas que envolvem a ATM e as estruturas relacionadas a ela. Aproximadamente 60% da população mundial sofre de alguma disfunção nesta articulação.

A ATM é a articulação mais usada do corpo humano, sendo responsável pela abertura e fechamento da boca durante a mastigação, fala e deglutição. Cada articulação temporomandibular é composta pelos ossos temporais e a mandíbula, e está localizada a alguns centímetros anterior aos ouvidos.

Os sintomas que a disfunção temporomandibular pode apresentar são variados: dores na ATM, dor facial, dor ao redor do ouvido, dores de cabeça, sensação de ardência no nariz, garganta e língua, rigidez e inchaço na ATM, mastigação dolorida, estalos e crepitação ao fechar e abrir a boca, pressão e zumbido nos ouvidos, perda de audição, dores no pescoço e ombros, além de desordens emocionais como irritabilidade, depressão e estresse. Outro sinal que pode indicar uma disfunção na ATM é a amplitude da abertura da boca que deve ser de 3 dedos (4,5 cm) aproximadamente.

Bruxismo (apertar e ranger os dentes) e problemas de oclusão ( mordida aberta, cruzada, desvio da linha mediana) também podem estar presentes na DTM.

As causas gerais que podem provocar ou contribuir para a Disfunção na ATM podem ser:

• Desequilíbrio do Sistema Craniossacral: posicionamento irregular dos ossos temporais, palato duro e osso esfenóide, devido à tensões e contrações dos músculos e ligamentos da mastigação, desalinhamento postural, má formação genética, traumatismo físico e emocional

• Estresse físico, mental, e emocional

• Nevralgia do trigêmio

• Doenças degenerativas

• Problemas dentários

Por se tratar de causas tão variadas e interligadas, o tratamento holístico da DTM deve incluir as terapias corporais, psicoterapias e terapias alternativas no trabalho conjunto com a medicina alopática e a odontologia para a obtenção de um resultado positivo duradouro.

A Terapia Craniossacral atua no funcionamento do Sistema Craniossacral através de manipulações não-invasivas dos ossos cranianos e sistema miofascial, encorajando uma oclusão balanceada e um melhor posicionamento dos dentes. Promovendo também um profundo relaxamento e equilibrando o Sistema Nervoso, auxilia na redução do estresse e problemas psicossomáticos que estão causando ou agravando a DTM.

O tratamento craniossacral deve ser feito anteriormente à intervenção ortodôntica, porque produz uma mudança no sistema mastigatório que pode reduzir o tempo de uso dos aparelhos ortodônticos e até eliminar a necessidade de cirurgia dependendo do caso.

A Terapia de Integração Craniossacral considera que a DTM faz parte da totalidade do paciente e é esta complexidade que deve ser avaliada e tratada.



Escrito por: Aziza(Dra. Lurica Noguchi)

Fonte: http://www.integracranio.com.br

Fisioterapia em mastectomizadas


O carcinoma mamário é uma patologia complexa e heterogênea, que consiste na formação de um tumor maligno a partir da multiplicação exagerada e desordenada de células anormais, podendo apresentar-se através de inúmeras formas clínicas e morfológicas, diferentes graus de agressividade tumoral e um importante potencial metastásico. (CÂNCER DE MAMA, 2003; Freitas et al. ,1997).

 

Acomete mulheres jovens, com curva ascendente á partir dos 25 anos de idade, com a maioria dos casos concentrados entre 45 e 50 anos. (Freitas et al. ,1997).

 

A mastectomia é o procedimento cirúrgico que se caracteriza pela remoção da mama para disseminação do câncer (MACHADO, 2003), ou seja, retirada total do tecido mamário, ela pode ser realizada de várias maneiras, comprometendo as funções da paciente a depender do quadro já instalado e do método cirúrgico utilizado como tratamento curativo, o que logo encontram-se; Tumorectomia, Quadrantectomia, Mastectomia simples ou total, Mastectomia radical modificada e Mastectomia radical, que é a intervenção sofrida pelas as pacientes que consiste em retirada da mama, dos músculos do peito, todos os gânglios linfáticos da axila, alguma gordura em excesso e pele. Este tipo de cirurgia é raramente realizado; somente é aplicado em tumores maiores.(American Câncer Society et al., 2003).

