Suplementos alimentares: vilões ou aliados?




DivulgaçãoTodo ano a mesma cena se repete: às vésperas do verão, as academias ficam lotadas de pessoas que tentam recuperar o tempo perdido e alcançar o corpo perfeito que será exibido nas praias e piscinas. E em meio à busca pela boa forma física, não é difícil encontrar adeptos dos suplementos alimentares, substâncias que, em tese, prometem acelerar tal conquista. Porém, esse nem sempre é o caminho mais seguro e eficaz.

Segundo o professor de Educação Física Emerson Azevedo, "é um grande erro utilizar suplementos sem necessidade". Ele explica que as substâncias são indicadas apenas àqueles que não conseguem repor com a alimentação normal os sais e vitaminas perdidos no treino. Outro caso são as pessoas anêmicas.

A coordenadora de Nutrição do Hospital Mário Covas, Adriana Piva Lach, aponta que o uso excessivo dos suplementos pode causar danos gastrointestinais, neurológicos, cálculos renais, cálculos na vesícula, aumento de peso e aumento da taxa de ácido úrico, que causa inchaço das juntas.

O que torna essas substâncias cada vez mais populares entre os praticantes de exercício físico é a venda liberada. Elas são facilmente encontradas em shoppings, academias e na própria internet, já que são comercializadas como produtos naturais, não viciantes e, principalmente, por não necessitar de receita médica.

O comerciante Nilson Guimarães, 38 anos, passou pela experiência do uso de suplemento sem orientação. "Entrei na academia e estava meio gordinho, então resolvi procurar algo que me fizesse emagrecer rapidamente. Os professores me orientaram a não tomar, mas a teimosia falou mais alto. Tomei durante três meses e emagreci oito quilos, depois tomei outro por mais oito meses. Então resolvi parar para ver se mantinha o mesmo corpo. Em seis meses perdi toda a massa muscular e acabei engordando. Voltarei agora para a academia, mas o máximo que vou tomar dessa vez é um energético", brinca.

Para quem quer garantir um corpo bonito e saudável até o fim do ano, Emerson dá a dica: "O correto é passar por um nutricionista, fazer uma avaliação que indicará (ou não) a deficiência de alguma vitamina e, a partir, daí fazer um cálculo diário de calorias, complementando com alguma atividade física", conclui.

Seguindo essas dicas, não há como não garantir o fim de uns quilinhos a mais. Vale a pena tentar!





Comente:

Nenhum comentário