 

Este trabalho tem como objetivo através de um estudo de caso analisar os efeitos da atuação da fisioterapia no acompanhamento pós-operatório de mastectomia radical. A mama é um órgão simbólico, tido como representativo a feminilidade, maternidade e sexualidade.

 

Cirurgias nesse órgão acarretam danos tantos físicos como psicológicos.

           

A atuação da Fisioterapia tem como importância à assistência na reabilitação física da mulher no período pós-operatório do câncer de mama, prevenindo algumas complicações, como; aderência cicatricial, retrações, fibrose, dor na incisão cirúrgica, e região cervical, alterações de sensibilidade, alterações posturais e respiratórias, linfedemas, diminuição de amplitude de movimento (ADM), fraqueza, encurtamentos musculares, além de alterações psicológicas, como modificação de auto-imagem. (Freitas et al.,1997) promovendo assim adequada recuperação funcional, e conseqüentemente propiciando melhor qualidade de vida.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

 

Este estudo clínico foi realizado na clínica de Fisioterapia das Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) com duas pacientes que se submeteram a mastectomia radical, tendo idades de 43 e 42 anos respectivamente.

 

O levantamento de dados de cada paciente foi analisado com a autorização das mesmas através de um termo de consentimento livre e esclarecido.

 

Os critérios de inclusão para o trabalho foram mulheres mastectomizadas radicalmente há menos de 6 meses, com limitação de ADM nos membros superiores (MMSS), ausência de tratamento fisioterapêutico anterior e sem qualquer outra patologia associada.

 

Depois de selecionadas, as pacientes receberam explicações quanto aos objetivos e procedimentos do estudo e foram submetidas a uma avaliação, sendo esta seguida de 20 sessões de Fisioterapia. Cada sessão constituiu-se de drenagem linfática, compressão pneumática, exercícios ativos e ativos resistidos.

 

Ao final das 20 sessões as pacientes foram reavaliadas.

 

A medida da amplitude do movimento articular (ADM), foi avaliada pelo período da manhã.

 

 A avaliação consistiu em história da moléstia atual (HMA), história da moléstia pregressa (HMP), teste de força e observações posturais gerais que ocorreu durante o estudo no início, durante e no final do tratamento, sendo utilizado como instrumento o goniômetro universal. Foi realizado goniometria nos movimentos de flexão, extensão, abdução e adução de ombro na região de maior acometimento gerado pelo ato cirúrgico.

 

A primeira paciente 43 anos, doméstica, submeteu-se a mastectomia há 5 meses, realizando somente radioterapia complementar, não sendo necessário à realização de quimioterapia.

 

 A paciente apresentou a limitação de ADM, não apresentou fraqueza muscular exceto em flexão de ombro, linfedema, diminuição de sensibilidade na mama direita devido à cicatriz de aspecto hipertrófica, causa principal de sua limitação e tendo como alterações posturais retração de ombro e ombro esquerdo mais elevado do que o direito.

 

 A paciente apresentou o quadro álgico em amplitudes limites e na movimentação passiva.

 

A segunda paciente tem 42 anos, tinha como profissão anterior como cargo telefonista, realizou a cirurgia também há 5 meses na mama direita, realizou sessões de radioterapia e durante o decorrer do tratamento realizou sessões de quimioterapia, o que deixou a paciente com o metabolismo e o psicológico bastante abalados.

 

A paciente relatou sentir muita dor, implicando na limitação de sua ADM, apresentou fraqueza muscular, diminuição da sensibilidade da mama direita, ansiedade, insônia, leve estado depressivo, linfedema acentuado, e foi observado como alterações posturais retração de ombro esquerdo, sendo que o ombro direito se apresenta mais elevado do que o esquerdo, sendo assim a paciente não consegue manter-se em decúbito lateral devido ao quadro álgico.

 

 Durante o tratamento as pacientes foram submetidas a exercícios supervisionados, onde foram efetuadas as drenagens linfáticas, logo após o uso do aparelho de compressão pneumática durante 15 minutos, seguido de séries de exercícios ativos, a fim de mobilizar o membro. Tais exercícios consistiam em movimentos de flexão, extensão, abdução, adução e circundação de ombro, respeitando sempre a limitação funcional de cada paciente orientando-as sempre a superar seus limites para gerar assim o ganho de ADM, finalizando a sessão com exercícios resistidos com carga de 1 kg a fim de manter a integridade de força muscular de membro acometido. Todas as sessões tiveram duração de 50 minutos que eram realizadas duas vezes semanalmente.

 

RESULTADO

 

Das 2 pacientes que realizaram a Mastectomia Radical e cumpriram com o programa de tratamento fisioterapêutico relataram melhora, onde foi observados os seguintes resultados:

 

Valores normais de amplitude:

Flexão de ombro: 180º

Extensão de ombro: 45º a 50º

Abdução de ombro: 180º

Adução de ombro: 30º a 45º

 

Paciente 1

 

1º Avaliação antes do tratamento:

 Membro superior direito:

Flexão de ombro: 88º

Extensão de ombro: 40º

Abdução de ombro: 93º

 

2º Avaliação;

Flexão de ombro: 92º

Extensão de ombro: 40º

Abdução de ombro: 114º

Adução de ombro: 24º

 

3º Avaliação;

 Flexão de ombro: 130º

Extensão de ombro: 45º

Abdução de ombro: 144º

Adução de ombro: 40º

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gráfico 1 -

Fonte: Pesquisa de Campo, 2004.

Organização: COSTA, A.P.S.

 

Paciente 2

 

1º Avaliação antes do tratamento:

 Membro superior direito:

Flexão de ombro: 89º

Extensão de ombro: 50º

Abdução de ombro: 104º

Adução de ombro: 45º

 

2º Avaliação

Flexão de ombro: 90º

Extensão de ombro: 50º

Abdução de ombro: 114º

Adução de ombro: 45º

 

3º Avaliação

Flexão de ombro: 172º

Extensão de ombro: 50º

Abdução de ombro: 132º

Adução de ombro: 45º

 

 

 

 

 

Gráfico 2-

 

 

Fonte: Pesquisa de Campo, 2004.

Organização: COSTA, A.P.S.

 

DISCUSSÃO

 

Este ensaio clínico observou a atuação da Fisioterapia no pós-operatório de mastectomia radical, onde acompanhando as séries de exercícios, observou-se principalmente déficit na flexão e na abdução do ombro com amplitudes menores de 100º implicando nas AVD's das pacientes. Sugden et al.(1998) relatam que metade das mulheres submetida a mastectomia radical por carcinoma de mama apresenta limitação de pelo menos um movimento do ombro após a cirurgia.Com o decorrer do tratamento as pacientes relataram melhora na funcionabilidade.Box et al. (2002) referem que as mulheres que se submeteram a exercícios supervisionados tem recuperação significante maior na amplitude de movimento quando comparadas com mulheres que não se submeteram a um programa de fisioterapia.É importante salientar que a amplitude de movimento foi medida por meio de um bom alinhamento postural na posição ortostática de acordo com a funcionabilidade articular nas AVD's mesmo com as alterações posturais visíveis é mais preciso essa verificação do ganho de amplitude devido às posições funcionais.

 

Foram observados nas duas pacientes influências na recuperação dos movimentos do ombro devido ao linfedema. Assim, Bacelar (2002) e Harris (2002) afirmam que o linfedema é uma das complicações decorrentes das cirurgias de mama acrescida de esvaziamento axilar, é a única seqüela em que a incidência aumenta com o tempo. Estudos comprovam que as pacientes com linfedema apresentam alterações psicológicas, sociais, sexuais, e funcionais importantes quando comparadas com as pacientes submetidas ao tratamento para o câncer de mama, mas que não desenvolveram linfedema. (Bergman, 2000). As duas pacientes apresentaram problemas relacionados, sendo que a segunda paciente relatou maiores sintomas em relação ao linfedema, evidenciando todas as alterações citadas pelo autor.

 

A paciente que sobrevive ao câncer de mama não luta somente pela vida, sua expectativa é de que a vida seja um mínimo possível alterada pela doença e pelo tratamento. Sabe-se que as pacientes sofrem uma variedade de déficits funcionais que impedem de realizar suas atividades de vida diária requerendo cuidados de outrem. Esta expectativa muitas vezes se volta para a Fisioterapia devido à constância ao tratamento. Sendo este profissional muito requisitado no entender dos anseios, dúvidas e medos das pacientes. (Mackey et al. 2000; Beltran et al. ,2002).

 

CONCLUSÃO

 

A Fisioterapia aborda vários aspectos em pacientes operadas com câncer de mama, trabalhando desde a reabilitação funcional, cicatrização, prevenção de complicações linfáticas, até fortalecimento muscular.

 

A mulher que faz fisioterapia diminui o tempo de recuperação e retorna mais rapidamente as atividades diárias e ocupacionais.

 

Num contexto geral, a Fisioterapia facilita integração ao lado operada ao resto do corpo, facilitando o retorno da sua rotina e ocorrendo também a aceitação de seu corpo, e finalmente auxiliando na prevenção de outras complicações comuns na paciente operada do câncer de mama.

 

Como se trata de uma mutilação em um órgão tão significativo para a mulher, concluiu-se neste trabalho que a Fisioterapia contribuiu para o ganho de ADM fazendo com que a mulher se torne gradativamente mais independente com o aumentando da sua funcionabilidade.

Massagem modeladora



Massagem modeladora

Muitos homens e mulheres, por mais preocupados com os hábitos alimentares e com os exercícios físicos, acabam padecendo com as gordurinhas localizadas que parecem serem imunes a quaiquers esforços. Os tratamentos estéticos ajudam a resolver este e outros problemas que incomodam e podem até interferir na saúde.

A massagem modeladora, que funciona como uma minilipo manual, pode ser feita em casa e a curto prazo, quando aliada à uma vida saudável e não-sedentária, consegue detonar aquelas gordurinhas insistentes que se acumulam na barriga e nos quadris.

Como funciona?

"O objetivo da massagem redutora modeladora é 'esvaziar' as células adiposas" afirma Fátima Barros, esteticista carioca. "Os movimentos da massagem amolecem a gordura que está dentro das células, fazendo com que ela seja eliminada pela urina e suor" conta ela.

Quando realizada em uma clínica de estética, a massagem é precedida de uma sessão de manta térmica, que esquenta a região a ser trabalhada, o que facilita o amolecimento da gordura. Com a ajuda de um creme de parafina ou outro produto emoliente, a profissional executa os movimentos de quebra das moléculas. "Aconselho que em casa, as pessoas que se submetem ao tratamento usem cremes crioterápicos, que esfriam a pele, fazendo com que as células se agitem na tentativa de aquecer a região, o que ajuda na quebra de gordura" afirma Fátima.

O ideal é aliar o tratamento com uma dieta hipocalórica e exercícios aeróbicos, que queimam calorias. Seguindo esta receita, é possível diminuir até 2 centímetros de abdômen e 4 centímetros de coxas em dez sessões (duas por semana). "A massagem ainda ajuda a tonificar os músculos, por isso é comum que a região fique dolorida por algumas horas após cada sessão, melhorando com o tempo" avisa a esteticista. O preço varia de acordo com a região do corpo a ser trabalhada, ficando entre R$ 300 e R$ 450 por pacote de dez sessões (preços pesquisados no Rio de Janeiro).

O que é Massagem ?


O que é Massagem ?


          O que é Massagem? Podemos defini-la como um conjunto de manobras, aplicadas com as mãos (nem sempre), sobre a pele com finalidades, normalmente,  estéticas ou terapêuticas. 
           O termo massagem poderia ser comparado a um "guarda-roupa" no qual encontramos vestimentas para diferentes ocasiões. Notem que é a ocasião que determinará o estilo de roupa que usaremos. Não podemos usar a mesma roupa em todas as ocasiões. Assim é com a massagem. Existem diferentes estilos com efeitos distintos. O Massoterapeuta (Massagista Terapêutico) deveria conhecer o maior número possível destes estilos para diversificar seu "guarda-roupa" e, assim, estar melhor qualificado para abordar os diferentes problemas com os quais se vê confrontado diariamente. Antes de conhecermos alguns destes estilos convém saber sobre o que atua a massagem. A massagem pode atuar de maneira a proporcionar um Equilíbrio Energético. Neste prisma destacam-se, em especial, as massagens orientais como o Shiatsu, Do-In (auto-massagem), Massagem Ayurvédica entre outras. Os estilos ocidentais objetivam, na sua maioria, a atuação  Neurocirculatória ou seja: Efeitos sobre o  Sistema Nervoso e Circulação de Retorno, Venosa e Linfática (em 2º plano temos os efeitos sobre os tecidos). Ainda nesta ótica inserem-se as massagens chamadas Reflexas (preferimos chamá-las de Sensibilizações) e que são feitas em partes do corpo como pés (Podal), mãos (Quirodal) e orelhas (Auricular) buscando os mesmos efeitos, ou seja, atuar sobre órgãos do corpo  via  Sistema Nervoso Central (SNC).

"INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES" " As indicações da massagem e suas contra-indicações se embasarão nos efeitos desta sobre o que atuam. No caso das Neurocirculatórias será sobre o Sistema Nervoso e Circulatório e no  Sistema Urinário que, por depurar o circulatório,  encontra-se  diretamente envolvido . O que a massagem faz nestes sistemas? No Sistema Nervoso poderá, através do  Sistema Nervoso Periférico  Sensor (SNP) que levará os estímulos ao Sistema Nervoso Central (SNC) e que poderá acionar o Sistema Nervoso Autônomo (SNA), acalmar, relaxaro paciente por indução ao Parassimpático ou,  por se   gerar um grande número de estímulos nos folículos sensores da pele, excitar o SNC, promovendo a recuperação de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e, também,  provocar analgesia levando, ao Sistema Nervoso Central, sensações que refletem o presente como o tato, calor, pressão e que recebem "a preferência" de atenção em detrimento da "dor" que representa o passado. (Ver Massagem Neurocirculatória). No Sistema Circulatório provoca a troca de líquidos (intersticial para venoso ou linfático, arterial para intersticial, intersticial para intracelular e intracelular para intersticial) desintoxicando e nutrindo os tecidos. Auxilia também o retorno venoso e,ou, linfático. Sendo assim, a massagem estará indicada toda vez que seus efeitos,  o incremento  na desintoxicação dos tecidos, na nutrição celular, e a influência no Sistema Nervoso (Periférico, Central ou Autônomo),  acalmando, excitando, aumentando o peristaltismo, se houver nas  áreas massageadas, forem benéficos ao paciente e, estará contra-indicada, toda vez que o incremento da desintoxicação dos tecidos (Insuficiência Renal) ou dos efeitos sobre o Sistema nervoso, anteriormente descrito, forem prejudiciais ao paciente.  Se tivermos em mente estes dois fundamentos, não precisaremos de uma lista de indicações e outra de contra-indicações. 

A massagem também poderá ser considerada quanto aos efeitos que produz nos diferentes tecidos e órgãos do do corpo:

* Sobre o Tecido Adiposo:

          O favorecimento da troca de líquidos implicará na melhora da circulação periférica que dará condições aos adipócitos, em especial os superficiais, de "manterem" sua carga, impedindo a sedimentação que dá origem a celulite.

* Sobre o Tecido Muscular:

          A massagem desintoxica a musculatura pelo retorno venoso e linfático, nutre e, dependendo das manobras utilizadas, pode tonificá-la.  

* Sobre o  Tecido Ósseo:

          Está provado, mediante trabalhos científicos, que o contato do músculo com o osso (fácia no periósteo) previne e combate a Osteoporose. Usar a massagem Osteossensibilizante.

* Sobre o Sistema Digestivo:

          Quando feita sobre o "quadrado intestinal" previne e combate a constipação do mesmo.

* Sobre o Sistema Glandular Endócrino:

          Através da troca de líquidos recupera hormônios "perdidos" possibilitando que encontrem seus "alvos".

* Sobre o Sistema Linfático - Imunológico:

         Colabora com o retorno linfático formando "nova linfa" através da pressão nos tecidos. Melhora as defesas por ativar a circulação dos linfócitos e direcionar mais "liquido" para os gânglios.

* Sobre o Sistema Respiratório:

          Com manobras adequadas (percussão / tapotamento) obtém-se melhoras nos brônquios e bronquíolos.

* Sobre o Sistema Urinário:

          A troca de líquidos nos tecidos obriga o sistema urinário a depurar o sangue fazendo urina. Isto colabora com a "limpeza"do próprio sistema.

* Sobre o Sistema Circulatório:

 Por sua ação mecânica, a massagem Sueca facilita o retorno  venoso e linfático. O trabalho do terapeuta pode fazer com que tecidos com pouca circulação sejam alcançados Com este incremento circulatório todos os órgãos melhoram.

 

ATENÇÃO: Para não expor o paciente a um acidente vascular, verifique a Pressão Arterial (PA) antes de aplicar qualquer estilo de massagem. (Este procedimento pode ser objetável pelas autoridades preocupadas por acharem que estamos fazendo diagnóstico. o que não é o caso,   mas é absolutamente necessário dado os riscos envolvidos.) A "PA"  limite para que possamos fazer massagem corporal profunda,  sem riscos, é a de 15/09. A Insuficiência Renal igualmente é uma contra - indicação absoluta para a massagem profunda ou Drenagem Linfática. Importa destacar que o tempo de uma Massagem Neurocirculatória  profunda (terapêutica ou estética) ou de uma Drenagem Linfática pelo Método Propeli não deverá ser muito prolongada, (mais de 40') pois, após este tempo, a troca de líquidos não beneficiará mais o paciente que estaria recebendo, como líquido intersticial e intracelular o que era sangue arterial mas que ainda não sofreu purificação nos rins por falta de tempo hábil ou de líquido disponível para formar Urina.. Este "problema" pode ser amenizado quando orientamos o paciente a beber água antes e após a massagem. 
CONSIDERAÇÕES: Ao utilizarmos a massagem com o objetivo de auxiliar a circulação de retorno venosa e,ou, linfática ou incrementar seu objetivo que é a desintoxicação de tecidos,  devemos entender que nossa intervenção não é natural. Algo esta acontecendo, sobrecarregando ou impedindo os sistemas de desintoxicação e nutrição de operar adequadamente. Nosso sucesso como terapeutas não está em efetuarmos "artificialmente" a "limpeza" ou nutrição e sim em descobrir e solucionar a causa do transtorno. Se não tivermos esta preocupação seremos "sintomáticos" em nossa abordagem, não objetivando a cura. Seremos apenas o 3º "faxineiro do corpo"(Venoso, Linfático e Massagista).  A DOR igualmente deve ser vista desta maneira. Podemos intervir, com nossas técnicas, para neutralizá-la porém,  sem esquecer de buscar e tratar sua causa.   

Pilates é fisioterapia ou condicionamento físico?



Pilates é fisioterapia ou condicionamento físico? E-mail

Você estava com dor e seu médico indicou Pilates? Percebeu mudança na postura de alguém por estar fazendo Pilates? Quer malhar e modelar seu corpo, sem carregar peso repetitivamente? Possui algum desvio na coluna e sente incomodo ao fazer esforço físico? Tem interesse em saber com quem ou onde fazer Pilates?

Apesar de parecer que temos todas as respostas e soluções milagrosas de suas indagações, não é bem assim, a intenção é de partilhar algumas dicas sobre o Pilates, para você tomar uma atitude.

Responder essas perguntas é ter uma visão multidisciplinar do movimento. É considerar uma técnica corporal que contempla a diversidade e busca a cumplicidade das áreas de conhecimento, a exemplo, a medicina física e esportiva, da reabilitação, da pós-reabilitação e do fitness.

Pilates é um método de tonificação muscular, realinhamento postural e alongamento corporal que integra corpo e mente, criado pelo alemão Joseph H. Pilates (1880-1967). Visando o movimento consciente sem fadiga e dor, baseia-se em seis princípios: a respiração, o controle, a concentração, o fluxo de movimento e a precisão.

Modalidades de Pilates e quem está qualificado para ensinar? Inicialmente sugere-se garantir sua escolha diante a identificação da formação e certificação em Pilates do profissional em questão de acordo com a modalidade desejada.

O Pilates reabilitação é indicado para tratamento pós-cirúrgicos, dores agudas, patologias articulares diversas (torsão, estiramento muscular, artrose, tendinites) e sequelas neurológicas (derrames, parkinson, distrofia muscular) e devem ser orientados por fisioterapêutas e profissionais de áreas afins da saúde, em atendimento individual.

Para o Pilates pós-reabilitação (postural) e fitness o ideal é o Pilates Estúdio com aulas personalizadas realizadas em grupo e individual com profissionais da área do movimento, ou seja, dançarinos, educadores físicos, dentre outros.

As aulas de Pilates reabilitação, postural, circuito e fitness caracterizam-se pela utilização de acessórios (bolas, tubos e discos proprioceptivos) e principalmente pelo uso de equipamentos de mecanoterapia denominados de reformer, trapézio, wall unit, cadeira, barril e step barril, que tem como função auxiliar o movimento consciente ao estimular, facilitar e desafiar a execução de forma assistida e resistida. Existe também aula de Pilates de solo, sem equipamentos, direcionada para quem possui domínio corporal por serem aulas mais avançadas.

Quem pode praticar?
O perfil dos praticantes abrange dos sedentários aos atletas de elites (esportistas e dançarinos), dos que apresentam dor e desvio postural aos que desejam manter e melhorar a performance física, possuindo a faixa etária de 10 anos à terceira idade.

Onde praticar?
Atualmente pelo reconhecimento e difusão do método, podem existir estúdio de Pilates em academias de dança e de ginástica, em espaços terapêuticos e alternativos, em clínicas e hospitais e estúdios particulares. Na realidade, o importante é saber qual a sua necessidade e procurar o profissional devidamente certificado e qualificado para atendê-lo.

Pilates também é prevenção.
Sendo assim, consideramos que o método Pilates tanto pode ser praticado por fisioterapêuta para tratamento de pacientes com síndromes e patologias dolorosas, como ser ministrado por dançarino e educador físico para desenvolver a aptidão física e postural tornando o corpo flexível, equilibrado, coordenado e integrado. Mas, para além dessa pretensão de enquadrar o Pilates num lugar específico da formação e da ciência, o que não se propõe como filosofia e essência. É, correlacionar o homem contemporâneo e os possíveis benefícios que o método pode proporcionar, que, não se restringe somente a curar e desenvolver qualidades físicas, corporais e posturais, mas favorecer a educação corporal preventiva.

Prevenir doenças osteomusculares independente da formação, da atividade profissional, idade ou sexo, através de exercícios pensantes é buscar a melhoria da qualidade de vida diária e profissional. É, sobretudo, preparar o corpo para se mover sabiamente diante as solicitações e estímulos nervosos, físicos e mentais proveniente da sociedade tecnológica, evitando o estresse, os vícios posturais e a falta de movimento (hipocinesia). É, por excelência, compreender que o movimento inteligente é saúde e a perda ou restrição a doença.
_______________________________________________________________________________
Márcia Santiago pós-graduada e licenciada em dança na UFBA, certificada em Pilates pela Polestar Education/ Physio Pilates. Membro da equipe Multidisciplinar do Ambulatório da Dor do Hospital das Clínicas-UFBA, Diretora e instrutora da Physio Pilates-Vilas, Educadora da PhysioPilates/Polestar responsável na formação de instrutores de Pilates no Brasil e América Latina e Professora do curso de Educação Física da Faculdade Social da Bahia e da Escola de Dança da FUNCEB.